Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 25

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 25
A Vidente Entreouvida[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Harry e Ginny estão felizes juntos, rindo das fofocas sobre eles; pelo menos por uma vez, o fato de todo mundo estar falando dele faz Harry feliz. Ron e Hermione parecem estar mais próximos também, e as preocupações de Harry com relação ao namoro com Ginny o afastar de Ron, se evaporaram.

Harry não teve coragem de voltar à Sala Precisa para recuperar o livro do Principe, preocupado que Snape pudesse confiscá-lo. O resultado é que agora ele não vai tão bem em Poções, mas, o Professor Slughorn atribui isso ao namoro com Ginny. Hermione, no entanto, pesquisa sobre o Principe. Uma anotação que ela encontrou sobre uma aluna antiga chamada Eileen Prince, sugere que ela era mestiça, portanto poderia ser o “Principe” ou “Prince”.

Quando Harry é chamado no escritório de Dumbledore, ele encontra a Professora Trelawney esparramada no corredor do lado de fora da Sala Precisa. Ela admite que estava usando a Sala Precisa para esconder seu estoque de bebidas, mas não consegue mais entrar lá. Harry imagina que o grito “Hu hu!” que ele ouviu vindo lá de dentro era Malfoy finalmente acabando sua missão. Quando Trelawney chamou em meio a escuridão para ver quem estava lá, ela foi empurrada para o corredor. Harry sugere que ela conte tudo a Dumbledore. Trelawney o acompanha e pelo caminho ela conta novamente sobre a noite em que Dumbledore a empregou. Quando ela menciona que Snape interrompeu a entrevista, Harry compreende que foi ele quem passou a Profecia para Voldemort, resultando na morte de seus pais.

Depois de uma discussão quente com Harry sobre a revelação de Trelawney, Dumbledore diz apenas que ele tem suas razões para confiar em Snape, a despeito da habilidade de Snape em oclumência. Dumbledore localizou outro Horcrux e se Harry quiser acompanhá-lo, para recuperar o objeto, ele deve seguir sem pestanejar as ordens de Dumbledore. Harry promete e Dumbledore ordena que ele pegue a Capa da Invisibilidade e o encontre no Hall de Entrada.

Antes de deixar o castelo, Harry dá o Mapa do Maroto para Ron e Hermione e o frasco de Felix Felicis, acreditando que pode haver um perigo iminente agora que Draco terminou sua missão. Harry diz a Ron, Hermione e Ginny para usarem Felix Felicis para se protegerem e quer que a AD tome conta da Sala Precisa e também de Snape.

Dumbledore e Harry, que está sob a Capa, seguem para Hogsmeade. Eles passam pelo Três Vassouras e vão na direção do Cabeça de Javali; eles desaparatam antes de chegar no local.

Análise[editar | editar código-fonte]

Harry e Ginny estão felizes, finalmente descobrindo que foram feitos um para o outro. No entanto, sua felicidade pode ser efêmera: o espírito do livro está ficando cada vez mais sombrio, especialmente quando Harry descobre que foi Snape quem traiu seus pais. Harry também sabe que seja qual for a missão de Draco, ela foi terminada. O que é, e como pode afetar Hogwarts, ainda não se sabe. Harry está extremamente frustrado porque seus avisos sobre as atividades suspeitas de Draco, foram repetidamente ignorados por Ron e Hermione, e aparentemente também por Dumbledore.

No entanto, Dumbledore não deve ignorar os avisos de Harry, e ele certamente sabe o que está acontecendo em sua própria escola. Harry não entendeu que o Diretor não pode divulgar informações sensíveis para um aluno, mesmo Harry. Há pistas que Dumbledore pediu a Snape para investigar sobre o comportamento suspeito de Draco. E, embora Harry continue a suspeitar de Snape, Dumbledore reitera sempre sua total confiança nele. Muitas tramas desse livro estão rapidamente chegando ao auge nesse capitulo. Foi a Profecia de Trelawney que foi transmitida para Voldemort, enquanto que Draco, aparentemente completou a maior parte de sua missão. Dumbledore está se preparando para deixar a escola com Harry, a caça de outro Horcrux.

Draco aparentemente chegou onde queria, Harry então, teme que os guardas da Ordem da Fênix não sejam suficientes. Eles estão cuidando apenas do perímetro da escola e das entradas conhecidas para Hogwarts; Harry suspeita da ameaça de Draco e Snape de dentro da Sala Precisa. Suas instruções para Ron e Hermione são baseadas nessa suspeita.

