Saltar para o conteúdo

Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Pedra Filosofal/Capítulo 4

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

BUM! A bateção na porta continua do lado de fora. Vernon corre com um rifle quando a porta é destruída. Um homem enorme e barbudo entra. Ele torce o cano do rifle de Vernon como se fosse um pretzel, senta e deseja feliz aniversário a Harry, mete a mão no bolso e dá ao menino um bolo amassado. O gigante fica bem à vontade, atiça o fogo na lareira, coloca chá para fazer e cozinha salsichas. Ele se apresenta como Rubeus Hagrid, Guardião das Chaves e Terrenos de Hogwarts. Hagrid fica impressionado ao ver que os Dursleys nunca contaram nada a Harry sobre seu passado, sobre seus pais, e fica furioso quando Harry conta que sua mãe e seu pai morreram num acidente de carro. Hagrid explica que Harry é um bruxo, um bruxo muito famoso. Ele dá a Harry a carta, agora endereçada ao casebre. A carta é um convite para Harry freqüentar a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts.

Hagrid envia uma coruja para o Professor Dumbledore contando que encontrou Harry e vai levá-lo para comprar o material da escola. Petunia começa a resmungar e Harry descobre que ela e tio Vernon sempre souberam sobre o seu passado. Hagrid conta que um bruxo das trevas chamado Voldemort (embora Hagrid tenha uma enorme dificuldade de falar o nome, aparentemente com medo), foi quem encontrou seus pais, há dez anos atrás e os matou, seus nomes eram James e Lily Potter. Ele também tentou matar Harry, mas falhou, e deixou a cicatriz na testa de Harry. Quando é perguntado sobre o que aconteceu a Voldemort, Hagrid conta a Harry que ninguém tem certeza, mas alguma coisa aconteceu (na noite do dia das bruxas, em que ele tentou matar Harry) que o levou a se esconder.


Harry quer saber se é realmente um bruxo, e Hagrid pergunta como ele faz coisas acontecerem quando está zangado ou assustado. Harry então lembra de coisas que fez acontecer, mais recentemente a jibóia, e sorri. Tio Vernon interrompe, dizendo que Harry não vai para nenhuma escola de magia.

Harry fica furioso porque sua tia e seu tio sabiam que ele era um bruxo, que eles mentiram sobre como seus pais morreram. Vernon se recusa a pagar, depois insulta Albus Dumbledore, chamando o Professor de velho biruta e pateta. Hagrid, furioso usa seu guarda-chuva (aparentemente contendo uma varinha) para dar a Dudley um rabinho de porco. Os Dursleys correm e se esbarram apavorados. Hagrid pede a Harry que evite mencionar para qualquer pessoa em Hogwarts que o viu fazer magia, coisa que ele é proibido de fazer, embora ele tenha direito apenas enquanto estiver na missão de resgatar Harry. Hagrid explica que foi expulso de Hogwarts durante seu terceiro ano, embora mude de assunto quando Harry faz mais perguntas. Já é tarde e Hagrid diz que eles terão muito o que fazer no dia seguinte. Assim eles se ajeitam para dormir, Harry enrolado no grande casaco de Hagrid no chão.


Análise[editar | editar código-fonte]

Sem perceber, Harry chegou ao marco mais importante de sua vida até então: seu 11º aniversário. A chegada de Hagrid nesse dia não apenas liberta Harry de sua existência miserável, mas também dá a ele um conhecimento sobre si próprio que, embora só agora ele esteja sabendo e mesmo que seja um conhecimento tardio, ele nunca imaginou antes.

Também ele fica mais poderoso para enfrentar a grosseria e os abusos dos Dursleys; isso muda para sempre o relacionamento entre eles; daqui em diante sua vida nunca mais será igual. Agora Harry pode fazer escolhas que irão determinar seu destino. Ele e apenas ele, decide se vai ficar com os Dursleys ou se vai para Hogwarts, deixando para trás o mundo dos Trouxas, ao qual de modo subconsciente ele sentia nunca ter pertencido.

Escolhendo Hogwarts, Harry demonstra maturidade e independência, e também uma nova habilidade de dirigir o curso de sua própria vida. Mais tarde, na série, Harry desenvolve uma relutância de por fé no desconhecido, mas desta vez ele não hesita, ele acredita que esse é o seu verdadeiro caminho, e que nada pode ser pior do que o que ele já vive. Ele confia em Hagrid para guiá-lo nos primeiros passos e tentativas. Harry está chocado por saber que sua tia e seu tio esconderam a verdade, como os adultos fazem muitas vezes para proteger as crianças, embora os Dursleys o tivessem feito guiados pela raiva e o ressentimento, ao invés de por uma tentativa de proteger uma criança de alguma coisa desagradável ou dolorosa.

A teimosia dos Dursleys de impedir Harry de freqüentar Hogwarts é vista claramente como o desejo de negar a ele o que sabem que ele mais deseja. Mesmo que os Dursleys detestem a presença de Harry e que seria um alívio o fato dele ir embora, além de se livrarem da responsabilidade de cuidar dele, ele querem mantê-lo em casa simplesmente como uma espécie de vingança, embora Petunia tenha também outra razão.

Dessa vez, porém, a escolha é apenas de Harry, e ele escolhe abandonar o mundo Trouxa (e os Dursleys), embora, esperamos que ele periodicamente esteja de volta à Rua dos Alfeneiros, nas férias e quando a escola estiver fechada, até que ele chegue a idade adulta.

