Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 30

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 30
O Túmulo Branco[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Durante os dias seguintes, alguns alunos deixaram a escola com seus pais. Outros, como Seamus Finnigan, se recusaram a ir antes de prestar sua última homenagem a Dumbledore. Enquanto isso, bruxos e bruxas chegam a Hogsmeade para o funeral. Harry, Ginny, Ron e Hermione passam os dias juntos. Eles visitam sempre a ala hospitalar, onde Neville está curado, mas Bill continua sob cuidados constantes. Além de ter sido desfigurado para sempre, o único efeito que apareceu foi sua preferencia por carnes muito mal passadas.

A pesquisa de Hermione na biblioteca descobriu que Eileen Prince, que parece se a proprietária original do livro que Harry estava usando, era a mãe de Snape. Prince, “casou com um Trouxa chamado Tobias Snape e mais tarde teve um filho, Severus”. Harry fica louco porque Snape, sem saber, estava ajudando-o. Ele vê uma semelhança entre o mestiço Lord Voldemort e seu título, e o Príncipe Mestiço e seu titulo adotado. Como Dumbledore pode não ter visto isso?

O pedido de Dumbledore foi atendido, ele é colocado para descansar em Hogwarts, num glorioso túmulo branco com vista para o lago. Muitos alunos e os funcionários estiveram no funeral, assim como os Sereianos e os Centauros, que lançaram flechas no ar em homenagem.

Harry termina seu namoro com Ginny, por enquanto. Ele percebe que Voldemort pode atacá-lo através daqueles que ele ama – seus pais, Sirius e Dumbledore. Terminando o namoro ele pretende proteger Ginny. Scrimgeour, o Ministro da Magia, procura Harry para saber detalhes da noite em que Dumbledore foi morto. Harry se recusa a falar qualquer coisa, e quer saber se Stan Shunpike já foi libertado. Harry então repete que ele é “o homem de Dumbledore e sempre será.”

Harry conta a Hermione e Ron que está deixando Hogwarts, mesmo que a escola fique aberta. Encontrar os Horcruxes que faltam e matar Voldemort são seus únicos focos no momento. Ele pensa em visitar a antiga casa de seus pais em Godric´s Hollow, depois de uma breve parada na casa dos Dursleys conforme o desejo de Dumbledore, porque a casa permanece ainda sob o encanto protetor de sua mãe. Ron e Hermione pedem para ir nessa busca com ele, embora Harry prefira ir sozinho. Ele passa um último dia de paz com seus amigos e aguarda o casamento de Bill e Fleur.

Análise[editar | editar código-fonte]

Ao contrário dos cinco livros anteriores, a história termina com o funeral de Dumbledore, ao invés de com os alunos chegando na plataforma da King´s Cross Station, no Expresso de Hogwarts, se despedindo dos colegas para as férias de verão. Caso Harry resolva prosseguir em sua missão, o que parece certo, o próximo livro irá provavelmente, também, mudar a tradicional abertura com os alunos chegando a Hogwarts no outono. Seja de que modo for, sem Dumbledore, Hogwarts será um lugar muito diferente.

A presença de Dumbledore na escola, foi não apenas profundamente significativa, mas, como foi visto na quantidade de criaturas mágicas que foram ao funeral, mas teve um longo alcance. Para Harry, Hogwarts sempre foi um motivo de conforto e segurança. Sem Dumbledore iria ser muito difícil para ele retornar. Uma coisa parece certa; os Dursleys irão provavelmente aparecer, uma vez que Harry deve fazer uma última visita à Rua dos Alfeneiros, para reforçar o encanto protetor de sua mãe, antes que acabe, em seu próximo aniversário. Essa será a última oportunidade dos Dursleys de se reconciliar com Harry, embora sua aversão mútua seja provavelmente profunda demais para criar uma ponte. Ron e Hermione informam a Harry que estão se juntando a ele na missão Horcrux, quer ele queira quer não. A decisão deles é uma afimação do amor, da amizade e lealdade que os une. Harry pretendia procurar pelos Horcruxes sozinho, para proteger aqueles a quem ama, levado pela necessidade de lutar, ele mesmo, contra Voldemort. No entanto, finalmente ele aceitou que é preciso de união, apoio e cooperação para derrotar o mal.

Vimos também nesse capitulo, a resistência de Harry em se aliar com o Ministério. Harry corretamente percebeu que o Ministério está mais interessado em manter uma política que agrade o público do que em lidar com Voldemort diretamente.

Harry dá por terminado o namoro com Ginny cheio de arrependimento e tristeza, para protegê-la de Voldemort, embora ela ainda esteja, provavelmente em grande perigo. Harry nunca foi bom em oclumencia, e Voldemort poderia penetrar em sua mente, e ver imagens envolvendo Ginny. Embora, já tenha sido mencionado, que ele achou muito desagradável estar dentro da mente de Harry e que talvez nunca mais fizesse isso. Isso talvez não impedisse Voldemort de obter informações sobre Harry e também Ginny, através de outros que também estejam próximos a ele, até mesmo da própria Ginny.

