Guia do Linux/Avançado/Firewall iptables/Outros módulos do iptables

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Outros módulos do iptables[editar | editar código-fonte]

Os módulos do iptables são especificados com a opção -m módulo ou --match módulo e permitem expandir a funcionalidade do firewall através de novas conferências e recursos de filtragem adicionais, como limitar a conferência de regras do firewall (um método útil de limitar ping floods, syn floods, etc).

Conferindo de acordo com o estado da conexão[editar | editar código-fonte]

Este módulo permite especificar regras de acordo com o estado da conexão do pacote, isto é feito através da interpretação da saída do módulo ip_conntrack. O parâmetro --state OPÇÕES deve acompanhar este módulo. As opções permitidas são as seguintes:

    • NEW - Confere com pacotes que criam novas conexões
    • ESTABLISHED - Confere com conexões já estabelecidas
    • RELATED - Confere com pacotes relacionados indiretamente a uma conexão, como mensagens de erro icmp, etc.
    • INVALID - Confere com pacotes que não puderam ser identificados por algum motivo. Como respostas de conexões desconhecidas.

Caso seja necessário especificar mais de uma opções estas devem ser separadas por vírgulas.

     iptables -A INPUT -m state --state NEW -i ppp0 -j DROP

Bloqueia qualquer tentativa de nova conexão vindo da interface ppp0.

     iptables -A INPUT -m state --state NEW,INVALID -i ppp0 -j LOG

Permite registrar novas conexões e pacotes inválidos vindos da interface ppp0.

Limitando o número de vezes que a regra confere[editar | editar código-fonte]

A opção -m limit permite especificar o número de vezes que uma regra conferirá quando todas as outras condições forem satisfeitas. O número padrão de conferência é de 3 por hora, a não ser que seja modificado através dos argumentos aceitos pelo limit:

    • --limit num/tempo - Permite especificar a taxa de conferências do limit. O parâmetro num especifica um número e tempo pode ser
      • s - Segundo
      • m - Minuto
      • h - Hora
      • d - Dia

Assim uma regra como iptables -A INPUT -m limit --limit 5/m -j ACCEPT permitirá que a regra acima confira apenas 5 vezes por minuto (--limit 2/s). Este limite pode ser facilmente adaptado para uma regra de log que confere constantemente não causar uma avalanche em seus logs. O valor padrão é 3/h.

    • --limit-burst num - Especifica o número inicial máximo de pacotes que irão conferir, este número é aumentado por 1 a cada vez que o parâmetro --limit acima não for atingido. O valor padrão é 5.

Proteção contra ping da morte[editar | editar código-fonte]

A regra abaixo pode tomada como base para proteção contra ping flood:

     iptables -t filter -A ping-chain -p icmp --icmp-type echo-request -m limit --limit 1/s -j ACCEPT
     iptables -t filter -A ping-chain -j DROP

A regra acima limita em 1 vez por segundo (--limit 1/s) a passagem de pings (echo requests) para a máquina Linux.

     iptables -t filter -A ping-chain -i ppp0 -p icmp --icmp-type echo-reply -m limit --limit 1/s -j RETURN
     iptables -t filter -A ping-chain -j DROP

Limita respostas a pings (echo reply) vindos da interface ppp0 (-i ppp0) a 1 por segundo. ATENÇÃO: O exemplo acima é somente para a criação de suas próprias regras com limitações, caso um pacote não confira ele será bloqueado pela próxima regra. Se uma regra como esta for colocada no chain INPUT sem modificações, ela não terá o efeito desejado, podendo colocar em risco a sua instalação pela falsa impressão de segurança. Portanto, é recomendável sempre testar as modificações para ter certeza que elas tem efeito.

Proteção contra syn flood[editar | editar código-fonte]

A regra abaixo é uma boa proteção para os ataques syn floods:

     iptables -t filter -A syn-chain -p tcp --syn -m limit --limit 2/s -j ACCEPT
     iptables -t filter -A syn-chain -j DROP

Esta regra limita o atendimento de requisições de conexões a 2 por segundo. Outra forma de aumentar a segurança contra syn-floods é através do próprio kernel ativando a opção "TCP Synflood" na compilação e depois executando: echo "1" >/proc/sys/net/ipv4/tcp_synflood. No entanto, utilize estas opções com cautela em servidores que possuem um grande número de acessos para não ter problemas que afetem seu clientes. ATENÇÃO: Os exemplos acima devem são somente exemplos para criação de suas próprias regras com limitações, caso um pacote não confira com a regra ele será bloqueado pela próxima regra. Se uma regra como esta for colocada no chain INPUT sem modificações, ela não terá o efeito desejado, podendo colocar em risco a sua instalação pela falsa impressão de segurança. Portanto, é recomendável sempre testar as modificações para ter certeza que elas tem efeito.

