Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 2

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 2
A Rua da Fiação[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Duas figuras encapuzadas aparatam ao lado de um rio escuro e sujo num lugarejo onde havia os restos de uma fábrica fechada. Narcissa Malfoy e sua irmã Bellatrix Lestrange caminham até uma casa dilapidada numa servidão, a Rua da Fiação. Enquanto caminha, Bellatrix aparentemente está tentando dissuadir Narcissa de fazer alguma coisa. Na casa, elas são recebidas por Severus Snape, que assegura a elas que estão sozinhos, exceto por Rabicho. Snape ordena que Rabicho prepare bebidas para ele e suas convidadas. Rabicho protesta dizendo que não é empregado de Snape.

Narcissa diz que acha que só Snape poderá ajudá-la, mas antes que possa prosseguir, Snape aponta a varinha para uma porta escondida e manda Rabicho, que estava ouvindo atrás, sair correndo. Bellatrix, desconfiando de Snape, o interroga sobre onde (e com quem) está sua lealdade. Antes de responder, Snape pergunta: se Bellatrix realmente acha que Lord Voldemort já não fez essas perguntas a ele? Se ela acha que ele estaria aqui, sentado, conversando com ela se não fosse capaz de dar as respostas satisfatórias ao Lorde das Trevas? Se ela, por acaso, acha que ele poderia enganar Lord Voldemort, possivelmente o maior Legilimens do mundo?

Depois disso, Snape explica as preocupações de Bellatrix: quando o Lorde das Trevas caiu, ele estava em Hogwarts, onde Voldemort mandou que ele ficasse para espionar Dumbledore. Ele não procurou o Lorde depois de sua queda, pela mesma razão que outros Comensais da Morte falharam: ele acreditou que Voldemort tinha morrido. Bellatrix responde que ela procurou por ele, recebendo de Snape a resposta sarcástica de como ela foi “útil” enquanto estava na prisão, enquanto que ele, Snape, recolheu dezesseis anos de informações sobre Dumbledore para Voldemort. Snape prossegue dizendo que não sabia ter ficado entre o Lorde das Trevas e a Pedra Filosofal; ele achava que Quirrell a queria para si próprio e agiu para evitar isso Ele não respondeu ao chamado de Voldemort quando este voltou, porque Dumbledore precisava continuar a acreditar que Snape ainda era seu aliado, ao invés de estar ao lado de Voldemort.

Bellatrix afirma que ela é a mais leal e fiel seguidora de Voldemort e saberia de qualquer informação de Snape passada para ele. Snape pergunta se ela ainda mantém esse status depois do fiasco depois da Batalha no Departamento de Mistérios. Quando ela não consegue responder, ele prossegue: por ordem do Lorde das Trevas, ele ficou afastado dessa batalha para proteger sua posição em Hogwarts. A informação que Snape entregou fez com que as mortes de Emmeline Vance e de Sirius Black fossem possíveis, e que Voldemort estava satisfeito com suas informações. Snape não matou Harry Potter porque era Dumbledore apenas, quem estava mantendo Snape efetivo como espião e fora de Azkaban. Matar Potter teria feito com que ele perdesse essa proteção e ele estaria impedido de ajudar Voldemort. É a confiança continua de Dumbledore que o torna tão útil ao Lorde das Trevas.

Depois que as preocupações de Bellatrix parecem se acalmar, Narcissa explica o motivo de sua visita. Voldemort deu a Draco uma missão dificil e provavelmente mortal. Narcissa precisa que Snape o proteja. Snape responde que o fato de Narcissa contar a ele sobre a missão vai contra as ordens de Voldemort; no entanto, como ele já sabe sobre isso, não há muito problema dela contrariar as ordens. No entanto, ele não tem poder para interferir nas ordens de Voldemort, nem ele tentaria. Narcissa acredita que Draco recebeu essa missão como uma vingança de Voldemort contra seu marido, Lucius, ter falhado no Ministério. Snape admite que o Lorde das Trevas está zangado com Lucius. Snape é finalmente convencido a fazer um “Voto Perpétuo” de proteger Draco e completar a missão no caso do rapaz falhar.


