Logística/Movimentação de materiais/Equipamento/Equipamento de identificação e comunicação automática/Identificação e reconhecimento automático/Codificação por barras/Código de barras

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Segundo Bowersox et al. (2006, p. 188), um código de barras é uma sequência alfanumérica em forma de barras verticais de diferentes larguras, legíveis electronicamente, colocadas pelo computador em diversos materiais.

Segundo a AIM Technologies (1998), a identificação de produtos através do código de barras é a tecnologia de identificação automática mais utilizada. De acordo com a Automatic Identification Manufacturers (AIM), existem mais de 250 estruturas diferentes de códigos de barras, mas apenas uma dúzia são utilizadas pelas empresas.

Segundo a LinhaBase, os códigos de barras se dividem em dois grupos: - Os códigos de barras numéricos e - Os códigos de barras alfanuméricos. Sendo os códigos de barras alfanuméricos capazes de representar números, letras e caracteres. Os códigos de barras são diferenciados entre si através das regras de simbologia.

Segundo Bowersox et al. (2006, p. 188), os códigos de barras eram designados como o Código Universal do Produto (UPC, sigla em inglês para Universal Product Code). O código de barras UPC foi utilizado pela primeira vez em 1972 e representa uma numeração exclusiva de 12 dígitos para cada fabricante ou produto. Os códigos de barras padronizados reduzem erros na recepção, movimentação e transporte de produtos. A Numeração Europeia de Artigos (EAN, sigla em inglês para European Article Numbering) é o padrão europeu para a codificação de itens e, segundo

Segundo a AIM Technologies (1998), um código de barras tradicional, como é o caso dos código de barras UPC, inclui um carácter de iniciação e de paragem e um carácter de selecção. Os códigos de barras contêm linhas e espaços de larguras variadas, onde a barra de menor largura é chamada a dimensão X ou, em alternativamente, a largura do módulo. Os códigos de barras também são frequentemente multidireccionais; eles podem ser lidos em qualquer direcção, quer seja de cima para baixo ou de baixo para cima, da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda.

Segundo a LinhaBase, o código de barras EAN 13 foi desenvolvido pela International Article Numbering Association (EAN), na Europa, e é utilizado na identificação de produtos comerciais e codifica o país de origem, o fabricante, e o código do produto. A utilização deste código é regida pela GS1 cujas normas são internacionais. Sendo esta simbologia considerada ponto inicial para aplicações comerciais. A simbologia EAN 13 também é conhecida pelos termos GS1-13, EAN/UCC-13, GTIN-13, European Article Number 13 (termos originais em inglês).

Fabricantes e empresas logísticas mostram-se interessadas com a evolução dos códigos de barras, visto que exigem armazenamento e recuperação de dados mais sofisticados que os código de barras convencionais. Surgem então os códigos de barras bidimensionais, ou QR Code em inglês, que, apesar de serem rotulados como códigos de barras, não se apresentam necessariamente através de barras e números. Em vez disso, os códigos QR empregam uma matriz com uma série de formas geométricas espalhadas e de espaços, que se assemelham a uma imagem de computador a preto-e-branco. A principal vantagem dos sistemas bidimensionais está no vasto volume de informações que podem codificar num espaço pequeno. Um único código QR pode armazenar até 4.200 caracteres alfanuméricos, o equivalente a 700 palavras.