A Idade Média na Europa – Um olhar curioso/Guerreiros do castelo

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Guerreiros do castelo[editar | editar código-fonte]

Renè d´Anjou, Livro dos torneios

Não se sabe ao certo como surgiram os cavaleiros, um grupo especial, soldados preparados para a luta.

Talvez já tivessem fortuna, talvez tivessem começado como vassalos de algum nobre. O fato é que, eles construíram uma linhagem com o decorrer do tempo e cumpriam suas obrigações militares.

O futuro cavaleiro começava como pajem, por volta dos sete anos de idade, quando começava a aprender equitação.

Aos doze, o aprendiz passava a escudeiro, então podia acompanhar o seu senhor aos campos de batalha, enquanto isso praticava o manejo da espada.

Se tivesse talento e força física, entre dezoito e vinte anos podia tornar-se um cavaleiro.

Era muito caro ser um cavaleiro, cota de malha, armadura, armas, um cavalo de guerra, treinamento constante. Para isso, ele precisava ter renda própria ou ser sustentado por um senhor abastado. A guerra e os torneios, não eram para principiantes, o cavaleiro era o defensor, acima de tudo das donzelas, das viúvas, dos órfãos.

Lancelot cavaleiro


Ele fazia o juramento perante seu senhor, que lhe batia com a mão ou a espada no ombro ou na nuca, reforçando sua condição de submissão e lealdade.

Um cavaleiro deveria ter altos valores morais, ser fiel ao seu senhor, defender a Igreja, seu senhor, a família e as terras dele.

oleo de Dicksee – Cavalaria- 1885

Mas, para além das obrigações e do constante risco de morte, os cavaleiros eram admirados pelas mulheres, inclusive pelas mais nobres.

Especialmente, nas feiras na fase em que as justas já não eram tão violentas e sim espetáculos para o público do local, os cavaleiros faziam sucesso, em geral representando uma donzela, por quem se empenhava em vencer.

Também havia entre eles aqueles que eram guiados pelo espírito de aventura, pelo desejo de sair em torneios pelo mundo afora com o objetivo de se tornarem famosos, ou de buscar o Cálice Sagrado, o Santo Graal.

Assim eles foram imortalizados nos contos de cavalaria. O cavaleiro é o personagem principal dos romances corteses e eram o tema para os trovadores.

É nas cruzadas que vamos saber todas as histórias das Ordens de Cavalaria e seus desdobramentos.

Na verdade As Cruzadas eram chamadas de “Guerra Santa” porque seu objetivo era tomar a “Terra Santa” dos muçulmanos. Assim podemos ver que os resquícios dessa guerra religiosa perduram através dos tempos entre cristãos e muçulmanos.


[[1]]