Análise[editar | editar código-fonte]

Esse capítulo começa com uma espécie de choque: duas declaradas Comensais da Morte visitando Snape. Os acontecimentos, até aqui, parecem ter polarizado os leitores em dois campos: aqueles que acreditam na visão de Harry dos acontecimentos, e sua crença de que Snape é um Comensal da Morte, e o oposto desses, aqueles que acreditam no apoio e na defesa que Dumbledore faz de Snape. Os últimos, apontam para os acertos de Dumbledore, mostrando que nos primeiros cinco livros, ele acertou muito mais do que errou em suas apostas e conclusões. Esse capítulo lida, compreensivelmente, com um grande golpe.

Talvez a chave para compreender isso, é Snape ter sido enviado para uma missão inexplicada no livro quatro. Nesse capítulo, descobrimos que tal missão era se reunir novamente à Voldemort e prometer lealdade. Snape explica que seu retorno para Voldemort foi mais demorado porque precisava tranquilizar Dumbledore de que permanecia ao seu lado, ao invés de correr para Voldemort, ele diz ainda que Voldemort ficou satisfeito com sua explicação e sua lealdade.

Não há indicação ainda se o retorno dele foi feito apenas a pedido de Dumbledore, ou se Snape iria jurar fidelidade a Voldemort mesmo sem a ordem de Dumbledore. De qualquer maneira, agora descobrimos que, quando Voldemort ao retornar, fala sobre seu fiel servidor em Hogwarts, ele não estava se referindo a Snape, mas a Barty Crouch, e aquele que ele acredita o deixou para sempre, provalmente seria Snape, como aquele que fugiu deve ter sido Karkaroff.

No mínimo, o golpe mais duro em qualquer crença na lealdade de Snape a Dumbledore, que foi estabelecida no livro anterior, é seu compromisso atual com Narcissa Malfoy de fazer um Voto Perpétuo. Snape, cuja fidelidade a Voldemort é questionada por muitos Comensais da Morte, incluindo Bellatrix Lestrange, deve estar ciente que ele pode acabar com todas as dúvidas a seu respeito, fazendo um juramento obrigatório de proteger Draco em sua missão para Voldemort, até mesmo pondo em perigo sua própria vida.

Bellatrix provavelmente permanece descrente, embora Snape tenha dado respostas convincentes às suas perguntas; mesmo assim, parece que a fidelidade verdadeira de Snape permanece vaga o suficiente para deixar os dois lados na dúvida. Os leitores sabem que Snape que tem agido como agente duplo, e essa situação, pode estar fazendo com que ele se sinta obrigado a fazer o Voto, para manter seu disfarce. De outra forma, ele iria levantar mais suspeitas sobre sua suposta lealdade. Mas, com agentes duplos, é sempre difícil saber onde está sua verdadeira lealdade; de fato, Snape pode estar querendo fazer esse Voto porque ele é na verdade, leal a Voldemort, e o objetivo do Voto é completar a missão que Voldemort deseja que seja feita. Também é possível que Snape seja leal apenas a ele próprio, mantendo uma posição delicada e perigosa onde ele pode ficar em qualquer lado que seja o vencedor. Uma possibilidade final é que ele esteja protegendo Draco, de quem ele parece gostar e que ainda seja menor de idade.

A lealdade de Rabicho é muito menos questionável, uma vez que ele é totalmente dependente de Voldemort para sua sobrevivência. Ao contrário de Snape, ele não pode se alinhar a Harry, Dumbledore e seus aliados. E, embora inicialmente pareça que Snape traz Rabicho debaixo de seus olhos observadores, este pode estar secretamente espionando Snape para Voldemort. Ainda que Snape tenha convencido Voldemort de que é seu fiel servidor, o Lorde das Trevas pode ter suspeitas sobre ele ou pode estar procurando assegurar sua lealdade aos seus seguidores que ainda têm dúvidas.

