Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 26

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 26
A Caverna[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O Professor Dumbledore junto com Harry, aparata aos pés de um penhasco a beira mar. Foi aqui que Tom Riddle levou dois meninos órfãos a um passeio terrível. Conforme Dumbledore e Harry se aproximam do penhasco, o diretor acende sua varinha, revelando uma fissura por onde eles terão que passar.

Lá dentro eles encontram uma caverna subterrânea, mas isso é apenas a antecamera; seu destino é mais na frente. Dumbledore encontra uma fenda na parede da caverna, mas ela não abre. Adivinhando seu segredo, Dumbledore corta seu braço e passa o sangue na pedra, explicando que Voldemort com certeza, prefere enfraquecer aqueles que procuram seus objetos. Uma abertura aparece, lá dentro, um lago subterrâneo com um brilho verde, estranho, no centro. Enquanto Dumbledore procura alguma coisa, ele avisa a Harry para não tocar na água. Quando Harry sugere conjurar (Accio) o Horcrux, Dumbledore manda que ele tente. De longe, no lago, algo grande pula e intercepta o feitiço de Harry. Dumbledore diz que isso é o que terão de enfrentar para recuperar o Horcrux.

Dumbledore conjura uma corrente que traz um barquinho para a superfície. Harry e Dumbledore sobem no barco que segue sozinho rumo a uma pequena ilha. Harry observando a água, vê corpos flutuando sob a superfície escura. Dumbledore assegura que enquanto os corpos estiverem apenas flutuando, não há perigo, eles irão evitar a luz e o calor.

Na ilha há uma bacia cheia de um líquido verde brilhante. Presumivelmente o Horcrux está imerso ali. Dumbledore determina que ele deve beber a substância para descobrir o medalhão e faz Harry prometer obrigá-lo a beber até a última gota. Ele pega uma taça e começa a beber. Conforme ele progride, a poção parece causar uma dor intensa, e, num delírio de agonia, Dumbledore pede que Harry o mate. Quando ele de repente cai, Harry continua a encher a taça e a forçar Dumbledore a beber tudo.

Dumbledore termina de beber e cai numa inconsciência temporária. Ao se recobrar, parecendo fraco e sedendo, Dumbledore pede água. Harry conjura água mas ela evapora assim que ele dá à Dumbledore. Assim Harry é forçado a pegar água do lago, os Inferi (os corpos flutuantes sob a superfície, agora animados) emergem e tentam arrastar Harry para dentro do lago. Harry tenta afastá-los mas está sozinho contra tantos. Dumbledore se recupera o suficiente para cercá-los com um fogo mágico, enviando os Inferi de volta para a água. Depois de pegar o medalhão, ele e Harry sobem no barco. Os Inferi, perdem o interesse em Harry e Dumbledore, que retornam até a margem do lago. Harry leva Dumbledore, que está tão fraco, para fora da caverna.

Análise[editar | editar código-fonte]

A única explicação que nós recebemos para Dumbledore pedir a Harry para acompanhá-lo na missão de recuperar um Horcrux, é que Harry “ganhou esse direito” conseguindo recuperar a lembrança de Slughorn. Na verdade foi crucial Harry ter ido com Dumbledore, não apenas por suas habilidades mágicas, mas também por seu domínio incompleto delas. Dumbledore acredita que Voldemort enfeitiçou o barco para carregar apenas um bruxo adulto de cada vez; ele não podia ser conjurado para e de volta da ilha com magia enquanto estivesse vazio – um passageiro deveria estar dentro. No entanto, seria necessário haver duas pessoas para recuperar o medalhão da bacia. Harry é menor de idade e pequeno, portanto sua presença no barco não é detectada. Caso Dumbledore não soubesse disso antes, ele entraria na caverna, então foi uma sorte ter trazido Harry com ele.

