Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Cálice de Fogo/Capítulo 4

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.


Capítulo 4
De Volta à Toca[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Harry acabara de arrumar suas coisas na tarde do dia seguinte e nervosamente aguardava a chegada da família Weasley. Tio Vernon, é claro, estava preocupado que os vizinhos reparassem que algo de estranho estava acontecendo e começou a perguntar como os Weasleys estariam vestidos – estariam com as estranhas vestes dos bruxos ou roupas de pessoas “normais”? Tio Vernon também estava preocupado de que forma eles viriam.

A hora chegou e passou. Finalmente, os Weasleys chegam através da Rede do Flu, que foi conectada especialmente na lareira dos Dursleys. No entanto, a entrada da lareira deles tinha sido bloqueada, e Mr. Weasley teve que explodir sua entrada. Depois dessa chegada estrondosa, Mr. Weasley não teve sorte em entabular uma conversa com os Dursleys, enquanto Fred e George saiam para buscar o malão de Harry. Antes de ir embora, Fred deixa cair um pacote de caramelos, recolhendo todos menos um, antes que ele George e Ron partissem para a Toca. Harry e Mr. Weasley ainda estão lá quando Dudley encontra e come o caramelo. Sua língua imediatamente cresceu uns 30 centímetros. Tio Vernon começa a atacar Mr. Weasley, a quem ele culpa pelo ocorrido, enquanto tia Petunia tenta puxar o suposto objeto estranho para fora da boca de Dudley. Harry parte para a Toca enquanto tio Vernon começa a jogar enfeites sobre Mr. Weasley.


Análise[editar | editar código-fonte]

Embora o encontro dos Dursleys com os Weasleys tenha sido descrito com muito humor, a firme recusa de Vernon e Petunia de aceitar a presença de Mr. Weasley e dos outros, simboliza a profunda divisão que existe entre o mundo dos bruxos e dos Trouxas; é possível que isso represente quantos Trouxas poderiam reagir assim, caso soubessem da existência desse mundo mágico. Vernon e Petunia são especialmente resistentes a qualquer interação com magia, e, têm medo e aversão a tudo aquilo que não conseguem compreender, então, simplesmente escolhem ignorar a sua existência tanto quanto possível. Serem forçados a criar um jovem bruxo em sua casa, apenas aumenta sua intolerância por qualquer coisa ou qualquer um que seja diferente deles próprios, e é por isso que Harry está proibido de manifestar suas habilidades mágicas em sua casa.

Os gêmeos, com sua habitual malandragem, apenas tornam tudo pior, em geral eles não se preocupam se é um bruxo ou um Trouxa quem cai em suas pegadinhas incríveis. Para Harry, qualquer oportunidade de escapar dessa casa tão cheia de limitações e tão infeliz é muito bem vinda, e ele está extremamente agradecido aos Weasleys por conseguir que ele fosse embora mais cedo, não importa o quanto isso enraiveça ou ofenda seu tio e sua tia. Essa é a segunda vez que vemos o Pó de Flu ser usado desde o segundo livro. O Professor Snape deve ter usado o Pó de Flu ou algo similar para chamar o Professor Lupin até seu escritório no livro três.

