Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 24

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 24
Oclumência[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.


Sinopse[editar | editar código-fonte]

Monstro reaparece vindo do sotão; parece que ele estava no antigo quarto de Mrs. Black. Harry está desconfiado; Monstro parece feliz e Harry o pega olhando para ele avidamente, diversas vezes. Sirius no entanto está começando a ficar deprimido porque a estadia do pessoal em Grimmauld Place está chegando ao fim.

O Professor Snape chega para avisar que Dumbledore deseja que Harry estude Oclumência, a arte de fechar a mente para evitar a intromissão de outra pessoa. Harry concorda mas depois descobre que é Snape quem vai ser o professor. Uma batalha verbal entre Sirius e Snape começa e cresce a ponto deles puxarem as varinhas, e Harry fica no meio tentando evitar um duelo. Por sorte, Mr. Weasley, a família Weasley inteira e Hermione entram. Mr. Weasley está completamente restabelecido e teve alta do St. Mungo Snape vai embora dizendo que espera Harry em seu escritório às dezoito horas na segunda feira. Harry discute as lições de Oclumência com Ron e Hermione. Hermione diz que elas vão impedir os pesadelos, embora Ron diga que preferiria os pesadelos.

Lupin e Tonks chegam no dia seguinte para acompanhar a todos de volta a Hogwarts. Antes de Harry ir embora, Sirius dá a ele um pacote, dizendo a Harry que pode usar para fazer contato com ele. Harry, particularmente, resolve nunca usá-lo, não querendo arriscar expor Sirius. Lupin chama o Nôitebus e eles são cumprimentados por Stan Shunpike. Chegando a Hogwarts, Lupin e Tonks vão embora separadamente.

O primeiro dia de Harry é desagradável, em parte porque ele teme sua lição de Oclumência com Snape e em parte porque os membros da AD ficam perguntando a ele sobre o próximo encontro. Quando Cho Chang comenta que o próximo fim de semana de Hogsmeade será em 14 de fevereiro, ele fica inicialmente confuso, depois, de repente entende e a convida para ir a Hogsmeade com ele no fim de semana do dia dos namorados. Cho feliz da vida, aceita.

Ainda não confiando em Snape, Harry começa sua primeira aula de Oclumência. Snape diz a Harry que Voldemort é muito hábil em Legilimência, que é a habilidade de ler os pensamentos e lembranças dos outros. Oclumência vai ajudar Harry a bloquear sua mente. Snape remove algumas de suas próprias lembranças e as deposita na Penseira de Dumbledore. Harry deve tentar e evitar que Snape penetre na sua mente, mas a primeira tentativa de Harry falha horrivelmente. No entanto, Harry reconhece o corredor com o qual ele tem sonhado tão frequentemente: fica dentro do Ministério da Magia, levando ao Departamento de Mistérios. Ele e Mr. Weasley passaram por ali correndo no último verão, indo para a sua audiência, e é o mesmo corredor onde Mr. Weasley foi atacado. Snape o dispensa, dizendo que volte na quarta feira. Assim que Harry sai, ele vê Snape recolocando as lembranças da Penseira dentro de sua cabeça.

Harry discute sua última descoberta com Ron e Hermione na biblioteca. Eles concluem que a arma que Dumbledore procura deve estar escondida no Departamento de Mistérios. Eles vão para a Sala Comunal, esperando que esteja silenciosa, mas Fred e George estão demonstrando sua última criação, Chapéus sem Cabeça, que fazem a cabeça de quem usa ficar invisivel. Harry desiste e vai para cama. Dentro do dormitório, Harry meio que desmaia e sente uma dor intensa, e escuta uma risada selvagem, quase insana. Quando retorna á consciência, sua cicatriz está queimando. Harry diz a Ron que viu os pensamentos de Voldemort outra vez, mas dessa vez ele não sentiu a raiva de Voldemort; o Lord das Trevas estava eufórico. Harry se pergunta se a Oclumência está enfraquecendo suas defesas ao invés de fortalecê-las, e fica imaginando o que fez Voldemort tão feliz.


Análise[editar | editar código-fonte]

A disputa entre Sirius e Snape nunca poderá ser resolvida; a raiva que eles têm, um do outro, está profundamente enraizada, embora eles saibam que precisam colocar de lado seus sentimentos pessoais pelo bem da Ordem. Infelizmente, essa rixa já existente, combinada com a animosidade e desconfiança que Harry sente por Snape, com certeza vai tornar as lições de Oclumência ainda mais desagradáveis. A confusão de Harry sobre o porque ele tem que estudar essa matéria só torna tudo mais dificil. Ele ainda está mais frustrado porque é Snape, ao invés de Dumbledore, quem vai ensinar. Embora o progresso de Harry seja lento, mais por causa de ter que estudar algo que não compreende bem, as lições provavelmente sem querer, resultam em que Harry vê as imagens mais claras. Harry reconhece o corredor como aquele que leva ao Departamento de Mistérios, dentro do Ministério da Magia, o levando a concluir que é lá que está a arma que Voldemort tanto procura.

