Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/O Cálice de Fogo/Capítulo 21

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.

Capítulo 21
A Frente de Liberação dos Elfos Domésticos[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Harry, Ron e Hermione seguem para o Corujal, para enviar uma carta para Sirius, contando como Harry enfrentou o Torneio. No caminho, Harry conta para Ron o que Sirius disse a ele sobre Karkaroff. Ron, assim como Hermione, ficam surpresos porque Karkaroff foi um Comensal da Morte.

Eles se reúnem para a festa da vitória na Sala Comunal, onde Harry a pedido dos colegas abre o Ovo Dourado. O interior está vazio, mas ele emite um som alto e agudo, que apavora Neville: ele acha que é o som de alguém sendo torturado. Hermione pergunta a Fred se a comida da festa veio das cozinhas. Ele responde que sim, imitando um elfo doméstico para mostrar como é fácil pegar comida lá. Hermione então pergunta como chegar às cozinhas. Fred explica a ela e George pergunta se ela vai liderar uma rebelião dos elfos domésticos.

O tempo está ficando frio e terrível. Os cavalos da Beauxbatons, em suas cocheiras perto da cabana de Hagrid, estão recebendo sua bebida favorita, whisky de puro malte, mas o ar impregnado do cheiro da bebida está deixando a turma de Trato das Criaturas, meio tonta. Eles precisam toda a atenção enquanto cuidam dos explosivins. Chegando à cabana de Hagrid um dia, para a aula, os alunos descobrem que Hagrid preparou ninhos, para descobrir se os explosivins sobreviventes querem hibernar. Eles preferem destruir as caixas e disparam pela horta de abóboras; a maior parte da turma se espalha e corre para a cabana de Hagrid. Quando Hagrid e o Trio conseguem prender o último, Rita Skeeter aparece e mostra grande interesse nos explosivins; ela marca uma entrevista com Hagrid para mais tarde.

Harry e Ron, agora reconciliados, vão rindo e conversando até a chata aula dupla de Adivinhação da Professora Trelawney. Quando retornam à Sala Comunal, Hermione corre para eles, excitada com a descoberta que fez. Ela arrasta Harry e Ron por um corredor do andar térreo até as cozinhas, onde Dobby saúda Harry. Dobby conta ao Trio que Dumbledore empregou a ele e a Winky. Porque elfos domésticos têm dificuldade em conseguir empregos pagos, Dobby e Winky acreditavam que Hogwarts seria mesmo, sua única opção. Winky, no entanto se sente infeliz, e os outros elfos domésticos de Hogwarts se distanciaram de Dobby: eles acham que é uma vergonha para um elfo, aceitar pagamento. E, embora Dobby esteja feliz, Winky se sente miserável, soluçando porque seu mestre, Mr. Crouch, é um bruxo bom, e se preocupa pensando como ele está se arranjando sem ela. Ela diz que Ludo Bagman é um bruxo ruim, mas não diz porque, afirmando que vai guardar, sempre, os segredos do seu mestre. Dobby lembra a ela que ela não tem mais um mestre, e ela começa a chorar desesperadamente. Assim que saem das cozinhas, Hermione diz que espera que, se outros elfos observarem como Dobby está feliz por ser um elfo livre, eles podem talvez, adotar a idéia. Harry acha que Winky é um exemplo mais consistente, mas Hermione, otimista, acredita que ela vai melhorar à medida que se adaptar.

Análise[editar | editar código-fonte]

A vitória de Harry na Primeira Tarefa ajuda a animar seu humor consideravelmente, muito embora ele ainda tema por sua segurança e pela liberdade de Sirius. Ele se diverte, tranquilo, na festa da Gryffindor, momentaneamente esquecendo suas preocupações enquanto é arrastado pela alegria de seus colegas. Mas, o mais importante para ele foi sua reconciliação com Ron. Sem a amizade e o apoio de Ron, enfrentar os problemas que vêem pela frente e a incerteza em sua vida seria quase insuportável. Infelizmente, foi necessário que Harry quase morresse na Primeira Tarefa, para Ron compreender que Harry jamais quis entrar nesse Torneio; até então, Ron, aparentemente não havia compreendido os perigos envolvidos. Com sua imaturidade emocional, podemos perceber, que Ron viu apenas os prêmios, e não considerou os riscos, e achou que Harry via tudo, da mesma forma que ele. Assim como Ron desejou entrar no Torneio, ele supôs que Harry estava igualmente ansioso, e não compreendeu a dificuldade de Harry, em aceitar quando seu nome foi chamado. Essa nova compreensão da posição de Harry, pode ser um pequeno ponto de partida na maturidade de Ron, indicando uma facilidade maior de admitir que estava errado, e aceitar que suas habilidades e pontos fortes, ainda que ele as reconheça e melhore, sempre serão diferentes das de Harry.

