Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 15

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 15
A Alta Inquisidora de Hogwarts [editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte o Profeta Diário reporta que o Ministério da Magia escolheu Dolores Umbridge como “Alta Inquisidora” de Hogwarts. Ela, aparentemente, pretende avaliar todos os professores e as aulas. Durante o almoço, Fred e George contam para Harry que, enquanto Umbridge inspecionava a aula deles de Feitiços, o Professor Flitwick simplesmente a ignorou. Em Adivinhação, Harry encontra Umbridge lá, com uma prancheta nas mãos. A Professora Trelawney, nervosa, vai dando a aula enquanto Umbridge toma notas. Ela pede que Trelawney faça algumas previsões, e aparentemente, não acredita no que ouve.

Durante a aula de DCAT, Umbridge afirma que o Professor Quirrell foi o único a receber a aprovação do Ministério. Harry responde que Voldemort estava agarrado na cabeça dele, conseguindo outra semana de detenção. Na manhã seguinte, Angelina Johnson reclama com Harry por conseguir mais detenções. A Professora McGonagall também penaliza Harry com cinco pontos para a Casa por provocar Umbridge, a despeito de seu aviso anterior.

Em Transfiguração, a Professora McGonagall ignora Umbridge rudemente. Umbridge, no entanto, fica encantada com a aula da Professora Grubbly-Plank de Trato das Criaturas Mágicas. Claramente Umbridge prefere que essa aula seja dada pela Grubbly-Plank, que está substituindo Hagrid. Harry fica irado quando Draco menciona ter sido machucado por um Hipogrifo durante uma aula de Hagrid, ganhando mais um dia de detenção.

Quando Harry retorna da última noite de detenção, Hermione diz que ela também não aguenta mais as aulas ineficientes da Umbridge, e sugere que Harry ensine DCAT aos alunos. Harry primeiro fica surpreso, depois relutante, sentindo que não está preparado, mas Hermione e Ron afirmam que ele tem muito conhecimento e poderia ensinar aos outros. Harry acha que ele apenas teve sorte, e ajuda de outras pessoas. Hermione insiste que ele é o único que sabe o que é enfrentar Voldemort. Harry resmunga mas concorda, e diz que vai pensar, depois vai para a cama, novamente sonhando com longos corredores e portas trancadas.


Análise[editar | editar código-fonte]

O novo poder da Umbridge permite que ela, indiscriminadamente, imponha sua vontade em Hogwarts. Avaliando professores muito mais competentes do que ela própria, mostra que talvez ela tenha algum outro motivo, possivelmente para eliminar qualquer um que ela considere “indigno” de ensinar em Hogwarts, especialmente “não humanos”, não importando sua capacidade. Embora ela tenha, cuidadosamente feito seu alvo a humana Professora Trelawney, e provavelmente a Professora McGonagall, que a despreza e, claramente se opõe a ela. Parece que a única professora que Umbridge considera digna é a Professora Grubbly-Plank, uma professora competente que está substituindo Hagrid, embora o entusiasmo da Umbridge se deva menos às habilidades de Grubbly-Plank do que procurar um motivo para tirar Hagrid como professor.

Sabemos que tanto em Hogwarts como em qualquer escola comum, os professores têm o currículo cheio. Então, como Umbridge consegue dar todas as suas aulas e ainda avaliar cada um dos professores? A menos que ela esteja usando um Vira Tempo, não há horas suficientes no dia para fazer o que está fazendo.

Essa será a única vez em que vamos, remotamente simpatizar com a condenável Umbridge, quando suas ações expressam sua crença de que Adivinhação é puro absurdo; ela não está apenas culpando as duvidosas habilidades de adivinhação de Trelawney. Harry, é claro, partilha essa opinião, e provavelmente acha que deveria ter largado o curso com Hermione.

