Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 12

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Capítulo 12
Pratas e Opalas[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Embora tenha dito a Harry como são importantes as aulas, o Professor Dumbledore tem estado muito ausente, e não há aulas particulares antes do primeiro fim de semana de Hogsmeade em meio de outubro. Enquanto lia o livro do Príncipe Mestiço um dia de manhã, Harry lança um feitiço não verbal, Levicorpus, e sem querer faz levitar um Ron adormecido. Harry, freneticamente invoca um contra feitiço.

Hermione não fica nada satisfeita quando sabe da experiência com Ron. Esse Príncipe pode ser um cara desonesto, e Harry fica invocando os feitiços dele sem saber o efeito. Harry reconhece o feitiço das lembranças de Snape na Penseira, como o mesmo que seu pai usou para levitar Snape de cabeça para baixo. Harry chegou a pensar se seu pai era o Príncipe Mestiço, mas desistiu porque seu pai era um bruxo de sangue puro.

Enquanto isso, Ginny entrega a Harry um bilhete de Dumbledore marcando a próxima aula para segunda feira a tarde. Ginny comenta que está indo a Hogsmeade com Dean e talvez os veja lá.

No sábado, depois de ser revistado por Filch com o Sensor de Segredos, o Trio embarca para Hogsmeade. Encontrando a loja da Zonko lotada, eles partem para a Dedosdemel e dão de cara com o Professor Slughorn, que convida Harry e Hermione, outra vez para jantar. Harry agradece mas tem aula particular com Dumbledore e respira, enquanto Ron, novamente se sente menosprezado.

No caminho para o Três Vassouras, Harry vê Mundungus Fletcher conversando com o barman do Cabeça de Javali. Mundungus larga uma maleta, espalhando seu conteúdo, inclusive um cálice de prata que traz o emblema da família Black. Harry, furioso agarra Mundungus pelo pescoço, gritando que ele roubou a casa dos Black. Mundungus empurra Harry e desaparata. Tonks aparece e diz que não adianta caçá-lo, mas Harry pretende contar isso tudo para Dumbledore.

Hermione sugere voltar para Hogwarts, e Harry e Ron concordam – essa foi uma saída desagradável. Eles seguem Katie Bell e sua amiga Leanne, que estão conversando sobre um pacote. Leanne tenta tirá-lo de Katie, mas ele rasga. Katie, de repente dura como morta, é erguida no ar, depois cai no chão, gemendo e gritando de dor. Harry corre para pedir ajuda e volta com Hagrid, que carrega Katie para a escola. Harry avisa a Ron para não tocar no pacote, reconhecendo o colar dentro, como o mesmo que viu na Borgin & Burkes, na Travessa do Tranco, que exibia uma etiqueta “Amaldiçoado”. Leanne diz que Katie voltou do banheiro carregando o pacote que ela insistia que tinha que ser entregue a alguém em Hogwarts. Leanne suspeita que Katie estava sob a Maldição Imperius. Harry imediatamente suspeita que Draco está envolvido embora Ron ache que não.


A Professora McGonagall encontra com eles no portão, e Filch leva o colar para Severus Snape. Harry diz que suspeita que Malfoy esteja envolvido, mas McGonagall diz que Draco estava de detenção com ela. Liberados, Harry, Ron e Hermione ficam imaginando para quem o colar seria dado. Parece impossível que alguma coisa tão perigosa pudesse passar por Filch e seu Sensor de Segredos. Eles concluem que foi um plano muito mal pensado.


Análise[editar | editar código-fonte]

O ataque a Katie Bell levanta em Harry a suspeita de que Draco esteja diretamente envolvido numa trama sinistra, embora haja apenas poucas evidências ligando Draco ao colar, e ele tenha um álibi perfeito. Independente disso, Harry continua com a certeza de que Draco estava envolvido no ataque. Embora os leitores possam simpatizar com Harry, sabendo que Draco foi incumbido de uma missão desconhecida por Voldemort e que provavelmente possa estar envolvido nesse incidente, nesse caso falta a Harry objetividade. Ele se torna fanaticamente convencido de que Draco é culpado e teimosamente a considerar outras possibilidades. Também o Trio acredita que o ataque pareceu tão mal planejado e possa até ser mais significativo do que eles pensam.

Junto com as preocupações de Harry, estão as ausências frequentes e inexplicadas de Dumbledore. Não apenas isso é preocupante para Harry mas provavelmente para toda a escola. Dumbledore é o símbolo da autoridade e segurança em Hogwarts, e sua cadeira no Grande Salão pode significar que há uma grande agitação no mundo mágico, muito maior do que se pode imaginar. Harry, em particular está sentido com a sua ausência. Harry ainda sofre com a morte de seu padrinho Sirius, e Dumbledore se tornou cada vez mais a figura paterna para ele. Quando um pai está longe, uma criança sempre se sente abandonada e desprotegida, até mesmo quando está entregue a alguém capaz.

Harry atacou Mundungus fisicamente mostrando um lado raro de sua personalidade. Embora Harry esteja sempre perto da raiva, ele normalmente mantem o controle e nunca reage fisicamente. Ainda sofrendo pela morte de seu padrinho, ele fica tão indignado que os objetos de Sirius (que agora pertencem a Harry) tenham sido profanados, que ele não conteve a raiva. Apenas uma circunstância extrema poderia provocar esse tipo de explosão. Embora esteja claro que Harry pretendia machucar Mundungus, este conseguiu escapar com pouco esforço; parece na verdade, que graças a sua carreira, Mundungus seja extremamente hábil em magia de fuga. A intervenção de Tonks impede Harry de se envolver numa perseguição longa e certamente infrutífera. Acreditamos que Tonks chegar para intervir, foi para evitar uma digressão cansativa na trama, mas sabemos que, Harry certamente não vai conseguir deixar isso para lá.

