Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 4

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 4
Horace Slughorn [editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Depois de deixar a casa dos Dursleys, Dumbledore pede a Harry para manter sua Capa da Invisibilidade com ele, mas manda seu malão direto para a Toca. Conforme Harry segura no braço de Dumbledore para aparatar num pequeno vilarejo. Nunca tendo aparatado antes, Harry acha a sensação basta desorientadora. Dumbledore explica novamente que Hogwarts está sem um dos professores, e Dumbledore veio até Budleigh Babberton para recrutar um novo professor.

Eles chegam a uma casa arruinada, vendo o que parece ser pura destruição e paredes internas com sangue espirrado; depois de examinar as ruínas, Dumbledore futuca uma poltrona com sua varinha. A poltrona resmunga e se transforma em Horace Slughorn, o velho colega de Dumbledore e antigo professor de Hogwarts. Slughorn criou uma falsa destruição para convencer aos intrusos que os Comensais da Morte o mataram. No entanto, Dumbledore logo viu que o ataque foi forjado porque não havia a Marca Negra flutuando sobre a casa. Dumbledore ajuda Slughorn a reconstruir a casa, depois tenta convencê-lo a retornar a Hogwarts. Ao ouvir a recusa de Slughorn, Dumbledore pede desculpas e deixa Harry e Slughorn sozinhos.

Slughorn comenta que foi professor do pai e da mãe de Harry. Lily era sua aluna favorita, sempre a melhor da turma, e ele acha que ela deveria ter sido sorteada na sua Casa, a Slytherin. Observando a reação de Harry, ele adivinha que ele pertence à Gryffindor. Slughorn comenta que reluta em aceitar um lugar em Hogwarts porque isso pode ser visto como uma declaração de ligação com a Ordem da Fênix. Harry lembra a ele que ninguém pede que os professores entrem para a Ordem e que Hogwarts é segura, uma vez que Dumbledore é o único bruxo que Voldemort teme. O único que morreu lá foi o Professor Quirrell.

Slughorn continua relutante em deixar sua casa confortável, embora, como Dumbledore comenta após voltar para a sala, ele tem estado escondido desde a volta de Voldemort. Depois de manipular habilmente o ego de Slughorn e atraí-lo com a fama de Harry, Dumbledore finalmente o convence a assumir seu antigo lugar. Quando vão embora, Dumbledore diz a Harry que Slughorn aprecia seu conforto e adora ser o poder por trás de vários tronos. Ele também ama estar entre os ricos e influentes, e Harry, sendo famoso é alguém que ele vai tentar cultivar.

Depois, Dumbledore e Harry se transportam para a Toca, e antes de partir, diz que ele e Harry terão aulas particulares durante o ano. Dumbledore também sugere que Harry que divida com Ron e Hermione, a Profecia de Trelawney e pede que Harry mantenha a Capa da Invisibilidade à mão todo o tempo.


Análise[editar | editar código-fonte]

A sugestão de Dumbledore para que Harry revele a Profecia de Trelawney para Ron e Hermione, dá ênfase à compreensão de que a força e as habilidades de Harry aumentam com a ajuda e apoio de seus amigos. Claramente, Dumbledore percebe que Harry muitas vezes recusou a ajuda dos outros. Embora Harry seja um bruxo talentoso, é a lealdade, o apoio e a habilidade individual de Ron e Hermione, que o ajudaram a superar muitas adversidades; cada um dá o seu máximo quando trabalham juntos. Harry percebe que não pode permanecer fechado com relação à morte de Sirius; é hora de reconectar com seus amigos e o mundo mágico. Dumbledore escolhe esse momento para reforçar tal pensamento.

