Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 23

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 23
Natal na Enfermaria Fechada[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.


Sinopse[editar | editar código-fonte]

Harry está consumido pelo medo de que Voldemort o esteja possuindo, ele se preocupa porque poderá atacar algum membro da Ordem da Fênix, e acha que Voldemort pode ver dentro do quartel general da Ordem. Para proteger a todos, Harry decide sair de Grimmauld Place e de Hogwarts, e voltar para a casa dos Dursleys. Assim que ele arrasta o malão, o quadro de Phineas Nigellus entrega uma mensagem de Dumbledore: “Fique onde está.” Desconcertado pela brevidade da mensagem, e exausto, Harry cai duro de sono e novamente sonha com a porta negra, tentando abri-la. A voz de Ron avisando do jantar o acorda.

Deprimido, confuso e convencido de que todos o estão evitando, Harry se isola. Preocupada, Hermione chega a Grimmauld Place, tira Harry do quarto de Bicuço e lhe dá uma bronca pelo seu comportamento. Ginny recorda a Harry, que ela sabe o que é ser possuída por Voldemort e descreve a experiência, finalmente convencendo Harry que ele não está possuído.

A alegria de Sirius porque todos juntos para os feriados de Natal parece contagiante, uma vez que todos ajudam a decorar a casa. Sirius e Lupin dão a Harry livros de feitiços e contra feitiços que serão úteis para usar na AD. Fred e George dizem a Ron e Harry para esperar um pouco antes de descer; Mrs. Weasley está banhada em lágrimas porque Percy devolveu seu presente de Natal sem abrir e sem um bilhete. Hermione fez de presente para Monstro uma colcha de tricô, dizendo que é para alegrar seu canto de dormir na cozinha. Debaixo de um velho aquecedor, Harry vê o que parece um ninho. Espalhados nos cantos estão objetos da família Black que foram jogados fora, inclusive um retrato de Bellatrix Lestrange. Ninguém viu Monstro desde que Harry e os outros chegaram. Um elfo doméstico está proibido de sair sem permissão, embora Harry lembre, que há três anos atrás, Dobby fez isso. Sirius fica meio desconcertado mas deixa passar.

Depois do almoço, a família mais Olho-Tonto Moody e Lupin vão visitar Mr. Weasley no St. Mungo. Quando Harry, Ron, Hermione e Ginny vão para a cafeteria, eles encontram Gilderoy Lockhart, que ainda sofre a séria perda de memória. A curandeira pensa que eles estão lá para ver Gilderoy. Enquanto estão nessa ala, eles reparam outro paciente, Broderick Bode, que recebeu uma planta num vaso como presente de Natal. Eles também encontram Neville e sua avó, que estão lá para visitar os pais de Neville, Frank e Alice, que, Harry sabe, foram parte da Ordem da Fênix. Ambos foram torturados até a insanidade com a Maldição Cruciatus pela prima Comensal da Morte de Sirius, Bellatrix Lestrange. Eles ficam hospitalizados permanentemente no St. Mungo. Neville fica envergonhado porque seus colegas ficaram sabendo sobre seus pais, e mais ainda quando sua mãe chega perto e lhe dá um papel de chicletes. Mrs. Longbottom diz que Neville deveria ficar orgulhoso de como seus pais se defenderam. Depois que Neville e sua avó vão embora, Harry admite que sabia sobre os Longbottoms, mas que Dumbledore pediu que ele não dissesse nada a ninguém.


Análise[editar | editar código-fonte]

O fato de Harry acreditar que está possuído por Voldemort, resulta em sua usual resposta quando passa por uma situação estressante: uma necessidade infantil de fugir. Dessa vez ele convence a si mesmo que é para proteger seus amigos. Harry também está zangado, especialmente com Dumbledore por ignorá-lo novamente. Acreditando que todos o estão evitando, ele se torna cada vez mais paranóico, até que Hermione lhe dá uma bronca pelo comportamento imaturo. Ginny, que já foi possuida por Voldemort, descreve sua experiência, e finalmente convence Harry de que ele é dono de sua mente. E embora Harry já esteja seguro de que não foi possuído, parece estranho que Dumbledore tenha dado tão poucas informações. E ainda assim, Dumbledore evitou que Harry saísse de Grimmauld Place, e fez isso de uma maneira tão brusca e distante que só aumentou a confusão e a raiva de Harry, fazendo com que ele se sentisse tratado como uma criança pequena outra vez.

A viagem até St. Mungo se mostra muito importante e sensata para Harry e mostra um passo significativo para sua maturidade. Embora ele tenha sofrido muito por seus pais, falecidos, ele ficou muito consciente que outros, como Neville, também sofreram terrivelmente sob o reinado de terror de Voldemort. Harry protegeu o segredo de Neville, como Dumbledore pediu, para respeitar a privacidade de Neville, mas saber sobre a família Longbottom não o preparou para vê-los em pessoa. Embora os Longbottoms ainda estejam vivos, somente agora Harry percebe que eles estão perdidos para Neville assim como seus pais estão para ele. Isso deve também ter servido como um aviso doloroso para os Weasley, como a família deles também é vulnerável, especialmente depois do quase fatal ataque ao seu pai. O afastamento de Percy Weasley também não ajuda em nada, e devolver à sua mãe o presente de Natal parece especialmente cruel.

Hermione, no entanto, continua sua luta pelos direitos dos elfos, e dá a Monstro um presente de Natal, embora seu gesto gentil provavelmente não tenha sido apreciado por ele. Seu espaço de dormir demonstra que ele permanece firmemente leal à família Black.

