Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 17

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 17
Decreto da Educação N° 24 [editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Na Sala Comunal na segunda feira, foi colocado um grande aviso anunciando o Decreto da Educação nº 24, colocando fora da lei todas as organizações estudantis não autorizadas. Todos os grupos existentes foram dissolvidos e devem pedir a aprovação da Professora Umbridge para voltar à ativa. Harry acha que alguém informou a Umbridge sobre o encontro deles. Ron sugere que foi Zacharias Smith ou Michael Corner, mas Hermione diz que o pergaminho que ela enfeitiçou secretamente e deu para todos assinarem revelará qualquer um dedo duro.

No café da manhã, Fred e George, Ginny, Neville e Dean se aproximam de Harry, que afirma que aulas de defesa estão de pé. Angelina Johnson, no entanto, está desiludida com o decreto banindo os times, e ela tem que pedir permissão para retomar o time da Gryffindor. Ela pede a Harry para não aborrecer a Umbridge novamente.

Durante a aula de História da Magia, Hedwig aparece na janela trazendo uma mensagem, mas sua asa está machucada. Harry leva a coruja até a Professora Grubbly-Plank na sala dos professores, que diz a ele que ela foi atacada mas será curada. A mensagem de Sirius é extremamente curta: “essa noite, na mesma hora, no mesmo local”. A Professora McGonagall que também estava na sala dos professores, recorda a Harry que todos os canais de comunicação podem estar sendo monitorados.

Antes da aula de Poções, Draco, faz um comentário grosseiro sobre pessoas com doenças mentais que vivem em St. Mungo. Neville furioso, parte para cima dele, mas é seguro por Harry e Ron. Snape chega e vendo a confusão, penaliza, na mesma hora a Gryffindor em dez pontos. Harry, mantendo a promessa a Dumbledore, nada diz a Ron sobre os pais de Neville terem sido torturados pelos Comensais da Morte até a insanidade.

A Professora Umbridge está presente e tomando notas. Em resposta à pergunta dela, Snape diz que tentou diversas vezes ocupar o cargo de professor de DCAT, e sempre foi recusado. Umbridge pergunta por que, e Snape sugere que ela pergunte a Dumbledore. Se esticando todo para ouvir a conversa de Umbridge com Snape, faz com que Harry estrague sua poção.

Angelina avisa que não vai ter treino de Quadribol, porque ela ainda está esperando permissão para refazer o time, embora outras Casas já tenham sido aprovadas. Bem mais tarde, à noite, a cabeça de Sirius aparece na lareira da Sala Comunal. Ele soube do grupo de magia defensiva de Harry através de Mundungus Fletcher, que estava no Cabeça de Javali durante a reunião, disfarçado como uma bruxa cheia de véus. Sirius passa para Harry o recado de Mrs. Weasley, que Ron está proibido de se envolver nisso, e o conselho para que Harry e Hermione parem com isso também. Porém, de sua parte, Sirius encoraja que eles prossigam. Sirius desaparece quando uma mão surge de repente dentro do fogo, agarrando onde estava sua cabeça. Harry, Ron e Hermione correm; olhando para trás, Harry reconhece a mão na lareira como sendo da Umbridge.

Análise[editar | editar código-fonte]

Umbridge, com toda a certeza, tem muitos meios de obter informações. E ela, entusiasticamente, passa por cima de tudo, criando novas regras e regulamentos (isto é, banindo todas as organizações para evitar que os alunos do grupo de DCAT se encontrem) para cimentar sua sempre crescente autoridade. Ao invés de desencorajar Harry, que estava cada vez mais deprimido com a ausência de Hagrid, sem Quadribol, e apenas uma comunicação esporádica com Sirius, ele fica mais determinado para começar as aulas de artes defensivas e combater o reinado ditatorial da Umbridge.

