Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 28

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 28
A Fuga do Príncipe[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Snape obriga Draco a descer da Torre pelas escadas, seguido pelos Comensais da Morte. Harry liberado do feitiço paralisante pela morte de Dumbledore e corre pelas escadas abaixo atrás dos outros. No fim da escadaria está uma confusão de alunos e professores de Hogwarts, além dos membros da Ordem da Fênix lutando contra os Comensais da Morte. Ginny está duelando com Amycus Carrol, Harry enfeitiça Amycus, enquanto Snape e o outro Comensal fogem correndo.

Na entrada do castelo, Harry vê um Comensal da Morte no terreno e Snape e Draco mais longe. O Comensal grande e louro conjura várias maldições sobre Hagrid, mas seu corpo maciço as desvia. Harry lança os feitiços do Príncipe sobre Snape, mas Snape os bloqueia com facilidade, proclamando que ele criou cada um deles—ele é o Príncipe Mestiço. Embora Snape apare cada um dos feitiços lançados por Harry, ele nada faz para atacá-lo e fica dizendo o que ele está fazendo de errado. Snape impede que os outros Comensais da Morte ataquem Harry, afirmando que ele pertence ao Senhor das Trevas. Harry chama Snape de covarde. Furioso Snape enfeitiça Harry antes de escapar com Draco e os outros Comensais da Morte.

Vendo que a cabana de Hagrid estava em chamas, Harry, achando sua varinha no chão, ajuda a apagar o fogo usando Aguamenti. Hagrid não quer acreditar que Dumbledore está morto, mas ele e Harry se aproximam da multidão reunida do lado de fora, o corpo quebrado do maior dos bruxos, caído no chão. Harry pega o medalhão que havia caído do bolso do velho bruxo. Dentro uma nota dizia:

Ao Lorde das Trevas
Eu sei que há muito estarei morto quando ler isso
mas quero que saiba que fui eu quem descobriu o seu segredo.
Roubei o Horcrux verdadeiro e pretendo destruí-lo assim que puder.
Eu enfrento a morte na esperança de que, quando você encontrar um adversário à altura,
terá se tornado outra vez mortal.
R.A.B.

Análise[editar | editar código-fonte]

Harry caça Snape numa fúria cega, com uma única intenção: matá-lo. Snape que o engana com facilidade, teve todas as oportunidades de matá-lo ou capturá-lo e não o fez. Ao invés disso, ele apenas desvia as maldições ineficazes de Harry. Snape durante todo tempo nada faz para ferir Harry, e até mesmo diz a ele o que ele está fazendo errado e como corrigir. O Professor também evita que outros Comensais da Morte o amaldiçoem. Por que? Ainda que ele afirme que quer Harry vivo para Voldemort, ele poderia ter estuporado Harry, facilmente e o presenteado ao Senhor das Trevas.

Ao deixar Harry em Hogwarts, Snape não apenas corre o risco de ter um Harry vingativo, obstinado e determinado a derrubá-lo, mas também da ira mortal de Voldemort por ter deixado seu inimigo número um permanecer vivo e livre. Para Harry, descobrir que seu admirado mentor (o Príncipe Mestiço) na verdade é seu mais odiado inimigo é chocante e revoltante.

É interessante notar a reação raivosa de Snape quando Harry o chama de covarde, ainda que matar um Dumbledore desarmado seja um ato extremamente covarde, assim como sua fuga em seguida. Alguém pode imaginar se há algo além daquilo que Snape na verdade fez, alguma maneira em que Snape possa se ver como uma pessoa honrada, apenas em outro nível.