Embora Voldemort possa ter descoberto que Rabicho tem um débito de vida para com Harry Potter, uma obrigação que é uma ligação mágica assim como o Voto Perpétuo de Snape, isso poderia ser um problema sério para o Lorde das Trevas. Melhor manter Snape e Rabicho, um vigiando o outro.


Rowling também esclarece algumas relações pessoais entre os Comensais da Morte, como fica claro quando as irmãs Bellatrix Lestrange e Narcissa Malfoy carinhosamente se tratam como “Bella” e “Cissy”. Isso é um contraste na maneira como Harry vê a maioria dos Comensais da Morte. Até então, os seguidores de Voldemort foram mostrados, em geral, como personagens diabólicos em duas dimensões que apenas servem a Voldemort.

Além dos Malfoys, pouco se sabe sobre a vida familiar, interações sociais, ou que fatores, além da crença no “sangue puro”, motiva os Comensais da Morte. Bellatrix em especial, foi mostrada sempre como puramente maligna, fanática e provavelmente desequilibrada, até mesmo pelo padrão dos Comensais da Morte, e ela pode mesmo acreditar que Voldemort está fazendo muito pouco para livrar o mundo mágico das impurezas. Nesse capitulo, no entanto, ela está preocupada com sua irmã, Narcissa, desejando proteger a ela e a Draco, de Voldemort. E, enquanto Bellatrix, geralmente permanece em duas dimensões, a fria e altiva Narcissa, desesperada para proteger seu marido e seu filho, mostra amor, medo, empatia e tristeza, emoções que não são associadas em geral aos afiliados de Voldemort, mas isso ajuda a desenvolver seu personagem mais completo.

Narcissa acredita que Voldemort deu a Draco uma missão quase impossível (na qual ele provavelmente vai falhar e então será morto), apenas como uma forma de punir seu marido, Lucius, por sua falha em recuperar a Profecia de Trelawney no Departamento de Mistérios e, talvez, também, pelo fato do Diário de Voldemort ter sido destruído no livro dois, embora isso não tenha sido mencionado claramente nesse capitulo. É provável que isso tenha afetado a lealdade de Narcissa para com Voldemort e também para com sua irmã. E apesar da afeição que elas aparentam uma pela outra, devemos lembrar que ambas foram rápidas em deserdar sua irmã Andromeda, chamada de “traidora do sangue” por casar com o bruxo nascido Trouxa Ted Tonks. Nymphadora Tonks é filha deles e portanto sobrinha de Bellatrix e Narcissa.

Devemos reparar que esse é apenas o quarto capitulo da série toda com o ponto de vista de um personagem que não é Harry. O primeiro foi no livro um, capitulo um, antes que Harry fosse para os Dursleys. O segundo foi no livro quatro, capitulo um, quando somos apresentados a um pouco da história do passado de Voldemort e seu aparente retorno. O terceiro foi no primeiro capitulo desse livro onde vimos a interação entre os governantes dos mundos mágico e Trouxa e que mostra a mudança no Ministério da Magia.

Finalmente, é claro, esse capitulo mostra a interação entre quatro bruxos das trevas e estabelece que Draco recebeu uma missão perigosa, uma onde se espera que ele falhe, que Snape sabe qual é e que irá agir para completa-la. Isso acaba acontecendo em quatro de apenas cinco capítulos de toda série, que não são escritos diretamente através do ponto de vista de Harry.

