Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/As Relíquias da Morte/Capítulo 29

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capítulo 29
O Diadema Perdido[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Neville está super feliz por vê-los, mas Harry, Ron e Hermione estão horrorizados com a aparência maltratada dele. Neville diz que isso não é nada, esperem para ver Seamus. Neville avisa a um desanimado Aberforth que mais gente vai aparatar ali. À frente do Trio através do túnel comprido e escuro, Neville explica que sete das passagens secretas conhecidas para dentro de Hogwarts, foram seladas magicamente e os Comensais tomam conta vigiam as saídas. Todos estão falando sobre a invasão que o Trio fez em Gringotes, escapando agarrados num dragão. Harry confirma tudo isso.


Hogwarts mudou drasticamente desde que o Trio foi embora. Os Carrows, os dois professores Comensais agora cuidam de todas as punições, portanto os outros professores evitam mandar alguém para o castigo sempre que podem. Amycus Carrow ensina DCAT, agora chamada de Artes das Trevas. Os alunos são obrigados a praticar a Maldição Cruciatus nos alunos de castigo. A recusa de Neville em amaldiçoar qualquer um, resultou no castigo para ele, embora fosse Sangue Puro.

Alguns alunos, especialmente Crabbe e Goyle se mostraram muito aptos nessa matéria e adoram praticar. Alecto Carrow que ensina Estudo dos Trouxas, insiste em que Trouxas são sujos e estúpidos como animais. Neville conseguiu uma cicatriz depois de perguntar o quanto de sangue Trouxa ela tem.

Neville e outros membros da AD ficavam criando pegadinhas e fazendo confusões, mas depois que Luna e Ginny saíram da escola e as punições ficaram mais severas, a rebelião diminuiu um pouco. Quando Neville foi identificado como sendo o líder, os Comensais foram atrás de sua avó, que botou Dawlish no Hospital St. Mungo e fugiu. Neville decidiu “desaparecer”.

Chegando a Hogwarts, eles entraram num local estranho com uma multidão fazendo festa. O Trio ficou impressionado por ver velhos amigos—Seamus Finnigan, Terry Boot, Michael Corner, Lavender Brown, Ernie Macmillan, Anthony Goldstein, Parvati e Padma Patil e muitos outros. Bandeiras foram colocadas do chão ao teto e a Sala foi enfeitada com as cores e símbolos de Gryffindor, Hufflepull e Ravenclaw; apenas faltou Slytherin. Para surpresa de Harry eles estavam na Sala Precisa. Neville esteve escondido lá por algumas semanas e a Sala aumentava porque mais e mais membros da AD chegavam.

Seamus, cujo rosto tão inchado Harry inicialmente custou a reconhecer, disse que a Sala estava segura enquanto pelo menos um membro da AD estivesse lá. A única coisa que ela não conseguia era comida. Quando Neville estava mesmo faminto, ele usava o túnel até o Cabeça de Javali e Aberforth mandava suprimentos para eles.

Todos queriam saber sobre as aventuras do Trio. Eles estiveram ouvindo no rádio o "Potterwatch" mas existem muitos rumores não confirmados. Antes que Harry pudesse responder, uma dor lancinante atravessou sua cicatriz, e ele teve uma visão de Voldemort descobrindo que o anel Horcrux estava desaparecido. Logo todos querem ajudar Harry, achando que ele voltou para por para fora os Carrows e Snape. Harry explica que eles voltaram apenas para completar a missão para ajudar a destruir Voldemort, e insiste em que todos fiquem fora disso.

Ele começa a ficar em pânico quando mais gente chega através do Cabeça de Javali. Luna, Dean, Fred e George, Ginny, Lee Jordan e Cho Chang. Hermione concorda com Ron que eles deviam ajudá-los a procurar. Harry não tem que fazer tudo sozinho, o tempo está acabando e eles não precisam dizer o que estão procurando. Harry finalmente concorda e diz que estão procurando algo que pertenceu a Rowena Ravenclaw. Luna acha que deve ser o diadema perdido. Escondidos sob a Capa da Invisibilidade, Luna leva Harry até a Sala Comunal da Ravenclaw e mostra a ele a estátua de Rowena. Quando Harry sai de debaixo da Capa, Alecto Carrow aparece e toca na Marca Negra em seu antebraço.

Análise[editar | editar código-fonte]

Contra os desejos de Harry, a batalha final entre ele e Voldemort parece preparada para ocorrer em Hogwarts, sua chegada parece ter detonado isso. Parece apropriado e também inevitável que o último confronto entre Harry e Voldemort deva ocorrer ali; o castelo e seus terrenos tiveram o papel principal durante toda a história e é onde a maior parte da ação transcorre. Com seus fantasmas, quadros falantes e outros cidadãos mágicos, o castelo é praticamente um personagem por si mesmo. Também é o local que, tanto Harry quanto Voldemort consideram seu lar, e no caso de Voldemort, é a única coisa pela qual provavelmente ele teve um sentimento o mais próximo do amor, embora essa emoção ele nunca possa experimentar. Harry ama Hogwarts, para ele a força e a segurança sempre vieram do velho e venerável castelo, aguentando os verões forçados na casa dos Dursleys, esperando impacientemente as aulas voltarem em setembro.