É próprio do caráter de Dumbledore, deliberadamente cumprir a parte pior da missão. Ele recusa a oferta de Harry de dar o sangue que abre o portal, e escolhe beber a poção desconhecida, ao invés de submeter Harry a tudo isso.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que era o líquido verde que Dumbledore bebeu?
  2. Por que Dumbledore pediria a um aluno ainda sem qualificação, para acompanhá-lo numa missão tão perigosa?
  3. Por que Dumbledore queria que Harry o matasse?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Se, quando Harry usou Aguamenti para por água dentro da taça , isso não funcionou, por que então ele não espirrou um pouquinho da água dentro da boca de Dumbledore? Ele tinha visto Inferi no lago, e mesmo que ele não soubesse exatamente o que era aquilo, ele ficou assustado em ver; por que ele quis tocar na água do lago?
  2. Mais cedo nesse livro, vimos que Tom Riddle levou dois órfãos seus colegas até a caverna, e eles nunca mais foram os mesmos. Sabemos agora que foi na mesma caverna. Por que Riddle levou os dois órfãos até lá?
  3. Como Tom Riddle descobriu a caverna?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Como foi mencionado, era preciso duas pessoas para recuperar o Horcrux, e uma deveria ser um pequeno bruxo sem qualificações. Logo vamos ver que Harry e Dumbledore não foram os únicos que passaram por esse obstáculo: Monstro foi usado pelo Senhor das Trevas para esse propósito, e depois retornou para seu Mestre, e Monstro e seu Mestre depois fizeram a mesma viagem.

O modo como esse Horcrux foi recuperado indica claramente que os poderes de Voldemort são limitados, e demonstra como sua cegueira em ver suas limitações acabou resultando em sua derrota. Esse padrão é repetido em toda a série. Nesse caso, Voldemort acredita que seu esconderijo é impenetrável porque está escondido pelo passado, esquecendo que foi Dumbledore quem o encontrou e tirou do orfanato e sabe, provavelmente sobre o comportamento de Tom no orfanato.

Parece também que Dumbledore está familiarizado com os padrões de pensamento de Tom Riddle, a ponto de conseguir deduzir como Tom esconde e protege seus bens. Que o verdadeiro Horcrux se foi, é outra peça do mesmo padrão; Voldemort tendo protegido seu esconderijo contra os bruxos, não pensou nas habilidades mágicas e nunca considerou que o fato de Monstro conhecer a caverna poderia ser um problema. Monstro, é claro, não tinha problemas com os feitiços anti-aparatação colocados na caverna, e pode retornar para casa depois que Voldemort o abandonou para morrer. Isso permitiu que o Mestre do Monstro soubesse tudo sobre o Horcrux e pudesse tomar providências a respeito.

Vale a pena reparar no comentário de Dumbledore, que Harry é mais importante do que ele próprio. Dumbledore agora sabe que seu tempo na Terra está acabando; já se passaram onze meses desde que ele foi amaldiçoado pelo anel Peverell, e Snape deu a ele não mais do que um ano de vida. Seu tempo é até menor do que foi predito, uma vez que sua morte pelas mãos de Snape é apenas questão de horas. Em todo caso, seja porque ele pensa em sua morte próxima, ou como um comentário geral, não podemos saber.

Comparem os sentimentos de “repulsa” e “ódio por si mesmo” de Harry, quando forçou Dumbledore a beber a poção, com a expressão de Snape quando ele lança o Avada Kedavra no próximo capitulo. Tanto Harry quanto Snape foram forçados a fazer o que fizeram, por promessas que fizeram a Dumbledore. Enquanto Harry fez a promessa a Dumbledore por amor, não se sabe o que Snape sente por Dumbledore; vamos descobrir só mais tarde porque Snape aceitou a ordem de Dumbledore, mas não quais são seus verdadeiros sentimentos. No próximo livro vamos ver que Snape continua a cumprir as ordens de Dumbledore mesmo depois da morte do diretor, o que sugere fortemente que Snape tinha carinho por Dumbledore.

Enquanto Dumbledore bebe a poção, vemos rapidamente o que pode ser seu pior medo: ver seus seres queridos, que saberemos ser seu irmão Aberforth e sua irmã, Ariana, sofrendo por sua causa.