Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 7

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 7
O Clube do Slug[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

De volta à Toca, as afirmações de Harry de que Malfoy é um Comensal da Morte são recebidas com ceticismo por Ron e Hermione, que comentam que Draco é muito novo e inexperiente para Voldemort dar a ele uma missão tão importante assim. Harry ainda teima e comenta como Draco puxou o braço quando Madam Malkin tentou levantar sua manga, o mesmo braço onde fica a Marca Negra dos Comensais. Também, ele mostrou o mesmo braço para Borgin, o que fez com que este tomasse Draco mais a sério.

Contrariado porque Ron e Hermione continuam duvidosos, Harry vai até a cozinha, interrompendo Fleur que está em plenos preparativos para seu casamento, e trazendo um certo alívio para Molly. Mrs. Weasley quer que todos arrumem suas coisas na noite anterior da partida para Hogwarts, para evitar o último minuto de correria e caos.

Na manhã seguinte, chegam os carros do Ministério da Magia, para transportá-los até a estação. Surpreendentemente, todos estão preparados cedo, os malões arrumados, Hedwig, Pichi e Bichento e o novo pet de Ginny, um pygmy puff, chamado Arnold, todos devidamente engaiolados. Harry fala particularmente com Arthur Weasley sobre o comportamento estranho de Draco. Mr. Weasley também não acredita que Draco seja um Comensal da Morte e diz que a Mansão Malfoy foi vasculhada e qualquer coisa ainda que levemente suspeita foi confiscada.

No Expresso de Hogwarts, Ron e Hermione vão para o vagão dos Monitores, enquanto Harry, Luna e Neville encontram um compartimento vazio. Harry está preocupado em ficar novamente sob os holofotes, e logo depois, a estudante do quarto ano, Romilda Vane convida Harry para sentar com ela e outros alunos. Harry recusa, dizendo que está com seus amigos. Enquanto eles discutem sobre suas notas, Harry pensa que bom seria se fosse Neville com a cicatriz e os admiradores.

Ron e Hermione retornam com novidades de que Malfoy está sentado em seu compartimento; fazendo nada de diferente além de dominar os outros Slytherins. Uma menina do terceiro ano aparece com um convite para o almoço do Professor Slughorn para Harry e Neville. É uma grande reunião, incluindo Ginny e |Blaise Zabini, um Slytherin do mesmo ano que Harry. À medida que Slughorn os interroga, se torna claro que todos os convidados estão conectados às famílias bruxas influentes, exceto Ginny porque Slughorn ficou impressionado com o Bat Bogey Hex. Tendo questionado Harry, Neville, Ginny, Blaise, Cormac McLaggen e Marcus Belby, para conhecer a respeito de suas famílias e perspectivas, Slughorn os distrai durante a tarde e depois os dispensa para se prepararem para a chegada a Hogwarts.

Deixando o compartimento de Slughorn, Harry coloca sua Capa da Invisibilidade e segue Zabini até o compartimento da Slytherin para observar Malfoy. Subindo no espaço superior para as malas, Harry se preocupa se Malfoy viu seus pés, mas Malfoy apenas se recosta com a cabeça no colo de Pansy Parkinson.

Malfoy está aborrecido por ter sido excluído, mas Zabini diz que Slughorn está interessado apenas em alunos com ligações com bruxos influentes, e especula que ele pode não estar interessado em Comensais da Morte. Malfoy deixa escapar que talvez não retorne a Hogwarts no próximo ano, afirmando que ele está mudando para coisas maiores e melhores. Quando Zabini pergunta o que um bruxo sem qualificação poderia fazer por Voldemort, Malfoy retruca que sua missão pode não necessitar de qualificação.

Na Estação de Hogsmeade, Malfoy fica para trás, no compartimento. Num movimento surpresa, ele lança um Petrificus Totalus em Harry. Malfoy viu o sapato de Harry quando ele subiu no compartimento de bagagens. Como vingança Malfoy pisa no nariz de Harry, quebrando-o, depois joga a Capa da Invisibilidade sobre ele, de modo que ele permaneça sem ser visto até depois que o trem voltar para Londres.


Análise[editar | editar código-fonte]

Harry fica frustrado porque Ron e Hermione estão constantemente desconsiderando suas suspeitas sobre Draco. No entanto isso é bom porque, em geral, Harry tira conclusões precipitadas e os amigos sempre contrabalançam isso. Desta vez, porém Harry está certo de que Draco se tornou um Comensal da Morte e está envolvido em alguma trama maliciosa, e parece praticamente obsessivo em provar isso. Considerando que os leitores já sabem sobre a missão de Draco para Voldemort, Harry obviamente está correto, embora ele, e também nós, estejamos ainda sem pistas do que se trata. Apenas sabemos que é preciso consertar algum objeto que provavelmente contém Magia das Trevas.

Pela primeira vez, vimos o início dos sentimentos românticos de Harry com relação a Ginny. Quando ela vai encontrar Dean, Harry tem uma sensação estranha que pode ser interpretada como ciúme. É claro que Harry não reconhece essa emoção porque ele nunca pensou em Ginny dessa maneira antes, mas ele claramente a vê de maneira diferente.