Proteção contra IP spoofing[editar | editar código-fonte]

A especificação de endereços de origem/destino junto com a interface de rede pode ser usado como um detector de ataques spoofing. A lógica é que todos os endereços que NUNCA devem vir da interface X devem ser negados imediatamente. As regras abaixo são colocadas no inicio do chain INPUT para detectar tais ataques:

     iptables -A INPUT -s 192.168.1.0/24 -i ! eth0 -j DROP
     iptables -A INPUT ! -s 192.168.1.0/24 -i eth0 -j DROP

A primeira regra diz para bloquear todos os endereços da faixa de rede 192.168.1.* que NÃO vem da interface eth0, a segunda regra diz para bloquear todos os endereços que não sejam 192.168.1.* vindos da interface eth0. O símbolo "!" serve para especificar exceções (veja [#s-fw-iptables-outras-excessoes Especificando uma exceção, Seção 10.3.5]. O kernel do Linux automaticamente bloqueia a passagem de pacotes que dizem ser de 127.0.0.1 e não está vindo da interface loopback. O método preferido para controlar o ip spoofing é através do código de roteamento do kernel (a não ser que esteja usando algum tipo de roteamento de origem assimétrico necessário por alguns programas especiais):

     for i in /proc/sys/net/ipv4/conf/*/rp_filter; do
      echo 1 >$i
     done

Desta forma qualquer endereço dizendo ser 192.168.1.5 vindo de ppp0 será imediatamente rejeitado. Uma checagem adicional contra IP spoofing pode ser feita no arquivo /etc/host.conf (veja [ch-rede.html#s-rede-dns-a-hostconf /etc/host.conf, Seção 4.6.2.2]).

Especificando múltiplas portas de origem/destino[editar | editar código-fonte]

O módulo multiport permite que seja especificado múltiplas portas para um alvo. Podem ser especificadas até 15 portas em um único parâmetro e basta que uma porta confira para que a regra entre em ação, pois a comparação é feita usando condições "or". O parâmetro multiport deve ser acompanhado de um dos argumentos abaixo:

    • --source-port [porta1, porta2...] - Faz a regra conferir se a porta de origem estiver presente entre as portas especificadas.
    • --destination-port [porta1, porta2...] - Faz a regra conferir se a porta de destino estiver presente entre as portas especificadas.
    • --port [porta1, porta2...] - Faz a regra conferir caso a porta de origem ou destino esteja presente no parâmetro.

Este módulo pode eliminar muitas regras de firewall que fazem o mesmo tratamento de pacotes para diversas portas diferentes.

     iptables -A INPUT -p tcp -i ppp0 -m multiport --destination-port 21,23,25,80,110,113,6667 -j DROP

Bloqueia todos os pacotes vindo de ppp0 para as portas 21 (ftp), 23 (telnet), 25 (smtp), 80 (www), 110 (pop3), 113 (ident), 6667 (irc).

Especificando o endereço MAC da interface[editar | editar código-fonte]

O módulo mac serve para conferir com o endereço Ethernet dos pacotes de origem. Somente faz sentido se usado nos chains de PREROUTING (da tabela nat) ou INPUT (da tabela filter). Aceita como argumento a opção --mac-source endereço. O símbolo "!" pode ser usado para especificar uma exceção.

     iptables -t filter -A INPUT -m mac --mac-source 00:80:AD:B2:60:0B -j DROP

Confere com a máquina com endereço ethernet igual a 00:80:AD:B2:60:0B.

Conferindo com quem criou o pacote[editar | editar código-fonte]

Este módulo confere com o usuário que iniciou a conexão. É somente válido no chain OUTPUT da tabela filter. Os seguintes argumentos são válidas para este módulo:

    • --uid-owner UID - Confere se o pacote foi criado por um processo com o UID especificado. Até o momento somente UID numéricos são aceitos.
    • --gid-owner GID - Confere se o pacote foi criado por um usuário pertencente ao grupo GID. Até o momento somente GID numéricos são aceitos.
    • --pid-owner PID - Confere se o pacote foi criado por um processo com o PID especificado.
    • --sid-owner ID - Confere se o pacote foi criado por um processo no grupo de seção especificado.

OBS: - Lembre-se que pacotes que não possuem detalhes suficientes de cabeçalho nunca conferirão!

     iptables -A OUTPUT -m owner --gid-owner 100 -p udp -j DROP

Rejeita um conexões indo para portas UDP de pacotes criados pelo usuários pertencentes ao grupo 100.


Conferindo com o conteúdo do pacote[editar | editar código-fonte]

