Anestesia em quelónios/Contenção física

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Antes da administração de anestesia é necessário ter em consideração alguns pontos fundamentais, tais como a contenção física.

A primeira ação a tomar é a observação do animal sem qualquer intervenção que o possa deixar perturbado, para uma correta interpretação dos níveis de atividade, respiração, condição física, sinais vitais e também para a observação de distúrbios nutricionais ou processos inflamatórios, necessários para um correto diagnóstico.

A seguir procede-se a um exame cuidadoso e rigoroso. Devem ser tomadas precauções na realização do exame, pois algumas tartarugas podem provocar dolorosas mordeduras no clínico. Em determinadas situações poderá ser exigido o uso de uma proteção que rodeie a cabeça da tartaruga ou que o animal se encontre sedado. Dependendo do tamanho, por vezes não poderão ser manejadas por uma só pessoa, devido ao seu peso, e se dentro de água, graças à sua agilidade e fácil capacidade para se libertarem. Num tanque é possível manter um tartaruga de porte razoável segurando-a na carapaça por trás. Não deverão ser suportadas de lado, pois torna-se mais fácil soltarem-se. Contudo deverá haver moderação na força aplicada pois corre-se o risco de magoar o animal.

O exame deverá conter a história completa do animal, exame físico e recolha e análise de sangue. Poderá ainda conter exames como radiografias, análise hematológica, plasmática e fecal, bem como amostras microbiológicas que contribuirão para a correta interpretação do estado de saúde do animal. A manipulação destes animais requer conhecimento e paciência. O exame físico das pernas e da região cloacal é muito importante, tal como a da cabeça, focando regiões fundamentais como os olhos, as membranas timpânicas e narinas. Muitas doenças infecciosas e não infecciosas afetam funções renais e hepáticas. A observação da cavidade oral para o registo de abcessos ou lesões traumáticas revelam-se importantes na intubação endotraqueal e na manutenção da anestesia.

A recolha de sangue pode ser feita em vários locais. O local mais comum, nos quelônios, é nos membros anteriores através da veia e artéria braquiais. A localização dos vasos é difícil de discernir, embora em tartarugas de grande porte seja possível palpar os vasos. O melhor sítio para a recolha de sangue em tartarugas é a veia jugular, que se encontra por debaixo da pele lateralmente ao pescoço; outras hipóteses são as veias coccígeas ventrais e dorsais e em último caso a cardiocentese. Por vezes o grande problema é a estabilização do animal durante a recolha, podendo ser necessário sedar para diminuir o stress do animal. Uma amostra pode também ser obtida a partir dos seios cervicais dorsais, local muito utilizado em tartarugas marinhas. Em tartarugas de água-doce os locais selecionados são as veias jugular e subcarapacial; a veia jugular percorre o tímpano até à base do pescoço e a veia subcarapacial encontra-se na junção entre a pele e a carapaça – a veia é puncionada no local de fusão da 1ª vértebra com a carapaça.

Os valores recolhidos através da amostra sanguínea podem variar com a localização geográfica das tartarugas, com a idade, sexo e a sua atividade. A recolha não deverá exceder o 1% do peso corporal do animal, para evitar situações de hipovolêmia. Poderá ser usado como anticoagulante lítio heparina.

Dias antes da anestesia o ideal é que os animais se encontrem em condições estáveis de temperatura ótima, para promover a estabilização do seu metabolismo. A temperatura ótima varia de espécie para espécie, mas a grande maioria das espécies esse valor encontra-se ente os 21-26,7 °C (70-80 °F). Para a espécie "red-eared" a temperatura ótima assume valores entre 22,2-33 °C (72-86 °F), para as tartarugas pintadas os valores são entre 22,8-27,8 °C (73-82 °F) e para a espécie "musk" é de 20-25 °C (68-77 °F). No caso de tartarugas marinhas a temperatura ótima é aproximadamente 25-30 °C (77-86 °F).

O conhecimento do peso corporal é fundamental para o cálculo da dose correta do agente anestésico a ser administrado.

Torna-se também importante reconhecer as particularidades de cada espécie por exemplo se nas tartarugas marinhas a indução de anestesia é ou não mais rápida.

O suporte inicial da anestesia inclui a administração de uma solução eletrolítica balanceada (5-10 ml/kg/h) – usada em mamíferos e que em répteis a sua função ainda não foi completamente esclarecida – , o controle da temperatura, suporte nutricional e uma terapia antimicrobiana. Todos estes aspectos contribuirão para a diminuição de riscos da anestesia e cirúrgicos, para uma diminuição do tempo de recuperação, aumentando a ação do sistema imune, promovendo assim o bem-estar e saúde animal. Uma das soluções utilizadas, a solução de Ringer, pode ser administrada via intravenosa, subcutânea ou intracelômica. Para reduzir o stress deverá ser evitado ao máximo o contato manual com a animal.