Snape, Voldemort e Harry partilham uma característica importante: eles todos são mestiços. Snape no entanto, aparentemente, cresceu conectado ao mundo mágico, ao contrário de Harry e Voldemort, embora sua vida em casa tenha sido tão desagradável quanto a dos outros. Harry nunca gostou e sempre se ressentiu de Snape, mas agora ele está sendo guiado apenas por ódio e vingança. Esse desejo de vingar a morte de Dumbledore nublou o julgamento de Harry; ao invés de buscar justiça, Harry está sendo consumido por um desejo profundo de vingança. Isso poderia por em risco sua missão de encontrar e destruir os Horcruxes de Voldemort. Harry precisará controlar suas emoções extremadas se quiser ser bem sucedido.

Também é uma ironia desagradável para Harry que, seu mais insuportável e pior professor (Snape) seja um mentor admirado e influente (o Principe Mestiço), alguém que lhe inspirou e com quem ele aprendeu muito. Esse conflito vai continuar incomodando Harry.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que Harry quer dizer quando diz que é “um homem de Dumbledore e vai ser sempre”?
  2. Por que Harry termina o namoro com Ginny? É possível que futuramente eles reatem?
  3. Por que Harry não queria que Ron e Hermione se juntassem a ele na busca pelos Horcruxes que faltam?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Dumbledore iria querer ser sepultado em Hogwarts?
  2. Quando Scrimgeour falou com Harry, no Natal, Harry foi muito brusco ao se negar colaborar com Scrimgeour. Por que Scrimgeour voltou ao assunto com Harry? Ele pensou que a resposta de Harry mudaria agora que Dumbledore está morto?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura. Harry termina o namoro com Ginny para protegê-la de Voldemort. Isso, na verdade, é uma decisão ruim. Dizer que uma relação terminou não significa que ela tenha terminado, e ainda que Harry não sinta mais amor por Ginny, ele ainda se preocupa com ela como amiga. O namoro deles, embora tenha sido rápido, na verdade a coloca em mais perigo, uma vez que Voldemort, caso ele esteja observando tudo tão de perto como pensamos, provavelmente sabe sobre o namoro e com certeza usará isso contra Harry. Voldemort usou Sirius contra Harry e deu tudo muito certo por causa da falta de comunicação entre os dois. Se Harry deseja proteger Ginny o melhor seria mantê-la ao seu lado durante a viagem. Por sorte, isso não é mais problema; Ginny vai retornar a Hogwarts para o seu sexto ano enquanto Harry vai viajar pela Inglaterra a caça dos Horcruxes, Voldemort só ataca Hogwarts na conclusão do livro sete, e Ginny se cuida muito bem. Nós também sabemos que Ginny e Harry se casam no final.

Conforme o livro chega ao final, não sabemos ao certo se Dumbledore está vivo ou apenas num estado de dormência. Isso levou a muita especulação entre os leitores, se ele poderia retornar no livro sete de alguma forma. Voldemort não é o único que sabe fazer Horcruxes, embora Dumbledore nunca iria matar alguém para fazer um. Pode ser que existam outros meios mágicos para uma ressurreição no livro sete. Há, de fato, muitas pistas de que ele pode retornar. Dumbledore estava muito estranho quando rogou a Snape logo antes que esse o matasse. Será que ele pedia por sua vida ou pedia a Snape para atingi-lo de acordo com um plano já definido? Os leitores perceberam que a maldição Avada Kedavra que Snape usou agiu de forma diferente das outras já vista na série. Também, Dumbledore sempre esteve associado com a Fênix, um pássaro que morre e renasce de suas próprias cinzas. A fumaça da pira funerária de Dumbledore parecia ter uma forma de Fênix. Se isso simbolizava uma ressurreição corpórea ou somente uma espiritual, Dumbledore vai retornar de alguma maneira no próximo livro.

Também, não se sabe de onde o retrato de Dumbledore apareceu ou como foi pendurado no escritório. Presumivelmente, ninguém entrou no escritório desde a sua morte e no entanto, ele está pendurado na parede quando a Professora McGonagall e Harry chegam lá. Retratos aparecem magicamente quando o Diretor ou a Diretora morre. Também não se sabe o quanto eles estão associados àqueles a quem eles representam. Eles podem ser apenas autobiografias falantes dos seus representados, ou podem reter sua essência, inclusive a habilidade de desenvolver mentalmente e/ou ganhar novas intuições. As últimas evidencias sugerem que os retratos permanecem capazes de pensar e raciocinar, e parece que o retrato de Dumbledore vai continuar a aconselhar Snape e Harry.

J. K. Rowling afirmou, depois da publicação desse livro, que Dumbledore está definitivamente morto, embora os leitores ainda tenham esperança de uma ressurreição; mesmo que o vejamos novamente, está comprovado por ela que ele definitivamente não vai ressuscitar.