Umbridge se tornou um símbolo tirânico da opressão, que Harry e os outros alunos se rebelam contra, ajudando com isso a unir as Casas conforme o Chapéu pediu, e Dumbledore tinha enfatizado no ano anterior. Não é nenhum pouco surpreendente que apenas a Casa Slytherin esteja faltando; já vimos como Umbridge está sempre predisposta a favorecê-los, resultando em que a Slytherin esteja bem menos oprimida do que as outras Casas e professores. A opressão faz com que muitos estudantes corram para apoiar Harry, embora muitos continuem na dúvida se Harry de fato, viu a ressurreição de Voldemort.

Harry agora sabe que a Rede do Flu está sob vigilância do Ministério da Magia. Ele vai precisar de achar outro meio para se comunicar com seu padrinho. Não se sabe se foi Umbridge ou não que interceptou Hedwig, apenas que ela ficou machucada quando algo a pegou. Embora seja uma conclusão segura de que Umbridge provavelmente estava envolvida. Se a Rede do Flu está monitorada, como evidentemente está, as pequenas informações que Hedwig estava trazendo não revelariam o local do encontro, nem de Sirius: “Hoje a noite, mesma hora, mesmo lugar”. Na verdade nem mesmo revelariam que era Black que Harry iria encontrar, a menos que o monitoramento tenha começado antes da visita anterior de Sirius, no primeiro fim de semana do ano, a menos que o Ministério soubesse que Sirius lé um Animago e que forma ele assume. Isso é até possível: Rabicho provavelmente informou a Lucius Malfoy que Sirius é um Animago e que assume a forma de um grande cão negro; Malfoy aparentemente avisou ao Ministério da presença de Sirius em Londres. Embora não haja um registro oficial de Black como Animago, ele não foi registrado. No entanto, até a menor informação na mensagem pode alertar Umbridge, de que Harry está encontrando uma pessoa desconhecida, o que causaria um aumento da vigilância no possíveis meios de comunicação. O fato de estar marcado “hoje a noite” também vai diminuir o espaço físico, uma vez que os alunos estão proibidos de deixar a escola ou seus terrenos sem permissão, especialmente à noite. Portanto Umbridge pode ter aumentado a vigilância da Rede do Flu por ser uma poucas formas de contato.

Snape conta a Umbridge que leciona em Hogwarts há quatorze anos. Como Harry agora tem quinze anos, Snape deve ter começado a lecionar em setembro do ano em que Harry fez um ano, e deveria estar lecionando há apenas dois meses quando os pais de Harry foram mortos e Voldemort a principio desapareceu. Essa indicação de tempo pode ser importante nos próximos livros.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Umbridge dissolveu todos os grupos e organizações de alunos? O que Harry decidiu fazer?
  2. Por que Neville atacou Malfoy na aula de Poções? O que Harry sabe a respeito?
  3. Quem ou o que pode ter causado o machucado na asa de Hedwig?
  4. Como Sirius soube sobre a o grupo secreto de magia defensiva de Harry?
  5. Como Umbridge poderia localizar Sirius?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que a Slytherin obteve permissão para recomeçar com o time de Quadribol quando a Gryffindor não teve?
  2. Por que Harry ignorou o aviso de McGonagall sobre o fato de tanto a Rede do Flu como outros métodos de comunicação estarem sendo monitorados? O quanto isso é arriscado?
  3. Harry suspeitou que, tanto Snape quanto Umbridge são Comensais da Morte. O que a interação entre eles apoia ou não essa crença?
  4. Como Hermione pode ter tanta certeza de que ninguém no grupo de magia defensiva deu a dica para Umbridge sobre seu encontro? Ela tem razão?
  5. Por que Molly Weasley é contra o grupo de magia defensiva, enquanto Sirius o apoia?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


Embora Ron suspeite imediatamente de que um dos alunos revelou seu encontro, Hermione está certa de que ninguém o fez, por causa do feitiço no pergaminho; no entanto, Ron e Harry, e talvez, o leitor pensem que Hermione pode ter errado no feitiço. Ron culpa imediatamente Michael Corner como o candidato mais certo, o que é muito sem lógica; o leitor verá que, evidentemente Ron foi influenciado pelo agora revelado interesse de Corner em Ginny, e fora isso também existe a sugestão de ter sido Zacharias Smith quem vazou a informação. Nessa altura, o aluno que talvez tenha revelado a existencia do grupo permanece escondido.


