Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Enigma do Príncipe/Capítulo 10

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 10
A Casa de Gaunt[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Durante a semana seguinte, Hermione continua furiosa porque Harry está usando as anotações do Príncipe. Ela sugere que o PrÍncipe pode ser uma mulher baseado na letra de quem escreveu no livro, mas Harry retruca, “Quantas garotas foram Príncipes?” Ron também está zangado, porque embora Harry tivesse oferecido para ele usar também, ele não consegue ler as letras tão pequeninas e portanto tem que usar as fórmulas do livro. O Professor Slughorn, é claro, acredita que Harry está entre os melhores alunos que ele já ensinou.

Depois de evitar uma Professora Trelawney bêbada no corredor, Harry chega ao escritório do Professor Dumbledore para sua primeira aula. Dumbledore explica que eles vão tentar determinar as intenções de Voldemort, baseados numa investigação prévia que ele fez. Dumbledore dividiu tudo o que sabia com Harry; agora eles estão embarcando em adivinhação e suposição.

Dumbledore pega um vidro que contém lembranças de Bob Ogden, que era funcionário do Departamento de Execução das Leis da Magia. Dumbledore entorna o conteúdo na Penseira e ele e Harry entram.

Perto da vila de Little Hangleton, Bob Ogden se aproxima de um chalé em ruínas. Um jovem bruxo com diversos dentes faltando e olhos pequenos, negros, um olhando em cada direção, aparece e provoca Ogden, falando em Parseltongue (a língua das cobras). Ogden é azarado antes de começar seu trabalho. Um bruxo mais velho aparece e pergunta a Morfin (o mais novo) o que há. Ele se identifica como Mr. Gaunt. Quando Ogden diz que está ali por causa de Morfin, Gaunt o convida para entrar. Lá dentro, Merope a adolescente, filha de Gaunt está na cozinha. Ela tem um rosto comum, palído e assim como Morfin, seus olhos eram divergentes.

Ogden diz que Morfin fez um feitiço na frente de um Trouxa, nisso, Merope deixa um pote cair na cozinha, fazendo Gaunt zombar dela. Ogden dizendo que Morfin quebrou a lei dos bruxos, então entrega a ele uma intimação para uma audiência. Gaunt mostra a ele um anel que ele diz, traz o brasão dos Peverell e também mostra o medalhão de Merope, dizendo que pertenceu a Salazar Slytherin e afirmando que eles são seus descendentes. Ogden não se interessa e diz que seus antepassados não vem ao caso. Avisa que ele está aqui por causa de Morfin e o tal Trouxa em quem ele lançou uma azaração.

Eles escutam cavalos se aproximando. Em Parseltongue, Morfin diz que é o Trouxa de quem Merope gosta e é aquele que ele azarou. Gaunt quer saber se Merope está suspirando por um Trouxa. Quando ela não responde, ele a ataca; Ogden a defende e, por sua vez, é atacado por Morfin, mas Ogden escapa e ainda consegue ver o Trouxa e sua namorada. Harry e Dumbledore saem da lembrança.

Dumbledore diz que Ogden voltou logo com reforços do Ministério da Magia; Morfin foi condenado para Azkaban por três anos enquanto Marvolo Gaunt recebeu pena de seis meses. Harry logo reconheceu o nome: Marvolo era o avô de Voldemort. Dumbledore diz que Merope era a mãe de Voldemort, e seu pai era o Trouxa elegante montado num belo cavalo, que Morfin atacou.

Harry imagina como Tom Riddle Sr. Que era tão bonito, pode se casar com uma pessoa tão sem atrativos como Merope; Dumbledore suspeita que ela usou uma poção do amor. Os dois fugiram juntos, causando um escândalo; Marvolo nunca a perdoou e morreu logo depois que saiu de Azkaban. Alguns meses depois, Riddle retornou à sua mansão sozinho, dizendo que ele foi enganado. Dumbledore sugere que talvez Merope acreditasse que esperando um bebê de Tom ele ficaria preso a ela e parou de usar a poção do amor, ou talvez ela tenha perdido a habilidade de fazer magia. Voldemort foi criado num orfanato quando Merope morreu após ele nascer.

Dumbledore concorda que Harry deve contar tudo isso para Ron e Hermione, mas avisa que eles não devem contar para mais ninguém. Harry repara um anel quebrado sobre a mesa, o mesmo anel que Dumbledore usava quando eles visitaram Slughorn, e o mesmo que Marvolo Gaunt estava usando em sua lembrança. Dumbledore diz que o conseguiu recentemente, mas deixa as outras perguntas para depois e manda Harry ir dormir.