Pelo menos um leitor comentou que Madam Rosmerta está agindo de forma muito diferente do seu habitual nesse capitulo, quando ela é vista atirando um freguês rebelde para fora do bar: fomos levados a crer que ela administra um bar ordeiro, e não deveria ter que recorrer a jogar bruxos para fora, fisicamente, no entanto ela foi vista fazendo exatamente isso essa noite, portanto não temos ideia do que acontece em geral ali.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que Snape ouviu, exatamente quando Trelawney relatou a Profecia para Dumbledore?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. O que pode Snape ter feito ou dito, que fez com que Dumbledore confiasse nele sem dúvida nenhuma?
  2. Por que Dumbledore nunca contou a Harry quem ouviu a Profecia?
  3. Por que os avisos constantes de Harry sobre Draco foram sempre ignorados, especialmente considerando o comportamento claramente suspeito de Malfoy?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Já temos a pista para explicar porque Harry não conseguia entrar na Sala Precisa enquanto Draco estava trabalhando ali, e Harry tinha a opção de entrar e descobrir o que Draco fazia. Trelawney revela que estava escondendo sua bebida na Sala, o que significa que era no mesmo lugar cheio de coisas velhas, como Draco o estava usando. Imaginamos que o pedido “Eu preciso de um lugar para esconder minha bebida,” fez aparecer a Sala, na forma de um galpão cheio bagulhos, do mesmo jeito que quando Harry escondeu seu livro de Poções no capitulo anterior. Portanto parece que é o lugar onde Draco está trabalhando. As outras revelações de Trelawney, no entanto, são tão profundas, que tanto Harry como nós ainda não compreendemos totalmente.

É interessante notar que depois da publicação desse livro e antes que o último livro fosse publicado, muitos teóricos do “bom Snape” basearam sua opinião no fato da Professora Trelawney identificar o Professor Snape como o intruso da noite em que ela fez a Profecia. Sabemos que no terceiro livro, foi dito que Trelawney estava meio inconsciente enquanto falava a Profecia, ela só poderia ter visto Snape antes ou depois de dizer a Profecia para Dumbledore. Isso contradiz o livro cinco, A Profecia Perdida, onde Dumbledore diz que o intruso (Snape) apenas ouviu a primeira parte da Profecia antes de ser expulso do Cabeça de Javali. Além do mais pelas ações de Voldemort, no livro cinco, Snape apenas ouviu a primeira parte de Profecia, e de qualquer forma, muitas pessoas acham que Snape ou ouviu a Profecia toda ou não ouviu nada, e que apenas contou a Voldemort aquilo que Dumbledore mandou.

Tudo isso é um longo caminho para explicar porque Dumbledore confia tanto em Snape. No entanto também é importante lembrar que, de qualquer maneira, Trelawney repetiu o inicio da Profecia. Mas, a parte crítica da Profecia é o meio. Se Snape ouviu apenas o fim, e entregou isso para Voldemort, tanto faz, é o mesmo que ter contado só o inicio.

As últimas informações nos levam a crer que Snape era aliado de Voldemort, mas depois de contar o conteúdo da Profecia, ele ficou revoltado pela maneira como Voldemort usou a informação. No final do último livro ficamos sabendo que Lily Evans foi o grande e inesquecível amor de Snape, portanto, quando Voldemort determinou que ela e seu filho deveriam morrer, Snape abandonou definitivamente os Comensais da Morte.

As lembranças de Snape nesse capitulo, sugerem que Dumbledore nunca ignorou as informações de Harry sobre Draco e Snape; sua resposta para Harry sempre era, “Esqueça isso.” Literalmente ele estava dizendo que isso não era da conta de Harry e não que não era importante. Nas lembranças de Snape, Dumbledore já sabia sobre a missão de Draco antes que Snape contasse a ele, e antes que esse livro fosse aberto, embora nunca soubemos como ele descobriu tudo. (Dumbledore e Snape conversavam sobre a missão de Draco, quando Snape tinha acabado de impedir a piora da maldição que destruiu a mão de Dumbledore; e o dano na mão do diretor é comentado nos capítulos 2 e 3 desse livro.) Por isso, a resposta de Dumbledore para Harry seria: “Eu já sei de tudo isso, e você não deve se preocupar com isso.” Dumbledore já havia dito que ele era um velho, e um velho tende a esquecer como um jovem pensa e sente.

A opinião de Hermione sobre Eileen Prince, que poderia ser o Principe Mestiço não é correta, mas sua teoria está mais perto de ser verdadeira do que ela, ou qualquer um deles, imagina.

O cumprimento de Madam Rosmerta para Dumbledore, que ia passando, é mais importante do que parece. Logo vamos descobrir que ela está sob a Maldição Imperius, sob o controle de Draco Malfoy, o que pode explicar seu comportamento diferente e agressivo, quando ela joga um cliente para fora do bar. Foi sob o controle de Draco que ela mandou a bebida envenenada e o colar amaldiçoado para a escola, numa tentativa de matar Dumbledore. Nessa noite, quando ela vê que Dumbledore saiu de Hogwarts, ela avisa Draco, que usa a oportunidade para permitir que os Comensais da Morte entrem na escola através do Armário Sumidouro.