O leitor pode estar preocupado pensando por que parece que Monstro sumiu e o que ele poderá estar fazendo. Os leitores também podem achar que Sirius não está dando bastante atenção para essa situação. Apenas podemos acreditar que Monstro é uma lembrança extremamente incomoda da infãncia de Sirius, e Sirius simplesmente fica satisfeito em não encontrar com ele pela casa.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Harry teme estar sendo possuído? Quem o convence que não?
  2. Por que Harry sente que deve abandonar Hogwarts?
  3. O que Percy Weasley fez que deixou Mrs. Weasley tão aborrecida? Por que ele fez isso?
  4. O que aconteceu a Frank e Alice Longbottom?
  5. Por que Neville fica envergonhado quando encontra Harry e os Weasleys? O que sua avó diz?
  6. Por que Harry nunca contou a ninguém, nem mesmo a Neville, o que ele sabia sobre os Longbottoms?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Harry sem esperar, encontra Gilderoy Lockhart, Broderick Bode, Neville, sua avó e seus pais no hospital St. Mungo. Descreva brevemente o significado de cada pessoa para a história.
  2. Por que Monstro guardou os objetos da família Black que Sirius havia jogado fora?
  3. Por que Hermione deu a Monstro um presente de Natal? Qual foi a provavel reação dele?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


A falha de Dumbledore ao não explicar a Harry o que se passava, foi uma tentativa de evitar que Voldemort reconhecesse que o seu relacionamento com Harry era mais profundo do que aquele que tinha com os outros alunos. Dumbledore, agora, tem certeza de que existe alguma conexão mental entre Harry e Voldemort, e embora ele não saiba o que especificamente, ele está preocupado que possa ser usada para explorar as fraquezas de Harry. Exatamente nesse momento, uma das fraquezas de Harry está exacerbada por Phineas Nigellus e seu desdém por qualquer um que não seja um Black. Os comentários de Phineas sobre alunos ficarem em seus lugares e não questionarem o diretor, apenas faz Harry ficar mais irritado.

Monstro se aproveitou para visitar Narcissa Malfoy, o último membro da família Black que ele respeita. Monstro não tem respeito por Sirius ou outros ocupantes da casa, a quem ele é obrigado a servir, então o que ele fez foi interpretar o comando de Sirius “SAIA’, gritado quando Harry e os Weasleys chegaram a Grimmauld Place, como uma ordem para sair da casa. Nunca foi explicado por que ele não respondeu aos chamados de Sirius, depois; ele sem dúvida apareceu rapidamente quando Harry o chamou no último livro, até mesmo antes de pertencer a Harry. Outras vezes quem chamou Monstro foi Dumbledore, podemos imaginar que como não lealdade entre eles, deverá ter sido por outros métodos.

É verdade que Dobby deixou a casa de seus mestres (os Malfoys), para avisar a Harry sobre o próximo ano na escola, e ele aparentemente fez isso tantas vezes para convencer Harry a voltar para casa, mas teve uma razão importante para isso. Embora ele não tenha desobedecido ordens, provavelmente, mas é possível que tenha usado qualquer despedida como permissão para sair da casa, mais ou menos o que Monstro fez.

No St. Mungo, um quadro de um bruxo acredita que Ron tenha sarapintose. Ron responde que ele apenas tem sardas, o que nos leva a crer que isso é apenas uma doença fictícia. Acontece que mais tarde, livro seis, realmente será uma doença, contagiosa, mas por sorte muito rara, embora Ron não a tenha. Essa doença será uma trama menor no último livro.

Harry ainda não percebeu que Broderick Bode é um dos Inomináveis, um funcionário do Ministério que trabalha no Departamento de Mistérios. Ele vai reconhecer o nome quando a morte de Bode for mencionada no Profeta Diário. A continua inabilidade de Bode de falar é porque ele tocou na Profecia, enquanto ainda estava sob a Maldição Imperius, para tentar pegá-la para Voldemort. Vamos descobrir que, mesmo sob a Maldição, Bode foi difícil de controlar, aparentemente não querendo pegar a Profecia mesmo sob compulsão. Também será revelado que as esferas da Profecia são enfeitiçadas de modo que, qualquer pessoa a quem a esfera da Profecia não pertença, tocar na esfera, ficará sem poder falar. Foi isso que aconteceu com Bode, e é obvio que ele, e as outras pessoas que trabalham com as profecias conhecem esse feitiço, por isso era difícil forçá-lo a pegar a esfera. A planta no vaso que alguém mandou para Bode é na verdade o Visgo do Diabo, que mais tarde vai estrangulá-lo.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • A planta no vaso dada a Bode por pessoas desconhecidas e involuntáriamente deixada pelo curandeiro, é na verdade o Visgo do Diabo, que o Trio já encontrou e enfrentou no primeiro livro. Ela vai estrangular Bode até a morte.
  • Encontramos novamente Gilderoy Lockhart, que, embora tenha perdido sua memória no segundo livro, continua sendo o mesmo egocêntrico, caçador de holofotes que sempre foi. Sua maior ocupação, mesmo agora, é lidar com o correio de fãs.
  • Harry sabia dos pais de Neville, e nesse capítulo nós os encontramos pessoalmente. É porque nós os encontramos que entendemos o interesse de Neville no trabalho da AD e sua organização do movimento de resistencia de Hogwarts no último livro. Notamos que as notícias sobre a fuga de Bellatrix Lestrange de Azkaban, que aumentaram o esforço de Neville. Ela foi uma das torturadoras dos pais de Neville.
  • Foi a experiencia de Ginny ao ter sido possuída por Voldemort, no segundo livro, que convence Harry que ele não está possuído. A explicação para Harry viver os pensamentos de Voldemort só virá no livro final.
  • A doença Sarapintose, aqui foi usada como comedia, mas acontece que existe, mas é rara. Ela será usada como forma de esconder a ausência de Ron da casa da família no último livro.