A personalidade de Slughorn vai ficando mais aparente agora, conforme ele imediatamente começa a procurar por alunos que estejam ligados a famílias influentes. E embora Slughorn seja, formalmente o Chefe da Casa Slytherin, parece que ele não abraça totalmente a causa do sangue puro. Além dos Slytherins, Slughorn convida outros alunos com boas ligações, e também aqueles como Ginny Weasley, que demonstrem talento excepcional para magia. Draco fica ofendido por ter sido excluído, mas alguém levanta o fato de que Slughorn, provavelmente não está interessado em Comensais da Morte, mas também pode ser por outras razões. Embora Harry tenha sido convidado por sua fama, Slughorn também incluiu ele junto com Neville, porque ambos estavam envolvidos na Batalha do Departamento de Mistérios. Ele insiste em ouvir detalhes sobre o incidente, mas ambos permanecem em silêncio por suas razões particulares. Pode ser que Slughorn saiba alguma coisa sobre a Profecia ligando os dois, assim como vale a fama de seus pais; pode ser por isso que ele não convidou outras pessoas envolvidas na Batalha.


Harry demonstra sua integridade pessoal quando recusa o convite de Romilda Vane para sentar em seu compartimento com outros alunos populares. Enquanto ele deseja evitar as atenções e outros alunos andando em volta dele, ele também prefere a companhia de Neville e de Luna, duas pessoas que, há tempos atrás ele ficava com vergonha de andar junto, mas que agora, ele se sente muito confortável de estar com eles. A lealdade e bravura de ambos na Batalha do Ministério da Magia mudou para sempre a opinião e estima dele pelos colegas, mostrando sua maturidade crescente ao avaliar os outros pelo seu valor interior e aceitar esses dois, chamados de “esquisitos” não só como colegas, mas como amigos. Sua influência ajudou por demais a cada um deles a realizar seu potencial inexplorado, enquanto eles por sua vez, são amigos dele por causa da pessoa que ele é, e não por sua fama.

E enquanto Harry mostra grande maturidade e integridade pessoal ao aceitar Luna como amiga e igual, Ron não o faz. Quando Harry a convida para uma festa mais tarde, Ron zomba dele por chamar "Loony" Luna. Como a própria Luna nota acuradamente, Ron pode, às vezes ser engraçado mas também ofensivo. Parece que Ron esqueceu a participação de Luna na AD e como ela sempre respondeu aos chamados de Harry, assim como, também, como arriscou a própria vida no Departamento de Mistérios para ajudar Harry e Ron.

Embora Draco sempre tenha sido visto como um mandão covarde, ele é um bruxo poderoso, e sua inteligência e habilidades mágicas são, em geral, subestimadas. Durante a história ele sabe que Harry está seguindo seus movimentos, e até deixa escapar intencionalmente algumas informações interessantes sobre sua ligação com Voldemort. Porque ele faz isso, não se sabe, embora Draco dificilmente resiste a se exibir e demonstrar suas próprias virtudes para os outros. Draco deve também estar bastante confiante em que Harry nunca conte esse ataque (e o fato de ter quebrado o nariz), porque seria satisfazer a crueldade de Draco. No entanto talvez haja outras razões ocultas, para, pelo menos, algum desses comportamentos violentos.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Quais os estudantes que foram convidados para o almoço com Slughorn? Por que ele escolheu esses alunos em particular? Por que Malfoy foi excluído?
  2. Por que Harry seguiu Malfoy no trem?
  3. Por que Malfoy disse que talvez não retorne a Hogwarts no próximo ano?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Malfoy revelou uma informação aparentemente acurada e específica sobre sua ligação com Voldemort, embora soubesse que Harry estava ouvindo?
  2. Por que, a despeito das evidencias e possibilidades, Ron e Hermione não acreditam quando Harry afirma que Draco pode ser um Comensal da Morte? Os argumentos deles são válidos?
  3. No trem, por que Harry recusa o convite de Romilda Vane para sentar com ela, e outros alunos mais populares? Ele prefere sentar junto com quem e por que?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Durante o ano escolar Harry se tornou praticamente obsessivo com suspeitas sobre Draco Malfoy, até fazer coisas loucas para descobrir o que ele está tramando. Eventualmente ele descobre que Malfoy está, de fato, envolvido num esquema sinistro, embora a participação de Draco não seja bem o que parece. Não se sabe até aonde Draco permitiu que Harry ouvisse informações críticas, enquanto no Expresso de Hogwarts. Se ele estava sendo descuidado, arrogante, confiante ou subconscientemente desejando que o plano de Voldemort fosse descoberto por Dumbledore através de Harry, não se sabe, talvez a última razão pareça mais lógica de acordo com o final do livro.

Harry transmitiu suas suspeitas sobre Draco, e mais tarde sobre Snape, para Dumbledore diversas vezes durante o ano, e pelo menos pelo seu ponto de vista, sempre foi rejeitado. Mais tarde, é revelado, no último livro que Dumbledore já sabia sobre a missão de Draco e o envolvimento de Snape. É preciso ter atenção ao modo como Dumbledore se refere às acusações de Harry: Dumbledore nunca diz que ele não acredita nas acusações de Harry, ao invés, diz que isso não é da conta de Harry. Harry, no entanto, não percebe esse detalhe importante, ao invés, ele aumenta os esforços para descobrir alguma pista que convença a Dumbledore que suas suspeitas são válidas.

Conexões[editar | editar código-fonte]

Esse capítulo é amplamente independente, lida na sua maior parte com as tentativas de Harry de resolver suas suspeitas sobre Malfoy, e com a exposição do caráter do Professor Slughorn.

  • As tentativas de Romilda Vane de agarrar Harry como seu namorado vão continuar através do ano, resultando numa experiência de quase-morte para Ron, em certa altura.