Análise[editar | editar código-fonte]

Se outro aluno estivesse usando o livro do Príncipe, Hermione, que é monitora, já teria confiscado o livro e reportado ao Diretor. No entanto ela nada diz sobre Harry, ao invés ela manifesta sua desaprovação direto a ele, embora saiba que vai ter pouco efeito. Esse é o típico comportamento de Hermione, que apenas uma vez reportou Harry por alguma coisa. No livro três, ela informou à Professora McGonagall que Harry recebeu uma vassoura Firebolt de presente de um anônimo, que ela suspeitava era Sirius Black, que na época, todos acreditavam que queria matar Harry. A motivação de Hermione era uma preocupação verdadeira com a segurança de Harry, ao invés de entregá-lo por mau comportamento. Infelizmente suas ações resultaram numa briga e em meses de gelo dado por Ron e Harry, coisa que a deixou muito angustiada. Hermione acredita piamente em obedecer as regras da escola, mas teme mais ainda a retaliação de Ron e Harry, e ela frequentemente finge que não vê as faltas menores deles. E embora Hermione continue a desaprovar o fato de Harry usar as anotações do Príncipe Mestiço, e se ressinta de Harry superá-la na aula de Poções, ela permanece em silêncio, certamente com medo de outra briga. Depois de um tempo, ela também fica curiosa sobre a identidade do Príncipe.

O livro do Príncipe Mestiço também mudou sutilmente o relacionamento do Trio. Ron e Harry normalmente pediam ajuda ou informação a Hermione, embora sempre tivessem que aguentar a implicância dela por sua preguiça em estudar. Agora, Harry tem um lugar para encontrar as informações que precisa, pelo menos com relação a Poções.

As lições particulares com Dumbledore, não são o que Harry esperava. Ao invés de aprender magias novas e poderosas, ele tem que estudar o passado de Voldemort, vendo lembranças de outras pessoas. Como isso vai ajudá-lo, exatamente, Harry ainda não sabe, mas aprender mais sobre seu inimigo pode ajudar a derrotá-lo.

Pistas sobre a personalidade de Voldemort já foram observadas estudando os Gaunt, que afundaram num status social mais baixo e viviam na pobreza depois que as gerações anteriores esbanjaram a fortuna da família. Mesmo assim, eles ainda se consideram superiores às outras famílias bruxas, baseados apenas no fato que sua linha de sangue descende de Salazar Slytherin e portanto exigem tratamento preferencial. Isso reflete a própria atitude de Voldemort.

E, enquanto os Gaunts aparentemente não sentem necessidade de se educar ou de melhorar, a triste, patética (e pouco atraente fisicamente) Merope, secretamente deseja uma vida melhor, a despeito de suas perspectivas seriamente limitadas. Quando ela se apaixonou pelo Trouxa, Tom Riddle, ela o prendeu magicamente para escapar da sua família abusiva e de uma vida a beira do abismo. Infelizmente, tão logo o encantamento terminou, Riddle abandonou Merope grávida, que profundamente abatida e incapaz ou não querendo usar magia para se cuidar, morreu logo depois de dar à luz, deixando seu filho, Tom Marvolo Riddle (Voldemort) entregue a um orfanato.

Ainda que Harry e os leitores possam ver Merope como um personagem simpático, devemos lembrar que ela prendeu Tom Riddle Sr. numa armadilha, porque, de outra forma ele nunca teria qualquer interesse por ela. Não se sabe porque ela parou de usar magia nele, talvez porque se tornou mais fraca com o decorrer do tempo, ou estava afetada pela gravidez ou talvez ela esperasse que Riddle se apaixonasse por ela sem magia. Embora Riddle tivesse todo o direito de abandonar esse relacionamento falso, Merope certamente acreditava que ele não iria abandonar uma criança inocente. Talvez por isso ela parou de usar magia nele, na crença amorosa e errônea de que ele iria continuar com ela e criar seu próprio filho.

Claro que tudo isso é especulação; Merope talvez não tenha revelado sua condição antes de Riddle ir embora. O orfanato onde Tom Jr. foi criado deve ter sabido a identidade de Tom Riddle Sr. embora tenhamos sido levados a acreditar que Merope morreu depois de dar nome à criança, e antes de identificar o pai; acreditamos que o orfanato nunca fez contato nem com Riddle Sr. nem com Morfin Gaunt.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Dumbledore quer que Harry aprenda sobre o passado de Voldemort? Como isso vai ajudá-lo?
  2. Por que Morfin azarou um Trouxa?
  3. O que fez Merope perder sua habilidade de usar magia?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Hermione, uma monitora da Gryffindor, desaprova totalmente o fato de Harry estar usando o livro do Príncipe, acreditando que isso é tapeaçãoe também é perigoso. Por que ela não entrega ele?
  2. Como os descendentes de Salazar Slytherin, que foram ricos, decaíram socialmente e estão na pobreza? Por que eles se consideram ainda superiores aos outros bruxos?
  3. Considerando o tratamento abusivo dado por seu pai, e o cruel abandono de seu marido, por que Merope incluiu “Tom” e “Marvolo” no nome de seu filho?
  4. Embora Tom Riddle tenha sido enganado por Merope, por que ele abandonaria uma criança inocente ainda não nascida?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Diversas coisas nessa pequena cena serão importantes. Essa é a primeira vez que o medalhão de Slytherin e o anel de Peverell aparecem. Ambos serão tornados em Horcruxes por Voldemort, embora ainda não saibamos o que são Horcruxes. No próximo livro os leitores saberão porque a destruição do anel é necessária, e como Dumbledore feriu sua mão. No livro final, é revelado que a pedra do anel é uma das três Relíquias da Morte.