Até então vimos Dumbledore como um bruxo genial, extremamente sábio, mas essa é a primeira vez que o vimos manipular alguém. Ele sabe que Slughorn é vaidoso e gosta de estar ligado às pessoas poderosas e influentes, que possam lhe fazer favores e permitir que ele se aproveite dos reflexos de sua fama. Quando Dumbledore oferece a Slughorn a posição em Hogwarts usando Harry como isca, ele sabe que Slughorn ficaria irresistivelmente curioso e atraído pela fama de Harry Potter, e iria querer se aproveitar da fama de Harry; Dumbledore espertamente se coloca de modo que Slughorn fica totalmente exposto na presença de Harry. Quando sua tentativa inicial de recrutar Slughorn falha, Dumbledore pede licença, deixando Slughorn e Harry sozinhos, permitindo que Slughorn se convença que Harry é a celebridade que ele deseja para ele mesmo. Finalmente, quando Slughorn já está considerando a oferta, Dumbledore reaparece, arrasta Harry debaixo do nariz de Slughorn e os dois saem. Com seu premio quase indo embora, e, talvez desesperado, Slughorn aceita a oferta de Dumbledore. É um pouco de coerção por parte de Dumbledore, particularmente porque isso permitiu que Slughorn se convencesse ele mesmo – Harry não teve nada com isso e nunca participou de nenhuma coerção.

Embora Slughorn seja um professor excelente (ou Dumbledore não iria recrutá-l0) ele pode ser problemático para Harry. Slughorn tem uma personalidade vaidosa e é atraído pela celebridade e influência de outros bruxos. O leitor atento, pode achar similaridades com Lockhart, pelo menos com relação às celebridades; Gilderoy no entanto, abriu seu próprio caminho para a fama, enquanto Slughorn, aparentemente, já aceitou que ele jamais será famoso, então gosta de aproveitar o brilho de outros, e suspeitamos que ele poderá ficar tentado a empurrar Harry em direção à fama sempre para poder aparecer. Harry que tenta evitar os refletores, pode não gostar de ter outra pessoa zanzando em volta dele para se aproveitar. Isso pode deixar o rapaz mais estressado. Além disso, a mãe de Harry, Lily, estava entre os alunos mais talentosos e favoritos de Slughorn. Talvez ele tenha expectativas irreais de que Harry tenha as mesmas habilidades, colocando muita pressão sobre Harry (as vezes necessária) para que ele alcance um nível muito mais alto do que até agora alcançou.

A afirmação de Harry de que Quirrell foi o único professor que morreu em Hogwarts, é uma simplificação excessiva. Hogwarts é uma escola há muitíssimo tempo, mais de mil anos, com professores que residem ali o ano todo; provavelmente alguns dos professores podem ter morrido lá, um deles sendo, é claro, o Professor Binns, cujo espírito ainda leciona na escola. Porém, é verdade, que o único professor que morreu ali como resultado das ações de Voldemort foi Quirrell, embora com certeza, ele não será o único.

Reparamos que Dumbledore não aparata dentro da Toca, parando um tanto perto da casa mas não nela, e nem nos terrenos adjacentes. Talvez isso possa ser considerado simples gentileza, assim como quando Dumbledore aparatou no povoado de Slughorn, ao invés de na porta da casa dele, e quando ele aparatou próximo da casa dos Dursleys ao invés de em frente a porta, e descobriremos no próximo livro que a casa dos Dursleys é uma “casa segura” e aparatação não é possível dentro da propriedade.

Embora não tenha sido discutido nesse livro, é possível que o feitiço que proíbe a aparatação ainda estivesse em ação quando Harry e Dumbledore chegam. O tempo parece ser razoável: até o final do livro anterior, Voldemort queria ficar escondido, portanto, não se moveria contra a Ordem da Fênix. Com a revelação de seu retorno, no entanto, essa limitação poderia ser esquecida, e o capítulo de abertura desse livro indica claramente que ele começou as operações visando a Ordem e seus aliados.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Dumbledore leva Harry até Budleigh Babberton Village?
  2. Por que Slughorn estava se escondendo? Como Dumbledore viu através de seu disfarce?
  3. Por que Slughorn acha que Lily Potter, nascida Trouxa, deveria pertencer à Slytherin? Qual foi a reação de Harry a essa sugestão?
  4. Por que Slughorn finalmente concorda em deixar seu retiro confortável e aceita voltar a lecionar em Hogwarts?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Dumbledore quer dar a Harry aulas particulares, e sobre o que devem ser essas aulas? Por que dessa vez ele vai dar aulas, diferente de quando Snape ensinou oclumencia?
  2. Por que Dumbledore pede a Harry para levar sua Capa da Invisibilidade com ele quando vão até o vilarejo?
  3. Por que Dumbledore pede a Harry para levar sempre a Capa da Invisibilidade junto com ele?
  4. Por que Dumbledore encoraja Harry a revelar a Profecia de Trelawney para Ron e Hermione?
  5. Os comentários de Dumbledore são um tanto desfavoráveis com relação ao fato de Slughorn querer ser o poder por trás de diversos tronos. Por acaso isso é parecido com o próprio comportamento de Dumbledore? Se é, isso é uma crítica velada a si próprio ou Dumbledore dessa vez não enxergou isso?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Harry acredita (e os leitores concordam) que Slughorn foi contratado como o novo professor de DCAT, para substituir Dolores Umbridge. Slughorn na verdade foi recrutado para ocupar outra posição; essa mudança vai afetar significativamente o futuro de Harry.

