Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Pedra Filosofal/Capítulo 8

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Os primeiros poucos dias em Hogwarts são difíceis para Harry, sem dúvida, e os outros alunos constantemente o encarando deixam o menino nervoso e desconfortável. O enorme castelo é complicado, e Harry e Ron acabam sempre perdidos no caminho para a sala de aula, fazendo com que cheguem atrasados. As vezes eles acabam sendo pegos quase entrando em áreas proibidas, pelo zelador Argus Filch, sempre mal humorado. Além disso as lições são difíceis.

Harry encontra seus professores: Pomona Sprout, professora de Herbologia, o Professor Binns, de História da Magia e Filius Flitwick, professor de Feitiços. Ele também tem aulas com a Professora Minerva McGonagall que ensina Transfiguração e com o Professor Quirrell, Defesa Contra Artes das Trevas.

No café da manhã de sexta-feira, Harry recebe sua primeira coruja correio com uma mensagem de Hagrid, convidando para o chá depois das aulas. Depois Harry assiste sua primeira aula de Poções, com o Professor Snape, uma aula dupla partilhada com os alunos do primeiro ano da Slytherin. A aula não vai nada bem, com Snape discriminando Harry e o ridicularizando por causa do seu pouco conhecimento de magia. Snape, que aparentemente não gosta do status de celebridade de Harry, é constantemente mais duro com Harry do que com outros estudantes de Gryffindor nas aulas. Em particular, quando Neville derrete o caldeirão que dividia com Seamus, Snape penaliza a Casa Gryffindor com um ponto, injustamente colocando parte da culpa em Harry.

Quando Harry (e Ron) chegam à cabana de Hagrid para o chá, Harry encontra um recorte do Profeta Diário que menciona a invasão do Banco Gringotes. Hagrid se nega a discutir o assunto e Harry conclui que o cofre atacado foi o mesmo que Hagrid esvaziou durante a viagem deles ao Beco Diagonal.

Análise[editar | editar código-fonte]

Muitos professores de Hogwarts foram apresentados, pelo menos, aqueles que se tornarão importantes aqui e nos futuros livros. Enquanto a maior parte dos professores estão encantados por ter Harry Potter como aluno, Snape está muito pouco impressionado, sempre fazendo Harry passar situações ridículas ou em reprová-lo. Isso se torna comum através da série, e aqui, nos parece que o comportamento de Snape é alimentado pelo seu ressentimento com relação à fama de Harry. Essa idéia é reforçada no livro seguinte, quando Snape tem uma reação negativa a um professor celebridade. Só bem mais tarde se descobre porque Snape tem tanto rancor de Harry, e sua antipatia mútua cresce através da série.

Na conversa de Harry com Hagrid, observamos a necessidade de Harry de compreender e descobrir, uma qualidade que vai ajudá-lo a resolver (com ajuda), os muitos mistérios que surgirão através dos sete livros. Essa curiosidade inata pode estar levando o menino ao corredor proibido do terceiro andar, determinado a descobrir o que está escondido lá, embora sua tentativa de abrir a porta, nesse capítulo seja aparentemente, apenas acidental.

Enquanto isso, os primeiros dias de Harry em Hogwarts são estressantes, tendo que lidar com um novo ambiente, a fama não desejada e seu desconforto com o fato dos outros alunos o ficarem encarando. No geral, no entanto, ele está feliz e não há outro lugar onde ele preferisse estar: a admiração pelo herói, embora o incomode, é uma forma de aceitação, e isso é muito melhor do que o que ele tinha em casa. Além disso, se adaptando à nova vida no mundo mágico e lutando um pouco com os estudos, ele também aprende mais sobre a sociedade bruxa, conforme faz amizade com seus colegas. Sua primeira impressão era de que todos os bruxos eram muito parecidos, no entanto, Draco Malfoy, no Beco Diagonal lhe deu a primeira indicação de que alguma diferença social existe. Harry logo aprende mais sobre a ancestralidade dos bruxos, e que alguns, como os Malfoys e os Weasleys são puro sangue, enquanto outros são mestiços como Harry, cujo pai era sangue puro enquanto que sua mãe, era uma bruxa nascida Trouxa como Hermione, sem família mágica. Seamus Finnigan também era considerado mestiço, com um dos pais de família bruxa (sua mãe) e o outro, Trouxa (seu pai). Neville Longbottom é puro sangue, embora sua família achasse que ele não tinha nenhuma habilidade mágica, embora essa habilidade só tenha aparecido bem mais tarde em sua infância. Mesmo entre as famílias puro sangue há diferenças de classe, como vimos que, Malfoy considera os Weasleys inferiores porque são pobres e têm pontos de vista diferentes com relação aos Trouxas e os bruxos nascidos Trouxas. Em Hogwarts todos os alunos são tratados igualmente, sua ancestralidade não conta nada, eles são avaliados apenas pelo seu talento e habilidade e não por sua linhagem e ligações. No entanto, há bruxos, a maioria da Slytherin, que acreditam que a pureza do sangue é superior aos mestiços, e alguns, como os Malfoys, acham que apenas as famílias antigas de puro sangue bruxo deveriam poder freqüentar Hogwarts e estudar magia. Essas crenças preconceituosas se tornam uma parte importante do enredo através da série.

