Guia dos Trouxas para Harry Potter/Livros/A Ordem da Fênix/Capítulo 12

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Capítulo 12
A Professora Umbridge[editar | editar código-fonte]

spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso: Seguem detalhes do enredo.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A manhã seguinte começa quase tão frustrante quanto a noite anterior. Seamus deixa o dormitório tão rápido possível sem falar com Harry. Na Sala Comunal, Hermione diz que Lavender Brown também duvida da história de Harry.

No café da manhã, ainda não há sinal de Hagrid. Hermione sugerre que o Professor Dumbledore não disse nada, para evitar chamar atenção para a ausência de Hagrid. Harry é parado por Angelina Johnson, que se tornou capitã do time. Com a saída de Oliver Wood, eles precisam de um novo goleiro, e vão fazer experiências nas sextas. Angelina quer todo mundo lá. ]

A Professora McGonagall distribui os horários das aulas, que parecem especialmente cansativas esse ano. Fred e George oferecem seu kit mata-aulas com desconto, depois discutem seu pouco interesse pela escola. George comenta que eles consideraram não voltar a Hogwarts, e dizem que vão passar esse último ano fazendo pesquisa de mercado para sua loja de logros. George comenta que eles já tem dinheiro, e Harry fica aliviado quando os gêmeos mudam de assunto e não comentam de onde veio o dinheiro.

Durante uma pausa nas aulas da manhã, o Trio encontra Cho Chang. Ela aparentemente quer falar com Harry, mas fala mal do time de Quadribol preferido dela, fazendo ela ir embora, e ganhando um olhar crítico de Hermione.

O astral de Harry que já estava ruim, piorou, por perder a chance de falar com Cho, e por seus amigos estarem discutindo, quando vão para as masmorras de Snape para a aula de Poções. Snape dá aos alunos uma poção especialmente difícil. Quando Harry perde parte das instruções, Snape o detem e usa a magia Evanesco, para sumir com a mistura inteira de Harry, e ele perde os pontos da aula toda. Por sorte a aula seguinte era Adivinhação, completamente rotineira.

Na aula da Professora Umbridge, os alunos foram avisados para por de lado suas varinhas e tomar notas. A Professora Umbridge anuncia que eles vão ter um curso aprovado pelo Ministério, de magia defensiva. Depois de dar os parâmetros do curso, ela manda a turma ler o primeiro capitulo do livro de texto, mas Hermione fica sentada, desafiadora, até que a Professora Umbridge é obrigada a chamá-la. Hermione comenta que não há nada no curso sobre o uso de feitiços defensivos, ao que Umbridge responde “não consigo imaginar uma situação que possa surgir nessa sala de aula que exija o uso de um feitiço defensivo.” Ao invés disso, os alunos estudarão a teoria e usarão os feitiços apenas nas provas, na primavera.

Aí começa uma discussão acalorada sobre a necessidade de aprender a “prática” de DCAT, quando a Professora Umbridge responde às afirmações de Harry de que Voldemort retornou, dizendo que é mentira. Harry reage furioso, contando à turma que Cedric foi assassinadp, e não morto acidentalmente como Umbridge afirmou. Harry é enviado à sala da Professora McGonagall, com um bilhete detalhando que ele terá uma semana de detenções. Embora McGonagall pareça, secretamente aprovar as ações de Harry, ela muito séria avisa ao rapaz para ter cuidado com Dolores Umbridge --- o Ministério da Magia está interferindo em Hogwarts.


Análise[editar | editar código-fonte]

Fica imediatamente claro que, Dolores Umbridge está em Hogwarts por motivos que não são dar aulas de DCAT. Que ela foi pessoalmente aprovada pelo Ministério, e isso indica fortemente, que ela está ali para representar os interesses do Ministério, assim como para agir como espiã de Fudge.

Embora não haja indicação de que ela ou Fudge sejam Comensais da Morte, ou mesmo simpatizantes de Voldemort, com certeza eles partilham uma crença paranóica de que Dumbledore pode estar formulando um plano sinistro, uma trama anti-Ministério. Com certeza parece que o trabalho dela é evitar que os alunos aprendam magia defensiva, embora ela possa ter sua própria agenda com relação a Hogwarts. Ela e Harry batem de frente imediatamente, com relação a como a matéria deve ser ensinada e a afirmação do Ministério de que a morte de Cedric Diggory foi “um trágico acidente”. As explicações de Umbridge com relação a Diggory são ridículas, mas demonstram como o Ministério vai longe para desacreditar Harry e Dumbledore e proteger o Ministério.