O florescente relacionamento de Harry com Cho está progredindo devagar. Ela precisa dar uma pista sobre o dia dos namorados e isso mostra como Harry tem pouca noção de como funciona um romance. Ele, ao contrário de Ron, aprende depressa.

O comportamento de Monstro, no entanto, é altamente suspeito. Sua devoção pela família Black é quase um fanatismo, assim como seu ódio por Sirius, assim como por Harry, e qualquer um que ele considere um “traidor do sangue”. Ele fica observando Harry por um motivo, embora o por que seja desconhecido, mas é muito significativo. Embora ele seja limitado magicamente a servir apenas a Sirius e a proteger seus segredos, Monstro pode estar procurando uma brecha através da qual ele possa enviar alguma informação sobre Harry para Voldemort.

Snape removendo suas lembranças antes das lições com Harry é muito interessante. Ele obviamente teme que Harry possa observar alguma coisa, caso consiga penetrar em seus pensamentos. Que tipo de lembranças ele esconde não se sabe; pode ser algo que o incrimine ou apenas algo pessoal. Harry, notamos de passagem, identifica a Penseira como sendo a de Dumbledore, mas não sabemos se Snape também tem uma Penseira.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. O que é Oclumência? O que é Legilimência?
  2. Por que Snape manda Harry dizer que essas lições são para compensar Poções?
  3. Por que Snape e Sirius quase amaldiçoam um ao outro? O que os faz parar?
  4. Por que Harry não quer usar o presente de Sirius? Ele está certo ou está sendo cauteloso demais?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Dumbledore quer que Harry estude Oclumência? Por que Dumbledore não o ensina, ao invés de Snape?
  2. Por que Snape remove suas lembranças e as coloca na Penseira antes das aulas de Harry? Que lembranças poderão ser essas?
  3. Por que será que Voldemort está se sentindo eufórico?
  4. O que pode estar deixando Monstro feliz,e por que ele está observando Harry tão atento?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


Como foi mencionado antes, Monstro, de fato, manipulou Sirius quando recebeu a ordem de “Saia!” como se fosse permissão para que ele saísse da casa, e então foi visitar Narcissa Malfoy que é o único membro da família Black que resta, que ele ainda respeita. É bem possível que graças a Narcissa ou Lucius, prometendo que, com a ajuda de Monstro, eles eliminariam os “traidores do sangue e os sangue impuros” que agora ocupam a casa de sua mestra, Monstro tenha voltado cheio de alegria. Como isso seria feito, não se sabe, uma vez que o atentado mais recente para recuperar a Profecia falhou – usando Bode. Se o próximo atentado vai depender da informação que Monstro possa dar a Narcissa, não será preparado até que Rookwood, tenha escapado de Azkaban, e explique a Voldemort porque o primeiro plano falhou. Rookwood já escapou da prisão, mas ainda vai demorar alguns dias, enquanto ele, provavelmente, descubra o plano atual e se encha de coragem para se aproximar de Voldemort com notícias ruins. Veremos que pessoas trazendo más notícias para Voldemort, em geral nkkão sobrevivem à experiência.

Embora seja terrível que Harry tenha que passar mais tempo com Snape, um de seus maiores inimigos, para aprender Oclumência, isso faz sentido. Oclumência permite que a pessoa feche sua mente contra a penetração externa. Porque Voldemort é hábil na arte da Legilimencia, a arte de ler os pensamentos e sentimentos dos outros, ele também é muito bom em dizer se alguém está mentindo ou não. Embora os leitores devem prestar muita atenção á frase de Snape quando ele diz “O Lord das Trevas quase sempre sabe quando alguém está mentindo para ele.” Vamos ver num livro, mais adiante, que isso vem da experiencia pessoal de Snape.

A habilidade de Voldemort em Legilimência, aparentemente se extende também em sentir os pensamentos de Harry algumas vezes, quando ele está vulnerável, tipo quando ele está dormindo ou quase dormindo. Faz sentido que Snape seja aquele que vai ensinar para Harry a habilidade de fechar sua mente, considerando que já sabemos que Snape é um hábil Oclumens, sendo um agente duplo para Dumbledore muito bem sucedido. As evidências na história sugerem que Snape deve ser o segundo, atrás apenas de Dumbledore na habilidade da Oclumência.