O fato de Sirius saber sobre o grupo de defesa, sem Harry ou os outros terem contado, pode levantar suspeitas de que mais de um bisbilhoteiro estava no Cabeça de Javali. Vamos descobrir que Willy Widdershins estava entre os fregueses do Cabeça de Javali, e embora não tenha sido sua intenção bisbilhotar, ele foi bem rápido em usar essa informação para barganhar com o Ministério da Magia.Widdershins foi acusado de fazer as privadas dos Trouxas vomitarem, e vamos descobrir mais tarde, que ele vendeu a informação para o Ministério, possivelmente se comunicando diretamente com Umbridge, em troca de pena reduzida ou mesmo de que retirassem a acusação.

Umbridge mais tarde revela para Harry que todas as lareiras da escola, menos a dela estão sendo monitoradas. É provavel que esse monitoramento foi que detectou a comunicação de Sirius com Harry, ao invés de a mensagem que Hedwig estava carregando. O fato de Umbridge ter as lareiras monitoradas pode indicar que há uma ligação mais profunda dela com o Ministério, do que suspeitavamos.

O fato das lareiras estarem sendo monitoradas, além da necessidade de Harry de falar com Sirius, vai fazer com que o rapaz precise invadir o escritório da Umbridge mais tarde. Ele vai precisar fazer isso em duas ocasiões: sua primeira tentativa vai ser bem sucedida, a segunda termina com ele sendo pego por Umbridge. Deve ter sido essa a intenção dela, ao falar com Harry sobre as lareiras, sabendo que ele não iria resistir em usar a lareira da sala dela para fazer contato com Sirius, ou talvez com Dumbledore, que nessa altura era um fugitivo.

Como foi mencionado na seção de Análise acima, as tentativas constantes de Umbridge de subjugar a escola, podem ser a maior razão para o sentimento anti-Umbridge dentro de Hogwarts. Nesse capitulo vemos as primeiras tentativas de Umbridge de cimentar seus poderes, os aumentando unilateralmente, o resultado e praticamente uma revolta imediata. Os leitores mais velhos talvez já tenham experimentado um tipo de opressão que aumenta gradualmente, resultando numa revolta crescente, mas os leitores mais jovens essa pode ser a primeira exposição a esse tipo de comportamento. Para crédito da autora, ela conseguiu retratar essa sequencia familiar de acontecimentos, nesse e nos próximos capitulos, de modo muito convincente, sem perder o interesse dos leitores mais velhos.

Como foi mencionado acima, Snape deve ter começado a lecionar em Hogwarts em setembro do ano em que Harry fez um ano, e deveria estar no emprego há apenas dois meses quando os pais de Harry morreram e Voldemort desapareceu. As revelações no último livro sugerem fortemente que Snape descobriu o plano de Voldemort para matar Harry e seus pais um pouco depois disso, e depois se tornou um agente duplo, trabalhando para Dumbledore. Foi mais ou menos na mesma época que Snape se tornou o Mestre das Poções de Hogwarts, provavelmente parte de “alguma coisa” que Dumbledore exigiu dele.


Conexões[editar | editar código-fonte]

  • As vomitilhas criadas pelos gêmeos, serão usadas pelo Trio para, no último livro, incapacitar os empregados do Ministério. Harry, Ron e Hermione então, usam as identidades desses empregados para entrarem no Ministério.
  • Harry descobriu sobre o destino dos pais de Neville no livro anterior, e, mais tarde, nesse livro vai encontrá-los em pessoa. O fato de Neville ter tentado agredir Draco nesse livro, é desnecessário para a história, mas adiciona grande coerência para a situação.