A data exata da invasão de Gringotes também é sabida; o pedaço de jornal na mesa de Hagrid dá conta de que ela ocorreu dia 31 de julho, o mesmo dia em que Harry estava no Beco Diagonal. É por isso que Harry conclui que o ladrão estava atrás do pequeno pacote sujo que Hagrid pegou.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Hagrid convida Harry para o chá?
  2. Por que os alunos encaram Harry? Como Harry se sente a esse respeito?
  3. O que Harry aprende a respeito dos tipos diferentes de bruxos. Como ele se encaixa nessa divisão social?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Snape não chama Hermione quando ela levanta a mão?
  2. Por que Snape parece detestar tanto Harry?
  3. Por que Harry fica tão certo de que o cofre que foi invadido em Gringotes foi o mesmo de onde Hagrid removeu o pacote?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


A antipatia de Snape por Harry é a trama principal que se desenrola durante todos os livros. A primeira aula de Poções que Harry assistiu com Snape pressupõe eventos dos próximos livros. Na introdução da aula, Snape diz que pode ensinar os alunos a cozinhar fama, engarrafar fortuna e até mesmo parar a morte. As muitas ligações com essa aula, fizeram com que muitos fãs, na última parte da série, ficassem especulando se, no final do sexto livro Dumbledore e Snape conspiraram para fingir a morte de Dumbledore. De fato, a poção mencionada foi usada naquele livro, embora ninguém saiba disso até As Relíquias da Morte capítulo 33; Snape impediu ou atrasou a morte de Dumbledore causada por ter tocado num anel amaldiçoado. A discussão do acônito (ou capuchinho uma espécie de acônito de flores azuis ou púrpura), associada à Poção do Morto-Vivo, reaparece no sexto livro quando o Professor Slughorn mandou a turma de Harry preparar essa poção e provavelmente também (na edição USA), na torre de Astronomia, quando Dumbledore tenta convencer Draco a mudar de lado, dizendo a ele que pode fazer com que ele e toda sua família pareçam mortos. O Bezoar, que Snape pede a Harry para descrever aparece rapidamente em O Cálice de Fogo capítulo 22 e aparece bem mais em O Enigma do Príncipe capítulo 18.

O fato de Harry e Ron estarem sempre se perdendo, mostra as qualidades mágicas do castelo e sua imensidão. Hogwarts guarda inúmeros segredos, que vão se tornando importantes conforme os livros avançam. Harry, Ron, Neville e Hermione acabam chegando no corredor do terceiro andar por causa da dificuldade de andar no castelo sem se perder; eles vão fugindo de Filch e acabam entrando nesse corredor por acaso, e terminam descobrindo alguma coisa muito importante para o desenrolar da história.

Embora Neville afirme que sua família achava que ele era Trouxa, uma descrição mais acurada seria que ele era um Aborto. Sem mencionar especificamente ainda o que exatamente seria um aborto, a autora parece dar uma pista de que eles existem na sociedade bruxa. Mais tarde vamos descobrir que Abortos são crianças nascidas nas famílias bruxas, mas por causa de algum problema genético, não possuem habilidades mágicas. Além dos puro sangue, mestiços, e nascidos Trouxas comentados na seção Análise, Abortos são outra delicada divisão dentro da ordem social. Eles são o total oposto dos nascidos Trouxas, nascidos numa família da qual são completamente diferentes. Ao contrário dos nascidos Trouxas, que são identificados cedo e levados para a sociedade bruxa, Abortos são em geral, tratados como marginais, e encorajados a se integrarem na sociedade Trouxa. Tendo nascido em famílias puramente mágicas, no entanto, um Aborto em geral tem grande dificuldade de se adaptar na sociedade Trouxa, e ainda por cima sofrem o fardo de ter que esconder sua ascendência bruxa. Os leitores vão perceber que a Sra. Figg, a velha senhora vizinha de Harry na Rua dos Alfeneiros, e o Sr. Filch, são ambos Abortos, que estão ligados ao mundo dos bruxos embora não tenham poderes mágicos. A família de Neville fez de tudo para que ele demonstrasse algum poder mágico, certamente temendo o estigma social de ter um Aborto na família, em especial numa família puro sangue. Numa situação extrema (especialmente maluca e perigosa) a tentativa deles acabou provando que Neville tinha poderes, era um bruxo, ainda que no início seus poderes parecessem bem fracos. Mesmo assim, as mudanças em Neville conforme a série avança, são notáveis, devido aos esforços e paciência de Harry. Irônicamente, a família de Neville pode ter criado todos os problemas dele, embora suas intenções fossem as melhores. Nos livros, descobrimos que os pais de Neville eram Aurores e foram torturados até ficarem loucos pelos Comensais da Morte de Voldemort. Os parentes de Neville devem ter usado feitiços de memória muito potentes para aliviar as recordações dolorosas de Neville, desse evento traumático. Infelizmente, esses feitiços usados, sendo muito potentes ou usados em grande quantidade, podem causar danos às habilidades mentais e mágicas de um bruxo. Podem até mesmo, causar danos permanentes, em especial a um bruxo tão jovem. Outro personagem que aparece mais tarde na série, Bertha Jorkins, acaba tendo um sofrimento semelhante depois que Bartemius Crouch lança sobre ela um feitiço de memória poderoso para apagar algumas informações muito danosas, e sem dúvida ele não se preocupou se ela ia ficar com danos permanentes. As condições de Neville e de Bertha são parecidas e sugerem que a causa pode ter sido a mesma.

