Saltar para o conteúdo

Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Pedra Filosofal/Capítulo 13

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.


spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Os treinos de Quadribol recomeçaram e Harry e o time estão se preparando para a próxima partida contra a Casa Hufflepuff. Harry, Ron e Hermione ficam horrorizados ao saber que o juiz da partida será o Professor Snape.

Neville cai dentro da Sala Comunal com as pernas agarradas, passando pelo retrato e contando que foi Draco quem o enfeitiçou com o feitiço da perna presa. Hermione rapidamente faz o contra-feitiço e libera as pernas do garoto. Harry encoraja Neville a enfrentar Draco e dá a ele o último Sapo de Chocolate que tinha no bolso. Neville desembrulha o Sapo e entrega a Harry a figurinha que vem dentro do embrulho e Harry vê que é Dumbledore novamente. Harry, de repente lembra que foi na figurinha que ele viu o nome de Nicolas Flamel: Professor Dumbledore é especialmente famoso por derrotar o bruxo das trevas Grindelwald, em 1945, por descobrir os doze usos do sangue de dragão, e por desenvolver um trabalho em alquimia em parceria com Nicolas Flamel.

A palavra Alquimia, recorda a Hermione que um livro que ela pegou na biblioteca dizia que Flamel tem 665 anos de idade. Os três continuam a falar no assunto até concluir que o pacote misterioso que Hagrid trouxe para a escola é a Pedra Fundamental. Vida eterna e todo ouro que você desejar. Não é espanto que Snape queira pegar… Harry decide ir jogar Quadribol mesmo com Snape sendo o juiz. Durante o jogo começa uma briga na arquibancada entre alguns alunos da Gryffindor (em especial Ron e Neville) e os da Slytherin (liderados por Draco Malfoy) A partida dura apenas cinco minutos, porque Harry vê o Pomo e o agarra antes que Snape possa marcar um pênalti para a Hufflepuff. Depois da partida, Harry vê Snape entrar na Floresta Proibida. Usando sua vassoura ele voa acima das árvores de maneira a poder ouvir Snape e o Professor Quirrell. A conversa deles confirma o que Harry, Ron e Hermione já achavam, que o pacote misterioso é a Pedra Filosofal, e os leva a concluir que Quirrell é a única coisa que está entre a Pedra e Snape.

Análise[editar | editar código-fonte]

Esse capítulo serve como um bom reforço.

  • Harry dá a Neville o Sapo de Chocolate porque Neville foi enfeitiçado por Draco Malfoy. Isso novamente mostra o pouco caso que Draco faz do regulamento e dos alunos da Gryffindor. Também mostra a incompetência de Neville em fazer magia e sua insegurança emocional. Harry tem que encorajá-lo a se defender.
  • Snape apitando o jogo também mostra como ele faz pouco da Gryffindor em geral, e de Harry em especial. Pela rapidez com que Harry termina o jogo, ele está aprendendo rápido que a melhor estratégia é evitar Snape o máximo possível.
  • A revelação de quem é Flamel e sua obra, faz com que o Trio descubra o artefato único e valioso, e reforça a crença de Harry de que esse objeto necessita mesmo de uma proteção poderosa.
  • O fato de Harry ouvir a conversa entre Snape e Quirrell dá apoio à tese de Harry e também de Ron e de Hermione, de que Snape está tramando para roubar a Pedra Filosofal, e que o Professor Quirrell, que é um fraco e pobre coitado está tentando impedir.

A única novidade importante da história é que nós descobrimos que a Pedra Fundamental não apenas está sendo protegida, mas também está sendo procurada. A pista é dada pela sua utilidade, uma vez que descobrimos que Flamel é impossivelmente velho. Com toda certeza parte da função da Pedra tem algo a ver com prolongar a vida. A descrição que Hermione faz das funções da Pedra, explicam porque Flamel conseguiu viver durante tanto tempo e faz crer que a Pedra, foi de fato, o que Hagrid trouxe para Hogwarts e que está sendo tão cuidadosamente guardada. Ainda não está claro, no entanto, porque, depois de tanto tempo, esse objeto precisa ser tão protegido.