Enquanto um Harry abismado descobre sobre seu passado e como seus pais morreram, nós descobrimos mais sobre o que aconteceu na noite em que Lord Voldemort chegou a Godric's Hollow.

Nós sentimos o pavor que a maioria dos bruxos sentem por Voldemort, ou mesmo o terror que seu nome evoca, embora tenha sido derrotado dez anos antes. Essa apreensão constante parece indicar que o mundo Mágico ainda está na dúvida se Voldemort está de fato morto ou se há alguma chance dele retornar. Harry não sente esse medo, talvez porque ele nunca foi condicionado a isso como os outros bruxos foram, durante anos. Ao invés disso ele começa a considerar Voldemort como seu inimigo, mas não como invencível.

O tema central da série é preconceito, divisão e medo do desconhecido. Nesse capítulo, particularmente, o comentário de Petunia mostra uma visão parcial pelo lado dos Trouxas, da divisão Trouxa/Mágico como algo que é estranho e diferente. O comportamento dos Dursleys é um exemplo clássico que mostra como a ignorância humana e o medo tendem a andar lado a lado. Num círculo vicioso, a ignorância deles faz com que vivam apavorados pela magia, enquanto o medo impede que eles tenham uma compreensão maior de tudo. Em contraste, o desejo de Harry de aceitar sua natureza mágica quando a evidência se apresenta, assim como sua intuição a respeito de suas habilidades, indicam claramente sua inteligência, sua mente aberta.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que diz esse capítulo sobre o caráter de tia Petunia?
  2. Por que os tios de Harry esconderam dele o segredo?
  3. Vernon e Petunia revelariam a Harry qual era o segredo? Por que ou por que não?
  4. Por que Hagrid deu a Dudley um rabinho de porco?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Petunia parece odiar sua irmã, Lily?
  2. Os Dursleys podem impedir Harry de frequentar Hogwarts, e eles têm direito de fazer isso? Explique por que ou por que não.
  3. Por que Hagrid foi expulso de Hogwarts? Por que ele é confiável o bastante para buscar Harry?
  4. Por que Hagrid tem medo de falar o nome de Voldemort?
  5. Por que os Potters foram mortos?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Esse capítulo menciona de passagem a expulsão de Hagrid de Hogwarts, que é um elemento importante no enredo do próximo livro, A Câmara Secreta. O medo de Hagrid de falar o nome de Voldemort em voz alta, será comum através da série, com as pessoas se referindo a ele como “o Lord das Trevas”, “Você Sabe Quem”, “Ele que Não Deve Ser Nomeado” assim como outras variantes. Esse pavor é constante, e é bastante reforçado no sétimo livro, quando Voldemort coloca uma proibição em seu nome, de modo que qualquer um que diga seu nome seja imediatamente detectado e sujeito a represálias. Essa proibição em geral é dirigida àqueles que lutam contra ele, uma vez que eles estão entre os poucos que têm a coragem de falar seu nome, e mais especificamente a Harry Potter, que se tornou inimigo número um, sob o novo regime de Voldemort.

Embora isso seja apenas especulação, é possível que uma proibição similar tenha existido durante o inicio do reinado de Voldemort, e isso gerou um medo profundo do nome dele entre a população mágica. Harry é o oposto, ele é conhecido por outro apelido, O Menino Que Sobreviveu (e mais tarde, O Escolhido), embora ninguém no mundo Mágico sentisse medo de usar seu nome verdadeiro.

O comentário de Petunia é a prova de como os Trouxas temem e desdenham aquilo que não conseguem compreender. Ao passo que, isso se torna recorrente na série, a reação de Petunia é na verdade motivada pelo ciúme de sua irmã. Lily era uma bruxa, enquanto que ela não é. Após Lily ter recebido sua carta de Hogwarts, Petunia também queria desesperadamente ser admitida na escola, mas ela não tinha nenhuma habilidade mágica, então foi obrigada a permanecer no mundo dos Trouxas. Para se consolar, ela se convenceu que Lily era uma maluca e que o mundo mágico, e qualquer coisa ou qualquer pessoa ligada a ele, era “anormal”, e ela resolveu ser o oposto daquilo; desde então ela criou uma animosidade, um ressentimento e amargura com relação à Harry, e sua recusa em permitir que o sobrinho fosse para Hogwarts era apenas uma tentativa de negar a ele aquilo que ela não pode ter. Por sorte, a decisão de ir ou não para a escola pertencia a Harry e somente a ele.

Ao saber da verdade sobre sua vida, Harry deu o primeiro passo num caminho que o levaria ao seu eventual destino. Ele vai continuar nesse caminho através da série, com alguns tropeços ocasionais.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • A aversão de Petunia por sua irmã e o medo da magia são aqui introduzidos. Eles vão reaparecer em cada livro, embora de maneira menos forte do que aqui, até que a razão finalmente seja revelada, no capítulo 33 do último livro da série.
  • O medo de Hagrid de mencionar o nome de Voldemort será repetido por Ron no capítulo 14 das Relíquias da Morte. No capítulo 20 das Relíquias da Morte vamos descobrir a razão desse medo.
  • Essa é a primeira vez que vamos ver o correio Bruxo, correio coruja, sendo usado. Isso é recorrente na série.
  • Os fatos por trás da expulsão de Hagrid serão explicados na Câmara Secreta capítulo 13. No capítulo 15, logo depois, começaremos a compreender porque Dumbledore foi contra a expulsão de Hagrid, e agora confia a ele as missões mais importantes relacionadas a escola.