O módulo string do iptables permite a inspeção de conteúdo de um pacote e tomar uma ação se determinado tipo de tráfego for encontrado em um pacote. Esta técnica pode ser usada tanto para segurança como para economia de banda dentro da rede. Esta opção *NÃO* torna o iptables como um firewall proxy, pois o proxy tem a habilidade de inspecionar o conteúdo, protocolo, comandos do pacote e decidir se o seu conteúdo é nocivo ou não. O firewall em nível de pacotes fazendo inspeção de conteúdo, chega a ser 3 a 10 vezes mais rápido do que um proxy, assim seu uso deve ser analisado dependendo do tráfego que circula pelo link e da segurança dos dados que trafegam através dele. Uma boa prática é aliar esta opção a um IDS externo usando o alvo QUEUE e deixando o trabalho de espeção de conteúdo para ele. Um exemplo de restrição direta é o bloqueio do envio de qualquer informação confidencial sigilosa para fora da rede interna (número de contas, tudo que conferir com CPF, CGC, endereços de e-mail, memorandos, etc). De qualquer forma, analise o tráfego de sua rede antes de querer implementar qualquer solução baseada neste método sob o risco de afetar tráfego legítimo. Outra utilidade eficiente é a diminuição de tráfego, pois podemos barrar programas que sobrecarregam o link em uma rede com muitos usuários como, por exemplo, usando o Kazaa ou qualquer outro programa para cópia de arquivos via Internet. Veja alguns exemplos:

     # Bloqueia qualquer tentativa de acesso ao programa Kazaa
     iptables -A INPUT -m string --string "X-Kazaa" -j DROP

     # Não permite que dados confidenciais sejam enviados para fora da empresa
     # e registra o ocorrido.
     iptables -A OUTPUT -m string --string "conta" -j LOG --log-prefix "ALERTA: dados confidencial "
     iptables -A OUTPUT -m string --string "conta" -j DROP

     # Somente permite a passagem de pacotes que não contém ".exe" em seu conteúdo
     iptables -A INPUT -m string --string ! ".exe" -j ACCEPT

Conferindo com o tempo de vida do pacote[editar | editar código-fonte]

O módulo ttl pode ser usado junto com as seguintes opções para conferir com o tempo de vida (TTL) de um pacote:

    • --ttl-eq [num]
    • --ttl-lt [num]
    • --ttl-gq [num]

Veja alguns exemplos:

     # Confere com todos os pacotes que tem o TTL maior que 100
     iptables -A INPUT -m ttl --ttl-gt 100 -j LOG --log-prefix "TTL alto"

     # Confere com todos os pacotes que tem o TTL igual a 1
     iptables -A INPUT -m ttl --ttl-eq 1 -j DROP

OBS: Tenha um especial cuidado durante a programação de regras que usem TTL, como elas estão especialmente associadas com o estado da comunicação estabelecida entre as duas pontas e o tipo de protocolo, cuidados especiais devem ser tomados para que seu firewall não manipule de forma incorreta tráfego válido.

Conferindo com números RPC[editar | editar código-fonte]

O módulo rpc permite um controle especial sobre o tráfego RPC que chega até a sua máquina. Um uso útil é restringir a chamada a determinados números RPC e permitir outros (por exemplo, permitindo somente o serviço keyserv e bloqueando outros como o ypserv ou portmapper). As seguintes opções podem ser usadas com o módulo nfs:

    • --rpcs [procedimentos] - Confere com a lista de chamadas RPC especificadas. Mais de um procedimento RPC pode ser especificado como nome ou número separando-os com vírgulas. Um arquivo útil que contém esta lista é o /etc/rpc.
    • --strict - Ignora serviços RPC que não contenham a chamada get do portmapper. Em situações normais, o inicio de qualquer solicitação RPC.

Veja alguns exemplos:

     # Para conferir com todas as chamadas RPC referentes a conexões iniciadas
     # para o portmapper
     iptables -A INPUT -m rpc --rpcs portmapper --strict -j DROP

     # Para permitir que somente as chamadas para status e statmon sejam
     # aceitas
     iptables -A INPUT -m rpc --rpcs 100023,100024 -j ACCEPT

Conferindo com tipo de pacote[editar | editar código-fonte]

O módulo pkttype permite identificar um pacote do tipo unicast (direcionado a você), broadcast (direcionado a uma determinada rede, definida pela netmask) ou multicast (destinado a grupos de redes) e desta forma realizar ações em cima destes. O tipo de pacote é identificado logo após a opção --pkt-type. Veja alguns exemplos:

     # Bloqueia a passagem de pacotes multicast de uma rede para outra
     iptables -A FORWARD -i eth0 -o eth0 -m pkttype --pkt-type multicast -j DROP

     # Como deve ter notado, é possível fazer a associação com diversas especificações
     # de módulos, bastando apenas especificar uma opção "-m" para cada módulo
     # adicional:
     # Permite a passagem de pacotes broadcast de uma rede para outra com
     # limitação de 5/s.
     iptables -A FORWARD -i eth0 -o eth0 -m pkttype --pkt-type broadcast -m limit --limit 5/s -j ACCEPT

Conferindo com o tamanho do pacote[editar | editar código-fonte]

O tamanho do pacote pode ser usado como condição de filtragem através do módulo length. O tamanho do pacote é especificado através da opção --length e o argumento segue a mesma sintaxe da especificação de portas no iptables sendo separados por :. Veja alguns exemplos:

     # Bloqueia qualquer pacote ICMP maior que 30Kb
     iptables -A INPUT -i eth0 -m length --length 30000: -j DROP

     # Bloqueia qualquer pacote com o tamanho entre 20 e 2000 bytes
     iptables -A INPUT -i eth0 -m length --length 20:2000 -j DROP