No livro três já vimos como a Professora McGonagall procura de todas as formas evitar criticar outro professor, mesmo quando ela acredita que a matéria ensinada é totalmente ridícula. Nesse capitulo, o leitor pode perceber que ela evita comentar, embora nesse caso, ela pareça se preocupar com as motivações de Umbridge e não com as suas habilidades de ensinar ou o currículo do curso. Essa é uma visão interessante no caráter da McGonagall, e uma indicação de como a autora preparou o personagem cuidadosamente. A Professora McGonagall, desde a primeira vez em que apareceu, no primeiro capitulo do primeiro livro, foi descrita como severa, séria, mas, em geral uma educadora mais velha e justa. Sabemos pelas suas próprias ações, que ela procura não criticar, mesmo os professores mais fracos, mostrando algo como os professores unidos, para minimizar o tempo perdido para manter a ordem. Mas aqui, vemos que ela está mais delicada, com Harry, em especial, e ainda que não critique ou ataque Umbridge, ela dá a Harry o conselho para se defender dela.

Embora esse seja o último ano de Fred e George, há pouco para eles aprenderem. Apesar das fracas realizações academicas, eles são bruxos muito poderosos, talentosos e engenhosos, que assim como Harry, aprendem mais de forma independente, em um ambiente não estruturado e em coisas de seu próprio interesse. Ainda que esse seja o último ano de Fred e George, os leitores devem recordar que Harry doou tudo o que ganhou no Torneio Tribruxo, para eles começarem seu próprio negócio, e os gêmeos tem estado trabalhando nisso. Agora eles têm o dinheiro necessário, desenvolveram e criaram produtos; agora basta esperar o tempo da escola terminar, e eles poderão abrir sua própria loja no Beco Diagonal.

Uns poucos acontecimentos ainda ocorrem nesse capítulo. Harry se preocupa com a ausência de Hagrid, e novamente fica imaginando que tipo de missão Dumbledore atribuiu a ele e a Madame Maxime.

A raiva de Snape por Harry fica cada vez mais evidente. É especialmente interessante que as instruções escritas que Harry perde, parecem deliberadamente confusas. Também observamos o modo horrível da Umbridge ensinar, seu currículo sem interesse, e seu ódio particular por Harry e Hermione. E agora Cho, que quer falar com Harry, mas é tão mal recebida pelos amigos de Harry, como Harry foi pelas amigas cheias de risadinhas que rodeavam Cho sempre que Harry tentava convidá-la no ano anterior.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

Revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Por que Hermione acha que o Professor Dumbledore quer evitar chamar atenção para a ausência de Hagrid?
  2. Como se pode comparar o curso “Aprovado pelo Ministério” de DCAT, às classes que eram ensinadas antes? Por que isso mudou?
  3. Por que o Ministério afirma que a morte de Cedric Diggory foi “um acidente”?


Estudos Adicionais[editar | editar código-fonte]

  1. Por que o Ministério da Magia está evitando que os alunos aprendam magia defensiva? Isso é verdade?
  2. Harry deveria ter falado alto na sala de aulas? Como ele poderia ter lidado com a situação?
  3. O que a Professora McGonagall quis dizer quando ela pergunta a Harry, “Você realmente acha que isso é sobre verdade e mentiras? Isso é sobre você manter a cabeça baixa e controlar seu temperamento!”
  4. Por que Harry ignora o conselho de McGonagall e o que resulta disso? O que Harry deveria ter feito?

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Tanto Fudge quanto Umbridge acreditam que Dumbledore está usando os alunos para construir um exército secreto dos bruxos, para tomar o Ministério da Magia. Infelizmente no momento, Harry não consegue e não quer aceitar o conselho da McGonagall e permanecer quieto, pelo contrário, ele provoca Umbridge, ganhando detenção e dando a ela, motivos para impor regras mais duras em Hogwarts. Harry, no entanto, ainda não descobriu como vai ser dura sua punição e como Umbridge é diabólica.

Devemos mencionar que a insatisfação com as aulas da Umbridge está se espalhando. Hermione mais tarde vai sugerir que Harry secretamente ensine um curso de DCAT mais prático; embora Harry, relutantemente concorde e esteja esperando muito poucos alunos, o resultado do curso, para a surpresa inicial de Harry e seu total espanto foi incrível. Ele atrai por volta de vinte e cinco ou mais alunos. Essa organização chamada de Armada de Dumbledore se tornou uma rebelião contra Umbridge, e por extensão ao desejo do Ministério.

Embora vejamos Umbridge apenas nas aulas de Harry, e logo vamos ver que ela também dá aulas de DCAT em outras classes. Fred e George no sétimo ano, aparentemente têm aulas com ela, e mais tarde, seu colega Lee Jordan cria confusão na aula dela e fica de detenção. Isso também nos permite algumas especulações sobre quais os cursos que Fred e George fazem e como conseguem notas decentes nos N.I.E.M.s.


Conexões[editar | editar código-fonte]

Há poucas conexões específicas com outros livros nesse capitulo. Vemos o medo constante, e os ataques resultantes a Dumbledore por parte do Ministério; vemos Snape continuando a maltratar Harry; ficamos sabendo que os gêmeos estão desenvolvendo sua loja de logros; Voldemort, ou pelo menos, seu nome, aparece; e o Quadribol é visto novamente. Mas essas são histórias que serão desenvolvidas ainda e não acontecimentos específicos que podem ser ligados a outros pontos da série.