Harry, no entanto, continua a provocar Umbridge, teimosamente desconsiderando os avisos de McGonagall. Ele também está infeliz novamente com o que sua fama e façanhas lhe trouxeram, quando Hermione e Ron ficam exigindo que ele, secretamente ensine Magia Defensiva. Embora Harry ache que lhe faltam as habilidades necessárias, Ron enumera as coisas que Harry já fez, e é uma lista impressionante. Mas Harry tenta negar cada ponto, afirmando que foi apenas sorte ou ajuda de outras pessoas, ao invés de algo que lhe é inato. A relutância de Harry com relação a ensinar os outros, pode ocorrer por causa de uma série de fatores, como falta de confiança em si mesmo ou a crença de não ser qualificado. Também, sendo um aluno um tanto preguiçoso, ele terá que fazer trabalho extra para preparar as aulas. No entanto, ele sempre se destacou nessa matéria e suas habilidades são mais avançadas que as da maioria dos alunos. Ele também tem experiencia prática, tendo lutado contra Voldemort. Ainda existe a necessidade sempre presente de “ir sozinho”, no entanto, pelo fato de organizar e ensinar outros alunos, ele essencialmente se torna seu líder na luta contra Umbridge e também Voldemort, assim sendo, por obrigação, ele fica ligado ao grupo.

Esse capítulo apresenta um novo e interessante desenvolvimento do personagem Hermione. Ela foi apresentada nos primeiros livros como insegura, seguidora das regras com necessidade de agradar, mais ou menos como Percy Weasley, Hermione agora está nos mostrando uma vontade de estar ao lado do que é justo, mesmo que isso inclua algum risco e desonestidade. Ela também mostra ter, ao contrário de Harry e Ron, uma consciência politica e social muito madura. Tanto Harry quanto Ron reconhecem que Umbridge está sufocando os alunos, mas nenhum dos dois, mostrou presença de espírito para sugerir um movimento organizado como antídoto.

Os leitores podem observar aí um buraco no enredo. Presumivelmente, os alunos do sexto e particularmente do sétimo ano devem estar muito mais bem treinados na magia defensiva no momento, e deverão ser capazes de usar muitos dos mesmos feitiços e maldições que Harry aprendeu sozinho prematuramente. O próprio Harry vai comentar que Cedric Diggory, que era um aluno mais velho, já sabia a maioria do que ele está ensinando. A única coisa em que Harry tem experiencia, e provavelmente é o motivo para os alunos do sétimo ano como Fred e George estarem interessados na aula de Harry, é o verdadeiro combate com os Comensais da Morte ou Voldemort.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Hermione, que sempre segue as regras, quer que Harry ensine secretamente magia defensiva?
  2. Por que Harry está relutante sobre ensinar Artes de Defesa para outros alunos?
  3. Por que o Ministério da Magia escolheu um Alto Inquisidor para Hogwarts?
  4. Por que Umbridge está avaliando professores e suas aulas? Qual é a reação dos professores a ela?
  5. Por que Malfoy conta para Umbridge que ele já foi atacado por um Hipogrifo? Qual foi a reação de Harry e por que?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Umbridge gosta, especialmente da Professora Grubbly-Plank, a professora substituta das aulas de Trato das Criaturas Mágicas? È porque Grubbly-Plank é uma grande professora, ou existe outra razão?
  2. Por que Harry continua provocando Umbridge, sabendo as consequencias e a despeito do aviso sério de McGonagall?
  3. É uma boa idéia para Harry dar essas aulas de DCAT? Quais seriam as consequencias negativas? No geral, é a insistencia de Hermione ou a dúvida de Harry a posição mais sábia?


Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.