Também devemos mencionar de passagem, que há muito pouca se é que há alguma informação, sobre onde fica essa cidade. A característica da cidade, como descrita, pode se adaptar a centenas de cidades na Inglaterra, onde a principal indústria se mostrou não lucrativa, e fechou as portas ou se mudou, deixando uma construção vazia e um desemprego crescente. Pelo menos um fan site one fan site concluiu que essa cidade, se é que existe, deveria ficar perto de Manchester, apoiando em parte a personalidade de Snape e a escolha da palavra, que parecem similares àquelas encontradas em pessoas do norte da Inglaterra.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que pode acontecer caso Voldemort descubra que Snape fez um Voto Perpétuo com Narcissa?
  2. Qual é a verdadeira razão, que Narcissa acredita, fez Voldemort escolher Draco para uma missão quase impossível? Ela tem razão?
  3. O que pensar da explicação de Snape do porque ele nunca matou Harry, mesmo quando teve muitas oportunidades de fazê-lo? Sua explicação é plausível? Por que?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Snape fez um Voto Perpétuo com Narcissa Malfoy, um Voto que coloca sua própria vida em risco? Será que ele vai contar sobre isso a Dumbledore?
  2. Considerando quantas dúvidas há sobre a verdadeira lealdade de Snape, por que Narcissa o escolheu para proteger Draco?
  3. Por que Narcissa e Bellatrix renegaram sua própria irmã Andromeda? Elas podem confiar uma na outra? Explique.
  4. Por que Bellatrix permanece suspeitando de Snape? Será que ele a convenceu de que é leal a Voldemort?
  5. Por que os Comensais da Morte permanecem leais a Voldemort, apesar da propensão dele de ameaçar ou eliminar até mesmo seus seguidores mais devotados e suas famílias?
  6. Compare e decida se Snape é leal a Dumbledore, Voldemort ou até mesmo a ninguém.
  7. Por que Peter Pettigrew está na casa de Snape? Snape confia nele? Pettigrew suspeita que Snape pode ser um traidor? Em quem Voldemort confia mais?
  8. Snape afirma que ele é uma das poucas pessoas a quem Voldemort confiou o segredo da missão de Draco. Não pode haver dúvida de que apenas quem está no circulo intimo de Voldemort sabe disso; agora, “é verdade”? Ou ele está usando uma técnica de espionagem para fingir saber, esperando conseguir descobrir a verdade dentro da conversa, ajudado por conjecturas espertas e por uma ou outra frase aceitável pelos Comensais da Morte em todas as ocasiões?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

É interessante comparar as razões da crença de Dumbledore na lealdade de Snape, das razões para a crença de Voldemort. Dumbledore acredita na lealdade de Snape por causa de uma promessa feita a Dumbledore por amor a Lily Evans. Voldemort baseia sua crença na legilimencia, lendo as lembranças de Snape, confiante em que ninguém poderia esconder seus pensamentos dele. Dumbledore está baseando sua crença na força de caráter de Snape, enquanto Voldemort acredita com força total na sua própria habilidade. Acontece, que vamos descobrir no livro final, que a fé de Dumbledore estava correta, e que a habilidade de Snape era superior do que a de Voldemort, algo que jamais Voldemort poderia imaginar. O comentário de Snape de que Voldemort é “possivelmente o maior legilimens que o mundo já conheceu” tem a palavra “possivelmente”, colocada ali apenas porque ele sabia ser o mais forte dos dois.

Vamos descobrir perto do Natal, na festa de Natal do Slug Club, que Bellatrix tem estado ensinando Oclumencia para seu sobrinho Draco. Então concluímos que a própria Bellatrix é uma legilimens, e, portanto é confiante na sua habilidade de detectar qualquer falsidade dita por Snape. As respostas de Snape foram preparadas com cuidado para não desencadear a habilidade de um legilimens de perceber a mentira numa frase; ele provavelmente também sabia das habilidades de Bellatrix e foi fácil enganá-la por causa de sua prática com Voldemort.

Os leitores observam Draco num papel mais simpático aqui, quando ele parece uma vítima de Lord Voldemort tanto quanto um aliado dele, forçado a aceitar sua ordem sob coação e com extremo risco para si próprio e sua família. Logo veremos como um Draco presunçoso inicialmente, se diverte com sua própria auto importância, ao ser escolhido pelo Lorde das Trevas para uma missão importante, infelizmente sem perceber e também sem conseguir compreender a provável consequência para si mesmo e para seus pais, caso ele falhe.

