Guia do Linux/Avançado/Explicações Básicas/Monitorando os logs

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Monitorando os logs[editar | editar código-fonte]

Os arquivos e diretórios de logs residem em /var/log e registram tudo o que acontecem com o kernel, com os daemons e utilitários do sistema. Eles são muito importantes tanto para monitorar o que acontece com o seu sistema como para ajudar na solução de problemas diversos. É comum programas como o servidor web, e-mail, mensagens instantaneas, firewall, irc, banco de dados, gravarem os arquivos de log em diretórios próprios dentro de /var/log/programa, desta forma evitam misturar seus arquivos com os de log do sistema residentes em /var/log.

Acostume-se a olhar constantemente os arquivos de log em seu sistema, isto pode ser importante para encontrar possíveis falhas de segurança, tentativa de acesso ao sistema e, principalmente, solucionar problemas (principalmente os mais complicados). Leia [ch-log.html Arquivos e daemons de Log, Capítulo 6] para mais detalhes.

Destruindo arquivos/partições de forma segura[editar | editar código-fonte]

Esta seção tem a intenção de conscientizar o administrador do uso devido de técnicas para garantir que dados sensíveis sejam apagados de forma um pouco mais segura em seu sistema.

Quando um arquivo é apagado, apenas a entrada na tabela de inodes é mexida, e ele pode ainda ser recuperado com o debugfs e um pouco de paciência e engenharia. O mesmo acontece com as partições, que podem ser recuperadas com facilidade (isto é explicado no nível Intermediário do guia). Esta recuperação é proporcionada pelas regras de funcionamento do sistema de arquivos e do esquema de particionamento, ou seja, são permitidas pelo SO.

Vou um pouco mais além: O disco rígido é uma mídia magnética e opera de forma mecânica para ler/gravar dados. Quando um arquivo é apagado, seja por qualquer motivo, ainda é possível recupera-lo. O que permite isto é porque o HD nem sempre tem a precisão de gravar exatamente no mesmo lugar (pois a cabeça é movida mecanicamente), gravando em trilhas microscópicamente vizinhas a anterior. Então a imagem do arquivo que foi apagada continua lá. Segundo ouvi falar, a NASA possui recursos para recuperar até 60 regravações posteriores no disco. É claro que isto pode ocorrer em pouco tempo, dependendo do tamanho de sua partição e se esta for uma /var/spool em um servidor de e-mails :-)

Baseado nesta teoria, você poderá apagar os dados de forma destrutiva usando o programa shred, que regrava o arquivo repetidamente com dados aleatórios. Sua sintaxe é a seguinte:


     shred -n 70 -v -u arquivo

Isto faz com que ele regrava o conteúdo do arquivo 70 vezes com dados aleatórios. O -u trunca e remove o arquivo após concluído.

Note que o uso de dados aleatórios serve para destruir as possibilidades de uma recuperação simples, este é o motivo de se recomendar sempre o uso de /dev/urandom ao invés de /dev/zero para destruição de arquivos.

OBS1: Saiba exatamente o que está fazendo pois estes procedimentos servem para dificultar ao máximo a recuperação de dados.

OBS2: Devido as tecnologias de sistemas que utilizam journaling (XFS, EXT3, EXT4, JFS e ReiserFS) e sistemas RAID, o shred não funcionará. O shred também não funcionará com sistemas de arquivos via rede (NFS, SMB, etc.). Se procura alguma forma de proteger seus dados, mesmo que apagados, utilize um método de criptografia como o DM-CRYPTO, crypto-loop, gpg, etc.

OBS3: Caso esteja usando um sistema de arquivos criptografado, estes procedimentos são quase desnecessários (dependendo do nível de segurança e algorítmos que você utiliza).