Saltar para o conteúdo

Guia do Linux/Iniciante+Intermediário/Discos e Partições/Partição EXT3 (Linux Native)

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.

Partição EXT3 (Linux Native)[editar | editar código-fonte]

O sistema de arquivos ext3 faz parte da nova geração extended file system do Linux, sendo que seu maior benefí­cio é o suporte a journaling.

O uso deste sistema de arquivos comparado ao ext2, na maioria dos casos, melhora o desempenho do sistema de arquivos através da gravação sequencial dos dados na área de metadados e acesso mhash a sua árvore de diretórios.

A estrutura da partição ext3 é semelhante a ext2, o journaling é feito em um arquivo chamado .journal que fica oculto pelo código ext3 na partição (desta forma ele não poderá ser apagado, comprometendo o funcionamento do sistema). A estrutura idêntica da partição ext3 com a ext2 torna mais fácil a manutenção do sistema, já que todas as ferramentas para recuperação ext2 funcionarão sem problemas.

Criando um sistema de arquivos EXT3 em uma partição[editar | editar código-fonte]

Para criar uma partição ext3, utilize o comando mkfs.ext3 ou o mkfs.ext2 junto com a opção -j. As opções usadas pelo mkfs.ext3 são idênticas a do mkfs.ext2 (documentado em [#s-disc-ext2-criando-p Criando um sistema de arquivos EXT2 em uma partição, Seção 5.3.1]). A única vantagem desta ferramenta comparada ao mkfs.ext2 é que a opção -j é automaticamente adicionada a linha de comando para criar um sistema de arquivos com journal. Se você é daqueles que querem ter um controle maior sobre o tamanho do arquivo de journal, use a opção -J [tam] (onde tamanho é o tamanho em Megabytes).

Quando uma partição ext3 é criada, o arquivo .journal é criado no raí­z da partição, sendo usado para gravar os metadados das transações de journaling. A estrutura da partição ext2 não difere em nada da ext3, a não ser este arquivo e a opção "has_journal" que é passada a partição.

Por exemplo, para criar uma partição ext3 em /dev/hda1:


      mkfs.ext3 /dev/hda1

     ou

      mkfs.ext2 -j /dev/hda1

Basta agora montar a partição com o comando mount /dev/hda1 /teste -t ext3 (para montar a partição em /teste. Após isto, modifique o /etc/fstab para montar a partição como ext3 quando o Linux for iniciado. Para mais detalhes veja [#s-disc-montagem Montando (acessando) uma partição de disco, Seção 5.13]. ). Caso o suporte a ext3 tenha sido compilado no kernel, ele tentará detectar e montar a partição como ext3, caso contrário, ele usará ext2.

Sua partição agora está montada como ext3, para conferir digite: df -T.

OBS: Quando criar um sistema de arquivos ext3 em uma partição raí­z (/), tenha certeza de incluir o suporte a ext3 embutido no kernel, caso contrário a partição será montada como ext2.

Criando um sistema de arquivos EXT3 em um arquivo[editar | editar código-fonte]

As instruções para criar um sistema de arquivos ext3 em um arquivo não difere muito das instruções de [#s-disc-ext2-criando-a Criando um sistema de arquivos EXT2 em um arquivo, Seção 5.3.2], apenas utilize a opção -j ou -J [tamanho_em_mb] (como explicado em [#s-disc-ext3-criando-p Criando um sistema de arquivos EXT3 em uma partição, Seção 5.5.1]).

Fazendo a conversão do sistema de arquivos EXT2 para EXT3[editar | editar código-fonte]

Se você já possui um uma partição ext2 e deseja converte-la para ext3 isto poderá ser feito facilmente, de forma segura (sem qualquer risco de perda de dados) e você poderá voltar para o sistema ext2 caso deseje (veja [#s-disc-ext3-conv3-2 Convertendo de EXT3 para EXT2, Seção 5.5.4]).

Primeiro, execute o comando tune2fs na partição que deseja converter com a opção -j ou -J [tamanho_journal] para adicionar o suporte a Journaling na partição. Este comando poderá ser executado com segurança em uma partição ext2 montada, após converter remontar a partição usando os comandos umount /particao e mount /particao.

Após a conversão para ext3 é desnecessária a checagem periódica do sistema de arquivos (que por padrão é após 20 montagens e a cada 30 dias). Você pode desativar a checagem após o número máximo de montagens com a opção -c [num_vezes], e o número de dias máximos antes de verificar novamente com a opção -i [num_dias] (o uso de 0 desativa). Por exemplo:


     tune2fs -c 0 -i 90 /dev/hda2

Desativa a checagem após número máximo de montagens (-c 0) e diz para a partição ser verificada a cada 90 dias (-i 90).

O último passo é modificar o /etc/fstab para que a partição seja montada como ext3 na inicialização e depois desmontar (umount /dev/hda2 e remonta-la (mount /dev/hda2) para usar o suporte ext3. Confira se ela está usando ext3 usando o comando df -T.

OBS: Caso a partição convertida para ext3 seja a raí­z (/), tenha certeza de incluir o suporte a ext3 embutido no kernel, caso contrário, a partição será montada como ext2.

Convertendo de EXT3 para EXT2[editar | editar código-fonte]

Remover o suporte a ext3 de uma partição é simples, rápido e seguro. Execute os seguintes passos:

  • Execute o comando tune2fs -O^has_journal /dev/hdxx na partição que deseja remover o Journal. Este comando poderá ser executado em uma partição montada.
  • Modifique o /etc/fstab e altere a partição para ext2.
  • Desmonte e monte novamente a partição com os comandos: umount /dev/hdxx e mount /dev/hdxx.
  • Pronto! a partição agora é novamente uma partição ext2 normal, confira digitando df -T.

Pronto, o suporte a ext3 foi removido do seu sistema e agora poderá usar a partição como ext2 normalmente (confira digitando df -T).