Harry censura Hermione por afirmar que o Príncipe Mestiço pode ser uma garota. Embora ele esteja certo, que uma mulher real seja uma princesa e não um príncipe, nessa questão Hermione estava mais certa. O “príncipe” a que o livro se refere não é um título real na verdade. Ao invés disso, é o sobrenome de alguém, e portanto pode ser tanto de um homem como de uma mulher. É verdade que a análise de Hermione é baseada na letra, e é mais profunda que a de Harry, baseada apenas no nome escrito no livro, ambos estão trabalhando com informações incompletas e não tem conhecimento suficiente para chegar à verdade. Rowling também pode estar deixando uma pista sutil aqui, que quando os leitores descobrirem, parecerá óbvio.

A letra do Príncipe Mestiço poderia provavelmente revelar sua identidade. Nas notas que estavam presas à Capa da Invisibilidade, a letra era descrita como estreita e cheia de curvas. A nota sobre o Número 12, Grimmauld Place, era uma letra estreita que era vagamente familiar. Ambas foram escritas pelo Professor Dumbledore, assim como a letra estreita e inclinada que Harry recebeu mais cedo nesse mesmo livro. Harry reconhece o estilo similar; e pode supor que Dumbledore, deliberadamente tornou sua letra mais enfeitada e cheia de curvas quando mandou a Capa como um presente. No entanto isso não é garantido, que essa pista seja a correta. No livro anterior, a nota de Snape no ensaio de Harry é descrita como um grande e pontudo negro “D”, enquanto que as anotações do Príncipe Mestiço são ditas como uma escrita pequena e bem apertada.

Vamos descobrir que Snape era o Príncipe Mestiço, embora a letra não tenha nada a ver. A escrita de Snape pode ter mudado com os anos, ou ele talvez tenha adotado um modo diferente de escrever para que coubessem todos os seus pensamentos num espaço limitado na margem do livro. Uma pista apareceu no livro anterior, quando usando a Penseira, Harry observa o jovem Snape enquanto ele escreve. Harry nunca reparou alguma semelhança nos deixando incapazes de fazer alguma ligação através da escrita.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • A maior ligação aqui é o medalhão. Embora a gente ainda não o reconheça, ele é o mesmo, ele foi visto pela primeira vez como “um medalhão de metal pesado que nenhum deles conseguiu abrir” no livro cinco. Vamos vê-lo novamente nesse livro, como um dos objetos queridos de Hepzibah Smith, e Harry e Dumbledore vão tentar recuperá-lo da caverna na beira do mar onde Voldemort o escondeu mais tarde. Isso afinal será um Horcrux; Regulus Black o recuperou da caverna a beira mar antes que Dumbledore chegasse lá. Monstro o levou de volta para Grimmauld Place a mando de Regulus, e ficaria muito infeliz por não ter conseguido completar a instrução final de seu Mestre, que era destruir o medalhão. Isso será um dos pontos mais importantes da trama uma vez que for descoberto no livro final, e será também a chave para Harry saber ganhar a lealdade de Monstro. Hermione irá recuperar o medalhão e Ron irá destruí-lo no último livro.
  • O anel de Peverell também será uma conexão. Como foi visto, o anel agora está no escritório de Dumbledore e quebrado; descobriremos que ele também é um Horcrux, e Dumbledore o destruiu para se defender, embora seja revelado apenas no último livro. Dumbledore vai enviar secretamente o anel para Harry como um legado. O “brasão dos Peverell” no anel, é o símbolo das Relíquias da Morte, e a pedra do anel é uma das Relíquias, especificamente a Pedra da Ressurreição. Harry vai usar a Pedra para conjurar as sombras de seu pai, sua mãe, seu padrinho e Remus Lupin, enquanto vai encontrar Voldemort, no livro final.
  • O livro do Príncipe Mestiço contém magia que não foi vista antes mas que será usada mais tarde, nesse livro e no livro final. Um feitiço que vimos antes é Levicorpus; no livro cinco Harry viu a lembrança de Snape, quando seu pai usou esse feitiço em Snape.