Dessa vez, Harry voltou como um soldado numa missão e não como um aluno retornando à escola, e Hogwarts não é mais um abrigo seguro e sim um iminente campo de batalha, embora essa não fosse a intenção de Harry, ele nem sequer tem um plano de batalha.

Independente disso, os reforços continuam a chegar e Harry está profundamente preocupado, porque agora, ao invés de ir furtivamente procurar o Horcrux, depois se esgueirar para fora para continuar a busca, seu aparecimento detonou uma reação em cadeia que culminou numa resolução final. E, gostando ou não, Harry é o motivo que alavanca e unifica a rebelião fragmentada, e ele está sendo empurrado para frente para assumir o encontro climático contra Voldemort e os Comensais da Morte.

Harry vê também como Hogwarts mudou, inclusive Neville Longbottom. Embora a aparência maltratada de Neville seja chocante, seu comportamento animado parece ainda mais chocante. Isso mostra claramente como Neville cresceu, do menino ineficaz e apavorado que chegou a Hogwarts, ele agora usa suas feridas e equimoses com honra. O fato do Chapéu Seletor colocar Neville na Gryffindor sempre pareceu questionável, e muitos leitores, provavelmente, pelo menos no inicio, achavam que ele ficava melhor na Hufflepuff, ao invés de numa Casa conhecida por sua nobreza e bravura. Mas coragem e nobreza vêm em muitas formas, e Neville, apesar de suas deficiências em magia e natureza tímida sempre encarou as adversidades de sua vida de cabeça em pé, e mostrou força desde o primeiro livro, quando enfrentou o Trio depois de reclamar de suas ações questionáveis. A força aumentou gradativamente e Neville se transformou de um aluno tímido, inseguro e quase incompetente, num bruxo forte e capaz, muito através da atenção paciente de Harry.

Curiosamente e apropriadamente, enquanto a influência de Harry ajudou a desenvolver o caráter e as habilidades de Neville, na verdadeira tradição do herói épico ele cresceu significativamente mais durante a ausência de Harry, da mesma forma que Harry se desenvolveu depois da morte de Dumbledore.

Neville, junto com Ginny e Luna, assumiram a liderança guiando com habilidade a AD assim que Harry partiu, se rebelando contra os Carrows e Snape. Neville mostrou que dadas as circunstâncias certas, ele é um líder natural assim como um verdadeiro Gryffindor; ele e os outros membros da AD estão prontos e preparados para se juntar com Harry na batalha final contra Voldemort.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Harry não reconhece a Sala Precisa?
  2. Por que Harry não quer que os outros alunos o ajudem com a missão, ou o sigam contra Snape e os Carrows? O que faz com que ele mude de idéia?
  3. Por que não há nem cores e nem símbolos da Slytherin na Sala Precisa?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Como as notícias sobre a fuga do Trio de Gringotes chegou a Hogwarts tão rápido?
  2. Por que Neville está tão feliz embora sua aparência esteja tão arrebentada?
  3. Como Neville mudou depois do seu primeiro ano em Hogwarts? A que se deveu essa mudança?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Contra sua própria vontade, Harry assume o fato de defender Hogwarts. Essa é a posição que veremos ele tomar ao evitar que a batalha ocorra em Hogwarts. Harry não está com medo da luta mas, ele se sente pessoalmente responsável por todas as mortes e ferimentos que irão ocorrer. Ele também vê isso como sua própria luta e fica extremamente relutante em envolver os outros. Ele está totalmente espantado com a agitação com que os outros estão abraçando a causa, sem pensar que muitos outros bruxos, que estão igualmente oprimidos, estão procurando por um motivo para se indispor também.

Foi apenas depois do encontro na Floresta Proibida, quando Harry percebeu que poderia proteger seus amigos contra Voldemort, que ele escolheu aparecer como líder do contra ataque contra o Lorde das Trevas e seu exército de Comensais da Morte.

Como já foi mencionado antes, Neville parece espantosamente mudado quando Harry chega. Podemos ver que isso foi uma mudança gradual, se observarmos como ele mudou através dos seis livros anteriores. Neville vai prosseguir exibindo força de caráter e poder mágico durante os próximos capítulos,, ajudando a defender o castelo e na recuperação das vítimas. A fé de Harry nas habilidades de Neville cresce a ponto de Harry entregar a Neville a última missão: despachar o Horcrux final, embutido dentro da cobra pet de Voldemort, Nagini. Se caso, Ron ou Hermione não puderem fazer o serviço, Neville será a pessoa apropriado para o desafio.

Harry também determina que o Horcrux que ele procura, um dos últimos está escondido no Diadema Perdido de Rowena Ravenclaw. Ele baseou essa idéia no interesse de Voldemort em usar objetos que um dia pertenceram aos Fundadores de Hogwarts, como esconderijos para seus amados Horcruxes. Embora ele não tenha absoluta certeza disso, diversas coisas reforçam essa crença, incluindo a presença de Alecto Carrow na Sala Comunal da Ravenclaw; Alecto está ali porque Voldemort achava que Harry entraria ali caso voltasse a Hogwarts, e isso confirma a crença de Harry de que Voldemort usou algo de Ravenclaw.

Nos próximos capítulos, Harry vai descobrir o que aconteceu com o Diadema depois que supostamente, desapareceu, e como voltou à escola. Ele também vai descobrir que teve o Diadema na mão, um ano antes, sem saber o que era.