A reação aterrorizada de Neville aos gritos do Ovo (achando que alguém estava sendo torturado) é similar ao seu comportamento, quando o Professor Moody demonstrou a Maldição Cruciatus na aula; os leitores já sabem que essa maldição é ilegal e usada como forma de tortura, e deve haver uma ligação entre esses dois incidentes.

Rita Skeeter aparecendo sempre de lugar algum, é extremamente suspeito, não apenas considerando a forte segurança de Hogwarts durante o Torneio, mas também, porque é impossível aparatar para dentro ou para fora do castelo e de seus terrenos. Depois de vê-la, Ron fica imaginando como ela consegue entrar, mesmo tendo sido banida de Hogwarts; os leitores deveriam talvez, considerar como diversos outros personagens, conseguiram anteriormente, entrar ou sair de áreas seguras sem serem percebidos. Porém, impedir Skeeter de entrevistar Hagrid, se torna rapidamente a preocupação mais urgente. Essa urgência impede que o leitor fique imaginando sobre a aparição repentina de Rita.

Essa é a primeira vez que vimos as cozinhas de Hogwarts; como muitos lugares no castelo, ela fica escondida e, provavelmente fora do caminho dos alunos, embora o Trio tenha conseguido entrar lá, e isso se deve aos gêmeos, que descobriram sua localização. Visitar as cozinhas faz com que Hermione tenha um choque de realidade, quando observa em primeira mão, como os elfos domésticos estão, de fato satisfeitos com suas vidas servis, pelo menos, em Hogwarts. Eles são quase literalmente, “escravos felizes”, que acreditam que o seu único propósito na vida é servir aos bruxos, de boa vontade, e eles são resistentes às mudanças. As únicas exceções, são Dobby e Winky, que os outros elfos domésticos desdenham, por serem assalariados. Embora Dobby esteja orgulhoso por ser um trabalhador livre, Winky está envergonhada e abatida, por não ter mais uma família para chamar de sua; como resultado, ele se tornou uma triste e patética alcoólatra, ainda sofrendo por seu antigo mestre, Mr. Crouch, que a despediu de maneira cruel e injustificada. Hermione deveria prestar atenção, em como a liberdade criou uma imensa dificuldade para Dobby e Winky, e perceber como há pouquíssimas oportunidades para os elfos domésticos sem mestres. Dobby mesmo, contou que passou um ano e meio procurando trabalho; e se o esperto Dobby, que é cheio de recursos e adaptável, Winky certamente nunca procuraria outro emprego por si mesma, e, sem a ajuda de Dobby, provavelmente teria tido um fim miserável. Apenas o carinho de Dumbledore conseguiu salvar os dois.

Sem avaliar nada disso, Hermione permanece totalmente apaixonada, embora ingenuamente pela causa da liberação dos elfos domésticos, e não pensa um pouco melhor, como eles conseguiriam se integrar à população bruxa, com sucesso.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Hermione quer saber onde ficam as cozinhas?
  2. Por que Dumbledore empregou Dobby e Winky?
  3. Por que os outros elfos domésticos evitam Dobby e Winky?
  4. Por que Rita Skeeter quer entrevistar Hagrid sobre os explosivins?
  5. Por que Winky permanece tão leal à família Crouch, mesmo tendo sido mandada embora, injustamente por Mr. Crouch?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Neville pensa em alguém sendo torturado, quando ouve o grito do Ovo?
  2. Como um grito ininteligivel pode ser uma pista? O que pode significar isso?
  3. Por que a localização das cozinhas é mantida em segredo? Como será que os gêmeos encontraram?
  4. Por que será que Winky acredita que Ludo Bagman é um bruxo mau?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Por causa da profunda reação de Neville durante a Maldição Cruciatus, que Moody demonstrou na aula de DCAT, não é de surpreender que ele pense que alguém está sendo torturado, quando ouve o grito do Ovo. No capitulo 30 desse livro, Harry descobre, acidentalmente, que quando Neville era uma criança, os Comensais da Morte, incluindo Barty Crouch Jr. torturaram os pais de Neville até perderem a razão, com a Maldição Cruciatus. A condição deles é irreversível, e eles vivem de maneira permanente no Hospital St. Mungo, onde Neville os visita regularmente. Neville nunca revelou isso para qualquer outro aluno, embora, Dumbledore saiba de tudo, e esse é o motivo pelo qual Neville vive com sua avó. Quando Harry descobre sobre os Longbottoms, ele mantém o segredo para si mesmo, e isso ajuda a criar um elo profundo entre os dois. A história de Neville é revelada, acidentalmente, a Ron, Hermione e Ginny no capitulo 23 do próximo livro.