Embora Trelawney não seja uma professora excepcional (ao contrário), ela pode ser o alvo de Umbridge por outros motivos. Trelawney está ligada à Profecia que une Harry e Voldemort. Pode ser que ela saiba algo sobre isso, uma vez que existe uma cópia guardada no Departamento de Mistérios no Ministério da Magia. Não podemos saber se Umbridge sabe do conteúdo da Profecia, mas imaginamos que Fudge o Ministro da Magia, sabe. A Profecia, é claro, é um dos fatores que apoiam a afirmação de Harry e Dumbledore, que Voldemort voltou, e portanto Fudge, pode querer eliminar a Profecia para desacreditar Harry e Dumbledore. Suspeitamos que Umbridge tenha sido instruída para eliminar a fonte da Profecia, demitindo Trelawney e a mandando embora do castelo; quando o próprio profeta é desacreditado, é mais fácil desacreditar a profecia. Dumbledore sabe que Trelawney é vulnerável, e a despeito de seus pobres talentos, a empregou como professora de Adivinhação para protegê-la e à Profecia. Se ela estivesse fora dos muros protetores de Hogwarts, é bem provavel que Voldemort a capturasse e usasse de qualquer meio para extrair a Profecia da memória dela antes de matá-la.

Enquanto Hermione faz parecer que apenas ela e Ron estão interessados em que Harry ensine Defesa, ela vai mencionar mais tarde, para muitos outros alunos, e a história logo vai se espalhar entre as Casas. Como resultado e até para o medo de Harry, a idéia “se provou muito popular” nas palavras de Hermione, e por volta de 28 alunos irão ao Cabeça de Javali para o primeiro encontro. Esse grupo, originalmente chamado de Sociedade de Defesa, será renomeado como Armada de Dumbledore em seu primeiro real encontro. A despeito de sua dúvida inicial em ensinar DCAT, Harry se mostrará um instrutor excelente e estimulante e as aulas o ajudam a aprender a se apoiar e confiar nos outros. Ensinar se torna algo que ele de fato gosta.


Harry constantemente insiste em que fez menos do que as pessoas dizem que ele fez, uma crença que não é totalmente compreendida por Ron até o sétimo livro. Nesse último livro, Harry fala como Ron salvou a vida dele e usou a Espada de Gryffindor para destruir um dos Horcruxes de Voldemort. Ron diz que Harry faz parecer mais impressionante do que de fato foi, é quando Harry responde que isso é o que ele, Harry, diz sobre si mesmo durante anos. Não importa se foi sorte ou não, ou outras pessoas que o ajudaram, Harry ganhou habilidades consideráveis e conhecimento durante essas experiencias, e é dessa forma que ele aprende melhor.

Os sonhos de Harry com corredores e portas trancadas são realmente os mais profundos desejos de Voldemort, que ocorrem através de um link telepático entre ele e Harry. Voldemort ainda não sabe que esse link existe ou que Harry vê o que ele está pensando. Isso vai mudar perto do Natal quando Harry vê um ataque em Arthur Weasley através dos olhos de Voldemort.

Algum tempo depois desse evento, os sonhos de Harry se tornam mais nítidos e mais direcionados. No final do livro, vamos saber que, no momento em que Voldemort descobriu a existencia do link, as visões estão sendo deliberadamente dirigidas à mente de Harry. Um ciclo interessante começa aqui. Hermione recomenda Essencia de Murtisco para acalmar a dor da mão machucada de Harry em sua última noite de detenção. Quando Lee Jordan mais tarde recebe detenção da Umbridge, Harry sugere Essencia de Murtisco para acalmar a dor. Lee, aparentemente sugere Essencia de Murtisco para Fred e George quando eles mencionam o efeito colateral de algo do kit mata-aulas. O Murtisco cura as bolhas que aparecem numa parte privada anatomica, quando o kit é usado. Assim, Hermione está indiretamente ajudando os gêmeos com outro de seus produtos, o que iria deixá-la furiosa se soubesse.


Conexões[editar | editar código-fonte]

Muito pouco nesse capítulo se liga a eventos específicos em outros livros. A Essencia de Murtisco, ou tentáculo de Murtisco, mencionado acima, só aparece nesse livro.