Alguns acreditam que esse capitulo contém evidencias diretas de que Horace Slughorn é ou era um Comensal da Morte. Quando Slughorn pergunta a Dumbledore como ele sabia que ele tinha forjado seu próprio sequestro/morte, Dumbledore responde, que se os Comensais da Morte tivessem sido os culpados, a Marca Negra estaria flutuando sobre a casa. Então, Slughorn responde, “a Marca Negra. Sabia que tinha alguma coisa; de qualquer forma, não teria tido tempo; “ Embora nada tenha sido dito diretamente sobre isso, fomos tentados a crer que a apenas os Comensais da Morte podem criar a Marca Negra; ou talvez pode ser que apenas eles queiram fazê-lo. Embora Horace Slughorn nunca tenha negado e nem concordado que “poderia” fazê-lo, ele apenas afirmou que não houve tempo bastante antes da chegada de Dumbledore.

Não seria provável que Slughorn fosse um Comensal da Morte. Ele adora seu conforto e todas as coisas boas e não gostaria de abrir mão delas e também ele se escondeu. Parece que ele ficou tão assustado, que não percebeu que já estava escondido e incomunicável por um ano. Se ele fosse um Comensal, ele teria se recusado a responder aos chamados da Marca Negra; nesse caso, ele de fato, teria a temer por sua vida caso fosse encontrado. Isso explicaria o fato de estar se escondendo, e sua atitude ao detectar um bruxo aparatando em no seu vilarejo. No entanto, Dumbledore pergunta se os Comensais da Morte estiveram “recrutando”; a implicação é de que Slughorn é visto como um aliado potencial ou passado, ao invés de um Comensal atual. Além disso, no último livro, vamos ver que Slughorn continua a dar aulas na escola, mesmo depois que ela se tornou um antro de Comensais da Morte. Com o hábito de Voldemort de se vingar daqueles que falharam em responder aos seus chamados iniciais como por exemplo, Karkaroff, provavelmente, se Slughorn tivesse sido um Comensal quando Voldemort esteve no poder, não teria sobrevivido.

A facilidade com que Dumbledore aparentemente manipula Slughorn para convencê-lo a dar aulas em Hogwarts deve ser notada pelos leitores. Isso mostra um lado da personalidade de Dumbledore que não conhecíamos até então. Um leitor atento pode imaginar, se Dumbledore tem essa habilidade de convencer Slughorn a sair do esconderijo, o que ele pode fazer, usando a mesma habilidade com Harry. Ele será tão franco com Harry como parece? Se não, qual será a intenção de Dumbledore? Essa preocupação será esclarecida no último livro da série, quando Harry vai descobrir que Dumbledore aparentemente havia estado escondendo sua vida quando jovem. O irmão de Dumbledore , Aberforth, vai contar a Harry que essa característica de manipulação, esteve presente durante a maior parte de sua vida.

Conexões[editar | editar código-fonte]

  • O sangue espalhado em volta das paredes da casa onde Slughorn estava escondido é, na verdade, sangue de dragão. No primeiro livro vimos que parte da fama de Dumbledore vem de um Tratado das Doze Utilidades do Sangue de Dragão. Esse Tratado é mencionado aqui, em meio às brincadeiras sobre esse, ser a décima terceira utilidade.