Embora o papel de Winky na história seja bastante pequeno, quando Barty Crouch Jr. reaparece, ela poderá confirmar sua verdadeira identidade. Embora ela não confirme a história dele com relação às suas ações, a presença dela e as reações dela às palavras de Barty conferem verdade às revelações dele. Embora o propósito principal de Winky fosse claro, ao mostrar a Hermione que seria vã uma batalha para conseguir melhor tratamento para os elfos domésticos. A afirmação de Winky que, Ludo Bagman é um bruxo mau, deve ter vindo de seu mestre anterior, Mr. Crouch. Sirius vai nos contar rapidamente, que Bagman tentou dar informações à Voldemort, mas no fim, foi absolvido; Harry, mais tarde, vai ver a absolvição de Bagman, na Penseira de Dumbledore.

Nas lembranças de Dumbledore, Harry vai ver que Crouch parece desapontado porque Bagman não foi condenado; ele parece achar que a fama de Bagman e seu carisma, o salvaram de Azkaban. Com certeza ele levou sua opinião com ele, para casa, e Winky a adotou. Isso deve ter sido reforçado na Copa do Mundo de Quadribol, no inicio desse livro, onde Crouch e Bagman foram forçados a trabalhar juntos. Nós podemos ver, mesmo dentro do pouco que já foi exposto de ambos, que Crouch e Bagman têm estilos diferentes, que inevitavelmente vão bater de frente, e Crouch, sem dúvida levou para casa suas frustrações e as contou a Winky, que as ouviu praticamente todas as noites.

Os leitores devem ter reparado que Rita Skeeter tem aparecido de alguma forma, nos terrenos da escola, embora tenha sido (como disse Ron), banida. Skeeter será desmascarada sendo um Animago não registrado, e, com certeza, entrando em Hogwarts na forma de um besouro. No terceiro livro, Sirius também conseguiu entrar em Hogwarts, transformado. Isso abre a questão, o quanto Hogwarts é segura, na verdade, apesar de todos os feitiços de segurança no castelo e em nos terrenos. Embora existam apenas poucos Animagos registrados, não se sabe quantos podem existir sem registro; nós já conhecemos três, e descobrimos que Skeeter é o quarto. E, ainda que seja um feitiço difícil de aprender, é certamente possível que, pelo menos, alguns Comensais da Morte possam ser Animagos, e usar isso como forma de chegar a Harry. Peter Pettigrew, por exemplo, sempre conseguiu entrar em Hogwarts em forma de rato; no entanto, vamos ver mais tarde, que Voldemort nunca confiou em Pettigrew o suficiente para incumbi-lo de tal missão. Curiosamente, o Mapa do Maroto sempre pode identificar corretamente, uma bruxo ou um bruxo, seja em que estado de transformação ele esteja. Os feitiços mágicos que envolvem o castelo, aparentemente não conseguem, permitindo que intrusos em forma de Animago, passem pelas barreiras protetoras.

Uma nota para completar, sabemos que se Voldemort tivesse escolhido mandar Pettigrew nessa missão, Pettigrew teria dado um jeito de evitar. Nessa altura, ele sabia que Harry tinha o Mapa do Maroto, e que isso iria revelar sua presença, ainda que na forma de rato. Logo vamos descobrir que a função do Mapa, é uma surpresa para Barty Crouch Jr. Se Voldemort soubesse sobre o Mapa, ele teria informado a Crouch Jr., porque seria uma forma de quebrar seu disfarce. Se Voldemort tentasse mandar Pettigrew a Hogwarts, Pettigrew covarde como tudo, teria dito a Voldemort que o Mapa o encontraria, para evitar a missão. Portanto, Crouch sem saber sobre o Mapa, questiona bravo, que Voldemort não tentou mandar Pettigrew para se infiltrar em Hogwarts na sua forma de rato.

Conexões[editar | editar código-fonte]

  • O surgimento inesperado de Rita Skeeter, será uma pista para uma subtrama. Seu surgimento, similar ao visto no capitulo anterior, junto com a publicação de acontecimentos aos quais ela não esteve presente, mas foi visto um grande besouro, vai fazer Hermione descobrir que Skeeter é um Animago não registrado.Hermione vai conseguir usar esse conhecimento, para forçar Skeeter a escrever uma entrevista honesta com Harry, no próximo livro.
  • A reação de Neville ao grito do Ovo, nesse capitulo, é consistente com a reação dele na aula de Moody, sobre a Maldição Cruciatus. Suas reações às zombarias de Draco sobre pessoas mentalmente doentes, vivendo em St. Mungo, e sua resposta quando Harry, Ron, Hermione e Ginny encontram os pais de Neville, estão no próximo livro.
  • A dedicação de Hermione à libertação dos elfos domésticos, que começou nesse livro, mais cedo, vai prosseguir através dos outros livros, e será continuada em suas interações com Monstro, no próximo livro. Finalmente, Ron vai expressar sua preocupação com os elfos domésticos de Hogwarts, logo antes da batalha de Hogwarts, no último livro, que vai resultar numa resposta entusiasmada de Hermione.