A lareira, com certeza, não estava tampada quando lemos o primeiro livro, porque as cartas de Hogwarts entraram por ela. Talvez tenha sido um erro da parte da autora, mas também é possível que durante o período em que Harry estava na escola, Vernon mandou tampar todas as lareiras, para que aquele tipo de coisa não voltasse a acontecer, e a autora escolheu não comentar a respeito.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que os Dursleys se recusam a falar com Arthur Weasley, embora ele tente conversar amigavelmente?
  2. Por que tio Vernon estava tão preocupado, querendo saber como os Weasleys estariam vestidos e de que modo eles chegariam?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Definitivamente há magia acontecendo aqui – o Pó de Flu, a parede sendo explodida, enfeites sendo quebrados e caramelo incha-língua, no mínimo. O Ministério puniu Harry no livro dois, por causa de um simples feitiço de flutuação, que foi feito por Dobby, o elfo doméstico. Por que não mandaram cartas, dessa vez?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura. Essa foi a primeira vez que Fred e George Weasley foram vistos atormentando outra pessoa, de propósito; com toda a certeza, Dudley mereceu, e o dano foi apenas temporário. Embora suas pegadinhas permaneçam, na maior parte das vezes inofensivas, em alguns episódios ocasionais nesse livro, podemos dizer que foram maldosas, e no livro cinco também, embora em todos os casos, as vítimas tenham merecido. As habilidades mágicas dos gêmeos são tão incríveis que muitas das brincadeiras que eles inventam, acabam sendo desenvolvidas como armas de defesa, que são usadas pelo Ministério na luta contra Voldemort e seus Comensais da Morte.

Embora tio Vernon despreze qualquer coisa diferente daquilo que ele conhece ou algo que não consegue entender, ele realmente teme o mundo dos bruxos, embora, provavelmente, não pelos mesmos motivos de Petunia. Os sentimentos dela são mais complexos e mais profundos. Como foi visto no primeiro livro, seu ódio pelo mundo mágico, parece ter raízes na inveja de sua irmã, Lily, mãe de Harry, pelo fato de ela ser bruxa enquanto Petunia não. Apenas no último livro é que ficamos sabendo como era profunda essa inveja. E embora Petunia dirija a Harry seu grande rancor, seu medo também é de alguma forma, justificado. Ela sabe que a maioria dos bruxos é do bem e nunca causam mal aos Trouxas, mas ela também sabe que existem bruxos do mal, e que Harry, e, portanto ela e sua família, foram escolhidos especificamente como alvos tanto por Voldemort como por seus agentes. Sua raiva e ressentimento podem vir, parcialmente, daquilo que as habilidades especiais de sua irmã, deixaram para Petunia ter que suportar.

Alguns poucos detalhes da Rede do Flu são revelados nesse capítulo. Nem todas as lareiras são automaticamente ligadas à Rede do Flu, e esse é um departamento do Ministério da Magia que regula o sistema do Flu. No próximo livro, vamos descobrir que o Ministério pode monitorar, assim como controlar como as lareiras são usadas na Rede. Isso tem um papel importante no próximo livro, uma vez que Harry precisa achar uma lareira que não esteja sendo monitorada, para fazer contato seguro com Grimmauld Place, a casa de Sirius. E, no sétimo livro isso volta a ser importante, porque Harry não pode sair da Rua dos Alfeneiros usando a Rede do Flu, porque está sendo monitorada.

Conexões[editar | editar código-fonte]

  • Essa é a primeira vez que vemos os objetos mágicos originais criados pelos gêmeos. Logo vamos descobrir que esses são a base da carreira que eles escolheram, inovadores no campo de jogos e brincadeiras mágicas. O processo de financiamento para começar sua loja de logros, Gemialidades Weasleys, vai ser uma parte da trama desse livro. A parte dos testes dos produtos que eles criam, será uma parte da trama do próximo livro, assim como um motivo de disputa e brigas entre os gêmeos e Hermione. A loja será inaugurada, e vamos vê-la no sexto livro, onde veremos também que alguns dos produtos Weasley vão estar em uso na luta contra os bruxos do mal.
  • A Rede do Flu é regulamentada pelo Ministério, como já foi dito. Esse será um ponto importante no quinto livro, quando uma conversa com Sirius quase é interceptada. Isso é explicado, quando Umbridge diz que todas as lareiras agora são monitoradas, fazendo com que Harry tenha que invadir seu escritório para tentar se comunicar com Sirius. Esse é também o motivo pelo qual Harry não pode usar a Rede do Flu para sair da casa dos Dursleys no último livro.