Devemos mencionar que houve um Nicolas Flamel real, que viveu na época descrita. Nicolas Flamel nasceu, provavelmente no início do ano 1330, mais ou menos 660 anos antes do livro Harry Potter e a Pedra Filosofal (1991-92). Ele e sua esposa Perenelle já apareceram diversas vezes na cultura popular, em especial em O Corcunda de Notre Dame de Victor Hugo.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Nicolas Flamel é importante? Dê exemplos.
  2. Por que Snape e Quirrell estão na Floresta Proibida? O que a conversa deles revela?
  3. Por que Draco enfeitiça Neville? O que Harry diz a Neville?
  4. Por que a partida de Quadribol acabou tão rápido?

Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Harry está convencido de que o que está sendo tão bem guardado é a Pedra Filosofal. Ele está certo? Por que motivo ele chegou a essa conclusão?
  2. Por que alguém desejaria roubar a Pedra Filosofal? Quem poderia querer a Pedra?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Harry percebe que está encontrando Snape muito mais vezes do que o normal. Ele fica imaginando se Snape sabe que ele, Ron e Hermione já descobriram sobre a Pedra Filosofal, e tem uma sensação horrível de que Snape tem a capacidade de ler a mente. Harry já havia sentido isso outras vezes, em maior ou menor nível, mas essa é a primeira vez em que ele expressa esse pensamento assim, tão claramente, até mesmo para si próprio. Isso vai ser uma preocupação recorrente de Harry, e vai se apresentar de maneira total no capitulo 24 do livro A Ordem da Fênix, quando vamos descobrir o que é legilimencia.

Os leitores que estão relendo a série podem se perguntar por que Snape não usa a habilidade de ler mentes em Quirrell. Nós só podemos especular que talvez exista um código de ética com relação à legilimencia, de modo que se deve evitar usá-la em outros bruxos. Também é possível que para se proteger, Voldemort tenha reforçado em Quirrell a oclumencia, que é a habilidade de evitar a legilimencia. Se existe essa idéia de evitar o uso da legilimencia em outro bruxo, por que Snape ainda a usa em Harry? Snape, sendo um dos professores de Harry, e por causa da imaturidade fisica do garoto, pode achar que está agindo mais ou menos no lugar dos pais, e tem o direito de inspecionar a mente de Harry. Também é possível que a raiva de Snape por Harry o leve a passar por cima da privacidade do garoto.

Novamente, a visão tendenciosa que Harry tem de Snape, e a mania de só ver um ângulo da situação, o leva a ter uma perspectiva distorcida dos acontecimentos que ele observa, de modo que para ele, só há uma interpretação possível. Nesse caso, em particular, o que Harry escuta na Floresta Proibida é que Snape e Quirrell estão em desacordo. Harry já estava decidido a acreditar que é Snape que procura a Pedra, e permite que a conversa confirme essa sua conclusão. De fato, como vamos descobrir, Snape está tentando impedir Quirrell de procurar a Pedra. Esse preconceito persistente com relação a Snape, vai voltar para assombrar Harry conforme a história se desenrola chegando ao clímax.

Nós não temos a menor idéia de que Voldemort está por perto, além do comentário de Hagrid (no inicio) de que ele é muito diabólico para morrer. No entanto, nós vamos ter uma pista boa nessa direção rapidamente, quando um centauro conta para Harry sobre os usos do sangue do unicórnio.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • Nesse capitulo, vamos ter a primeira pista de que Harry acredita que Snape pode ler a mente dele. Veremos que Harry vai suspeitar disso novamente em O Prisioneiro de Azkaban capitulo 14. E isso ficará bem claro em A Ordem da Fênix, capitulo 24, onde será revelado que Snape é mestre em legilimencia. Snape vai usar a legilimencia abertamente em Harry no livro O Enigma do Príncipe capitulo 28 e vai tentar fazê-lo em determinado ponto de As Relíquias da Morte capitulo 30.