Considerando as ligações entre Harry e Neville, reveladas no quinto livro, é interessante notar que eles são polos opostos: enquanto a família Trouxa de Harry tentou arrancar a magia dele, a família Longbottom tentou forçar Neville a demonstrar magia. Vamos descobrir que, de acordo com a Profecia de Sybill Trelawney, no final, quem ia acabar enfrentando Voldemort poderia ser Harry ou Neville; seria interessante especular, assim como Harry faz mais tarde, o que teria acontecido se Voldemort pensasse que Neville, sendo um bruxo puro sangue, era a criança da profecia. O estigma social associado a ter um Aborto na família é mencionado ainda outras duas vezes. Falando a respeito de sua família, no Expresso de Hogwarts, nesse livro, Ron diz que um parente dele é contador, mas sua família raramente menciona isso. Vamos ver também, em As Relíquias da Morte, que quando Ariana Dumbledore foi escondida por causa de seus problemas mentais, os vizinhos pensaram de modo errôneo que ela era um Aborto.


Conexões[editar | editar código-fonte]

Um episódio nesse capítulo em particular está cheio de ligações do que vai acontecer na série. A primeira aula de Poções de Harry contém as seguintes afirmações de Snape:

  • ... e até mesmo parar a morte. Isso parece se referir à poção que Snape usa para preservar a vida do Professor Dumbledore quando ele se envenena com a maldição do anel Horcrux, As Relíquias da Morte capítulo 33
  • Poção do Morto-Vivo. A preparação dessa poção aparece em O Enigma do Príncipe capítulo 9, onde ela é usada como um meio de mostrar a superioridade das notas à margem do livro que Harry está usando ao invés do livro comum da aula. Dumbledore tenta um acordo com Draco em O Enigma do Príncipe capitulo 27, e menciona que se Draco quer se esconder de Lord Voldemort, é possível fazer com que ele e toda a família pareçam mortos.

Embora a técnica para isso não seja mencionada, é bem possível que inclua a poção.

  • As plantas monkshood e wolfsbane, são a mesma planta, também conhecida pelo nome acônito... possivelmente já preparando a chegada de Remus Lupin no terceiro livro.
  • Onde encontrar um bezoar? Uma parte vital do antidoto que Harry está preparando na aula de Poções em O Cálice de Fogo capítulo 22. É importante porque Harry está agitado pela proximidade do Baile de Inverno, e esquece o ingrediente. Um bezoar é a resposta de Harry para a pergunta sobre um antidoto na aula de Poções em O Enigma do Príncipe capítulo 18, e ele reaparece logo depois quando Harry o usa para salvar a vida de Ron.

Outros eventos conectados incluem:

  • Quando Harry e Ron são pegos por Filch tentando entrar no corredor proibido do terceiro andar, é o Professor Quirrell, que passando ali por acaso, os livra de Filch. Vamos descobrir mais tarde nesse livro que Quirrell já estava tentando encontrar a Pedra Filosofal, que estava escondida sob o corredor.
  • Aqui somos apresentados ao ódio de Snape por Harry e em menor dimensão pela Casa Gryffindor. As razões não são explicadas até bem mais tarde na série, mas essa raiva será uma constante durante a série.
  • A invasão de Gringotes, sobre a qual nós lemos no papel sobre a mesa de Hagrid, também foi discutida no capitulo 6, e descobrimos que ocorreu imediatamente após o cofre ter sido esvaziado. Isso nos leva a crer que foi o cofre que Hagrid esvaziou um mês antes (capitulo 5), quando ele e Harry visitaram o Beco Diagonal. Vale a pena reparar que Harry encontra o Professor Quirrell no Caldeirão Furado nessa ocasião e somos levados a acreditar que foi Quirrell que invadiu Gringotes. Isso será mencionado mais tarde quando Harry planeja invadir Gringotes, ele mesmo, em As Relíquias da Morte capitulo 24. É em parte por causa da invasão anterior que o Duende Grampo concorda em ajudá-los.