Em algum lugar nesse livro, comentamos sobre Dumbledore permanecer distante de Harry. Nessa altura, Dumbledore já sabe que existe alguma ligação mental entre Harry e Voldemort, e está preocupado que Voldemort esteja planejando usar isso como uma arma, seja contra Harry ou contra si mesmo. Dumbledore também sabe perfeitamente da força da magia em Harry, e acredita que se ele ensinar Oclumência para Harry, o rapaz pode ganhar acesso à mente de Dumbledore enquanto estudam. De fato vamos ver que Harry consegue, em determinada altura, acessar as lembranças de Snape. Conhecendo a ligação entre entre Harry e Voldemort e achando que Harry possa ler seus pensamentos, Dumbledore sabiamente escolhe não ensinar a Harry, ele mesmo.

Em um de seus poucos erros, Dumbledore acredita que Snape pode por de lado sua raiva de James Potter, para poder ensinar a Harry. Acreditamos que Snape tentou, mas não conseguiu abandonar completamente seus sentimentos, e como resultado, suas aulas foram totalmente ineficazes. O episódio nos dá alguma informação sobre a vida de Harry antes de Hogwarts e nos permite ter uma visão da vida na casa de Snape também.

Bem mais tarde, nesse livro, quando Snape é chamado no momento da lição de Oclumência, a curiosidade de Harry faz com que ele bisbilhote as lembranças de Snape na Penseira. Elas revelam um acontecimento que muda por completo a percepção de Harry com relação a seu pai, James e a Sirius. Eles não eram apenas bagunceiros, como foi mencionado antes, mas, surpreendentemente eram valentões grosseiros.

A disputa entre Sirius e Snape começou quando eram estudantes em Hogwarts; Sirius, James, Peter e Lupin eram da Gryffindor e Snape estava na Slytherin. Sirius totalmente influenciado por James, era mais do que ameaçador, e pegou Snape, em particular para implicar. Snape claramente jamais o perdoou. A prisão de Sirius deve ter sido doce para Snape, e o fato de Dumbledore aceitar a inocencia de Sirius depois que ele escapou, deve ter sido irritante, especialmente depois que as chances de Snape de receber a Ordem de Merlim, se evaporaram depois da fuga de Sirius de Hogwarts.

Por duas vezes, nesse livro, Harry precisa falar com Sirius, invadindo o escritório de Umbridge para fazê-lo. Mais tarde vamos descobrir que o presente de Natal de Sirius era um espelho mágico que podia alcançar Sirius a qualquer momento. Esse espelho teria sido muito útil, mas Harry achava que usando ele estaria pondo Sirius em risco de ser preso, e portanto, deliberadamente ele o esquece. Alguém pode perguntar, nesse caso, porque o espelho apareceu na história? Acontece que uma bela trama, no livro final vai ser ligada a esse espelho. Esse pequeno detalhe mostra o planejamento e as tramas interconectadas que caracterizam o trabalho da autora nessa série.

A interação com Cho Chang nesse capitulo mostra como Harry está despreparado para um relacionamento romântico. Ele está tão envolvido em seus próprios problemas, que não percebe que Cho que tem outra coisa em mente. A visita a Hogsmeade, como já era esperado graças ao início, será uma completa decepção.

Como foi mencionado acima Rookwood foge de Azkaban no final desse capitulo, assim como vários outros Comensais da Morte. Notícias sobre a fuga em massa vão aparecer no Profeta Diário da manhã seguinte, e Harry e Ron, concluem que foi isso que fez Voldemort ficar tão feliz. A morte de Bode também vai aparecer no jornal, e embora Harry não diga nada no momento, é provavel que isso também tenha trazido uma certa felicidade para Voldemort.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • O presente de Sirius para Harry vai ficar embrulhado, intocado no malão até o final do ano. Desanimado com a morte de Sirius, Harry vai abrir o presente, para descobrir que ele um de um par de espelhos mágicos que Sirius pretendia que Harry usasse para conversar com ele. Aborrecido porque o espelho não servia para a Sirius depois da morte, Harry atira o espelho dentro do malão, onde ele quebra. Ele encontra um pedaço do espelho quando está limpando o malão no livro final. Ele guarda o fragmento como uma lembrança do que perdeu, diversas vezes vendo um olho azul, parecendo o Professor Dumbledore olhando através dele. Acontece que é o irmão de Dumbledore, Aberforth, que comprou o outro espelho de Mundungus Fletcher e, no livro final, admite ter usado o espelho para proteger Harry. Nesse último livro, há um momento que Harry pede ajuda através do espelho, e Aberforth vai mandar Dobby.