Harry descobre que alguém com as iniciais R.A.B. roubou o verdadeiro Horcrux da caverna. No entanto antes, nesse livro, vimos que seria preciso duas pessoas para recuperar o Horcrux da bacia na ilha. R.A.B. deve ter tido alguma ajuda. Se R.A.B. provavelmente está morto, “se”mais alguém está envolvido, é possível que ele ou ela ainda esteja vivo e possa dar informações valiosas. Também parece que R.A.B. poderia ter conhecimento da Profecia, porque essa pessoa se refere a Voldemort encontrando um adversário à altura (ou seu equivalente). Porém, também parece que esse R.A.B. pode ter acreditado que o medalhão era o único Horcrux, uma vez que ele acredita que, destruí-lo seria suficiente para tornar Voldemort mortal novamente.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Snape não jogou uma maldição ou matou ou mesmo capturou Harry durante sua fuga? Por que Snape diz a Harry o que este está fazendo de errado, enquanto Harry tenta amaldiçoá-lo?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Quem seria R.A.B. ?
  2. Por que Snape reagiu de forma tão violenta quando Harry o chamou de covarde?
  3. Durante seu duelo com Snape, por que Harry não usou feitiços não verbais, uma das primeiras aulas de Snape em DCAT?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


No livro final, será revelado que "R.A.B." são as iniciais de Regulus Arcturus Black, o irmão de Sirius. O nome do meio de Regulus é Arcturus, como aparece na árvore genealógica da família. A pessoa que roubou o Horcrux tem que ter sido alguém próximo a Voldemort, provavelmente um Comensal da Morte, coisa que Regulus Black era.

É possível que Regulus pertencesse à mais alta hierarquia de Voldemort, e que não tenha gostado do que viu e ouviu, quis sair, mas acabou morto. Não foi isso que ocorreu na verdade. Monstro, saberá dizer mais a esse respeito, uma vez que estava envolvido; é comentado na Análise que precisaria duas pessoas para remover e recolocar o medalhão e acontece que foram Regulus e Monstro. Regulus decidiu que queria sair, mas ao invés de sair apenas (e ser morto) ele decidiu fazer com que sua morte valesse alguma coisa. Tendo descoberto a existência de um Horcrux, e sabendo por Monstro, onde algo valioso havia sido escondido, Regulus determinou que iria destruir aquilo, que ele acreditava, ser o único Horcrux de Voldemort.

Snape é o titular do livro Príncipe Mestiço, e o livro que Harry usou com tanto sucesso era originalmente de Snape. O livro, quando Harry olhou a data, tinha cinquenta anos, o que significava que não era do tempo de seu pai e nem de Snape. Porém como se sabe, Snape vem de uma família pobre e precisa usar livros de segunda mão. Tendo visto os livros de Ginny no segundo livro, sabemos que é fácil comprar livros de segunda mão, portanto é inteiramente possível que o jovem Snape os tivesse. Também é possível que tendo que usar um livro que já tinha uns vinte e cinco anos, aumentasse seu desdém pelos alunos mais privilegiados.

No livro cinco, quando Sirius, Harry e os Weasleys arrumando Grimmauld Place estiveram com relíquias dos Black, “um medalhão pesado, que ninguém conseguiu abrir” foi jogado fora. Sem ninguém saber, Monstro guardou o medalhão, mantendo-o escondido em seu armário, até que foi roubado por Mundungus Fletcher, e depois, arrancado dele por Dolores Umbridge. Acontece que aquele era o medalhão Horcrux, que uma vez pertenceu a Salazar Slytherin, e só poderia ser aberto por alguém que falasse Parseltongue. Isso explica porque ninguém pode abrir o medalhão, e porque Regulus não conseguiu destruí-lo como pretendia. Uma vez que ninguém suspeitava que o medalhão fosse um Horcrux, Harry não falou Parseltongue com ele (embora falasse bem mais tarde para destruí-lo). Voldemort provavelmente não enfeitiçou o medalhão para evitar que fosse aberto, embora estivesse satisfeito porque seria difícil que o medalhão fosse aberto. Os descendentes de Slytherin eram orgulhosos de sua habilidade de falar com as cobras; então, é inteiramente possível que o próprio Slytherin, quando criou o medalhão, o enfeitiçou para impedir que fosse aberto, a menos que a pessoa falasse em Parseltongue.