Narcissa, no entanto, percebeu corretamente a verdadeira intenção de Voldemort: punir Lucius Malfoy através de Draco. Ela está arriscando sua própria vida desafiando Voldemort numa tentativa de salvar sua família. Isso levanta a questão do por que tantos Comensais da Morte servem fielmente a Voldemort, que exige de seus servos total obediência e lealdade mas oferece muito pouco em troca, e está sempre pronto a eliminar o seguidor ou sua família por qualquer motivo; mesmo aqueles mais devotados e confiáveis são totalmente dispensáveis, mesmo por uma pequena escorregadela.

Snape diz a Bellatrix que sua informação levou à morte de Emmeline Vance, que como já vimos era membro da Ordem da Fênix. Nós vamos descobrir no último livro que o próprio Snape está trabalhando para a Ordem, como agente duplo; podemos imaginar que Snape conversou com Dumbledore as informações que ele poderia dar a Voldemort. Ao mesmo tempo, ficamos sabendo que Snape apenas deixou que morressem as pessoas que ele não teve como salvar. Isso sugere que Dumbledore e Snape foram forçados a dar essa informação à Voldemort sobre Vande e que eles não tinham como evitar sua morte. Voldemort já havia voltado sua atenção para ela, mas Snape lhe deu umas migalhas de informação que ajudaram a mostrar seu paradeiro. Fica bem claro que Dumbledore e Snape também deram à Vance as informações que permitiriam a ela lutar também. Mas Vance claramente não desejava simplesmente morrer, com certeza ela concordaria em ficar em perigo, desde que pudesse levar alguns Comensais com ela. Embora isso nunca tenha sido confirmado, é possível que ela tenha feito isso mesmo, e que os Comensais que fugiram esconderam os seus mortos, como costumam fazer .

Ao mesmo tempo que descobrimos a verdadeira lealdade de Snape, ficamos sabendo do Voto Perpétuo, que exige que ele mate Dumbledore no caso de Draco não conseguir, mas isso apenas reforçou a promessa que Snape já havia feito a Dumbledore. A ferida na mão de Dumbledore, que Harry vai ver no capitulo seguinte, e que é o motivo da promessa de Snape, é um sinal externo da maldição que irá causar a morte de Dumbledore dentro de um ano. Numa conversa que ocorreu imediatamente após Dumbledore receber essa ferida, e que aconteceu antes dos eventos desse capitulo, Snape concordou contra a vontade de, ele mesmo acabar com a vida de Dumbledore, para salvar a alma de Draco e poupar a dignidade de Dumbledore.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • Muitas das respostas de Snape para as perguntas de Bellatrix se referem a acontecimentos de livros anteriores.
    • As tentativas de Snape de evitar que Quirrell pegasse a Pedra Filosofal são uma grande parte do livro um. Harry, sem conhecimento de toda a discussão entre eles, acredita que Quirrell tentava proteger a Pedra, de Snape.
    • Snape não respondeu ao chamado de Voldemort no livro quatro, e Voldemort disse que acreditava que ele “não está mais a meu serviço”. Descobrimos aqui, que Snape demorou a retornar ao serviço de Voldemort deliberadamente, para parecer que ele continuava fiel a Dumbledore. Descobriremos que ele, de fato, é fiel a Dumbledore. O retorno tardio, embora fosse arriscado para Snape, consolidou a certeza de Voldemort na fidelidade de Snape.
    • Não sabemos qual informação Snape deu, que ajudou na morte de Sirius Black, mas podemos supor que foi algo que Snape descobriu durante as aulas de oclumencia para Harry, possivelmente sobre os sonhos no corredor do Ministério.
    • A conversa de Snape e Bellatrix sobre a batalha no Ministério, que ocorreu no final do livro anterior, mostra pequenos detalhes da batalha que podem ser interessantes.
  • Snape comenta que Dumbledore sofreu um ferimento durante o verão, que Harry vai ver e comentar nesse livro. Vamos ver no último livro, como o ferimento aconteceu, e como resultado Dumbledore tem nesse capitulo, no máximo um ano de vida. Ao mesmo tempo, ficamos sabendo que Dumbledore já sabia da missão designada para Draco, antes de receber esse ferimento.