A esperança de Harry de que seu pai pudesse ser o esperto Príncipe Mestiço, pode indicar que ele estivesse procurando qualidades redentoras em James, embora logo tenha sido forçado a abandonar essa teoria. Harry ainda tem sentimentos conflitantes com relação a seu pai. Embora ele ame o homem que nunca conheceu e saiba que era uma pessoa boa e corajosa, ficou profundamente desapontado quando descobriu, acidentalmente que o jovem James era um valentão ofensivo. James junto com Sirius, costumavam atormentar e humilhar Severus Snape apenas para se divertir quando eram alunos em Hogwarts, embora James tenha superado esse comportamento infantil.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Quem Harry achou que poderia ser o Príncipe Mestiço? Por que ele quer acreditar nisso e o que faz com que ele abandone essa idéia?
  2. A quem Harry ataca e por que?
  3. Onde Harry viu o colar antes, e quem ele acha que está ligado a ele? O que a Professora McGonagall disse a respeito?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Harry usaria um feitiço desconhecido e potencialmente letal em Ron, sem conhecer seus efeitos? O que Hermione disse a respeito? Ela está certa?
  2. A que pode se dever as frequentes ausências de Dumbledore? Como isso afeta Harry?
  3. Quem pode ter dado a Katie o pacote e por que?
  4. Por que foi Katie Bell (sem saber) escolhida para levar o colar para dentro de Hogwarts, se Filch certamente o descobriria com seu Sensor? Foi um plano mal bolado, como Harry, Ron e Hermione acham?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

A despeito do aviso de Hermione, Harry vai continuar usando os feitiços do Príncipe sem se preocupar com seu efeito. Embora o que foi usado em Ron tenha sido engraçado e meio sem perigo, uma maldição lançada sobre Draco na hora da raiva, vai ter um efeito mais devastador. Snape reconhecendo a maldição, intervém a tempo de salvar a vida de Draco.

Katie Bell foi posta sob a Maldição Imperius, não por Draco, mas por um de seus enviados, Madam Rosmerta, por sua vez tinha sido posta sob a maldição por Draco. Esse foi o primeiro de três atentados falhos que Draco faz contra a vida de Dumbledore. No entanto o plano não foi tão mal bolado como o Trio acredita. Em particular, vamos descobrir depois que o Sensor de Segredos detecta segredos; no entanto, envasando uma poção do amor num vidro de perfume é suficiente para que ela passe tanto no escrutínio visual quanto no Sensor.

Uma vez que Katie Bell não sabia que estava carregando algo letal, e não tinha intenção maligna, portanto ela não estava intencionalmente escondendo qualquer segredo, provavelmente ela passaria pelo Sensor de Segredos sem ser percebida. Uma garrafa de bebida também entra na escola sem ser percebida, e o Trio acredita que tenha entrado com um dos professores, embora certamente iria passar pelo Sensor sem ser percebida, caso a pessoa que a estivesse carregando não soubesse do seu conteúdo.

Vamos notar que a aparência do colar é suficiente para gerar um bocado de dúvida. Obviamente nós o ligamos a Draco por causa de Borgin & Burke e quando Hermione perguntou sobre disseram que já tinha sido vendido, apararentemente para Draco. No entanto vimos que Draco não podia estar envolvido diretamente; ainda não sabemos como alguém poderia lançar uma Maldição Imperius enquanto a própria pessoa estivesse sob essa Maldição. Acontecimentos no final desse capítulo parecem ter sido preparados para apontarmos o dedo para alguém e depois mudarmos de idéia.

Quando Harry encontra Mundungus em Hogsmeade, Aberforth Dumbledore, o barman do Cabeça de Javali, apenas se recusou a comprar qualquer coisa e foi embora. É claro que, tendo saqueado a casa de Sirius, Mundungus está tentando vender o produto do roubo quando Harry o confronta. Depois ficamos sabendo que, quando Mundungus vendeu o par do espelho de dois lados (que o de Harry está quebrado) para Aberforth, este sabia da função do espelho pelo seu irmão, Albus. Mais tarde, no livro final, Aberforth admite que, periodicamente usava o espelho para checar Harry. Harry, ocasionalmente via o olho de Aberforth no espelho, fazendo confusão com o olho de Dumbledore, que era similar em formato e cor.

Outro item que Mundungus roubou de Grimmauld Place vai ter um papel importante no livro final. Quando Grimmauld Place foi limpa, “um medalhão que nenhum deles conseguia abrir” foi encontrado. Esse medalhão vai ser muito importante para Harry, mas ele vai ter que procurá-lo através de uma rede de ladrões antes de encontrá-lo. Monstro o tirou da lata do lixo, e agora Mundungus o roubou de Monstro. Em alguma altura, ele foi tomado de Mundungus, e Harry precisou recuperá-lo do último ladrão, Dolores Umbridge.

Ver que Mundungus está saqueando Grimmauld Place é uma informação útil, mas não crucial; precisávamos saber que ele acabou roubando o medalhão, mas vamos ter isso confirmado por Monstro, independentemente.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • Vimos o colar que feriu Katie Bell duas vezes antes. Harry o viu em Borgin & Burkes, quando, por acaso ele acabou dentro da loja no livro dois, e Hermione o viu e comentou sobre ele nesse livro.
  • A Maldição no colar, também será similar, se não a mesma, que a Maldição no anel de Peverell, que causou o ferimento na mão de Dumbledore, mencionado diversas vezes nesse livro, e explicada em mais detalhes no último livro.