Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde /REPOSITÓRIO DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS/ Exercício 39: Estudo FRICAS I

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Questão 39 - Estudo FRICAS I[editar | editar código-fonte]

Um estudo conduzido foi conduzido em 20 centros médicos no Brasil, constituído de casos: 299 pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) e controles: 292 indivíduos, identificados no mesmo centro que os casos, e admitidos com largo espectro de doenças agudas, não relacionadas a fatores de risco conhecidos ou suspeitos para IAM. Os dados foram colhidos por meio de um questionário estruturado, preenchido pelo próprio paciente. Os efeitos das variáveis pesquisadas sobre a ocorrência de IAM foram estudadas em abordagens univariadas, considerando-se significativo p≤0,05. A este respeito, analise os resultados a seguir:

NBC4 Health & Fitness Expo 2015 (16269950576).jpg

a) Qual a importância do grupo controle neste estudo?

b) No estudo, o peso médio dos indivíduos infartados foi 69±12,26kg, enquanto que dos indivíduos do grupo controle foi 72±26,89kg (p=0,0271). Interprete a probabilidade de significância informada: qual foi o teste estatístico utilizado, a hipótese nula e a solução do teste.

c) A prática de esportes (no passado e no último ano) foi um fator comparado entre os grupos caso e controle. No último ano, 26 (8,81%) dos paciente infartado praticaram esporte regularmente, enquanto no grupo controle 32 (11,07%). No passado, 53 (17,97%) dos paciente infartado praticaram esporte regularmente, enquanto no grupo controle 71 (24,487%). Reconstitua a tabela de contingência 2x2 para cada um dos fatores. Avalie a existência de associação entre os preditores (ou variáveis de exposição) e o desfecho através de um teste estatístico. Apresente como você obteve elementos para as respostas.

Sugestão de leitura: Epidemiologia Básica (WHO, 2010)

Resposta da questão:[editar | editar código-fonte]

Escreva aqui a resposta e fundamente descrevena) Qual a importância do grupo controle neste estudo?

O presente estudo é um estudo do tipo caso-controle. Tais estudos constituem-se de uma forma relativamente simples de investigar a causa das doenças, particularmente doenças raras. Esse tipo de estudo inclui pessoas com a doença (ou outra variável de desfecho) e um grupo controle (grupo de comparação ou referencia) composto de pessoas não afetadas pela doença ou variável de desfecho. A ocorrência de uma possível causa é comparada entre casos e controles. Nota-se assim a extrema importância do grupo controle que é a de fornecer uma base de comparação e referência àquilo que deseja ser investigado.

b) No estudo, o peso médio dos indivíduos infartados foi 69±12,26kg, enquanto que dos indivíduos do grupo controle foi 72±26,89kg (p=0,0271). Interprete a probabilidade de significância informada: qual foi o teste estatístico utilizado, a hipótese nula e a solução do teste.

             De acordo com o estudo “variáveis discretas foram comparadas através do teste de diferença de proporções, enquanto que as variáveis continuas foram comparadas através do teste de diferença de médias (teste “t"de Student)."Além disso, acrescenta que “em ambos os casos adotou-se como valor crítico de significância o nível de p<0,05." Como o peso é uma variável numérica, infere-se que o teste estatístico utilizado foi o teste de diferença de médias (teste “t"de Student).

A hipótese nula foi: as médias são iguais

“Pacientes que sofreram Infarto Agudo do Miocárdio(IAM) tinham o mesmo peso que pacientes não portadores de Doenças Cardiovasculares(grupo controle)".

Por fim, baseado-se no resultado de p=0,0271, constata-se que p<0,05. Dessa forma há um descarte da hipótese nula, confirmando que, de fato, o peso é um fator relevante no que tange a predisposição de ocorrência de IAM. Podemos afirmar com 95% de confiança que as médias são diferentes.

c) A prática de esportes (no passado e no último ano) foi um fator comparado entre os grupos caso e controle. No último ano, 26 (8,81%) dos paciente infartado praticaram esporte regularmente, enquanto no grupo controle 32 (11,07%). No passado, 53 (17,97%) dos paciente infartado praticaram esporte regularmente, enquanto no grupo controle 71 (24,487%). Reconstitua a tabela de contingência 2x2 para cada um dos fatores. Avalie a existência de associação entre os preditores (ou variáveis de exposição) e o desfecho através de um teste estatístico. Apresente como você obteve elementos para as respostas.

Amostra 01: Infartados que praticavam esportes no passado Amostra 02: Controles que praticavam esportes no passado

Prática de esportes no passado

  Sim Não Total
Infartados 26 269 295
Controle 32 257 289
Total 58 526 584
Amostra 01: Infartados que praticavam esportes no Último Ano Amostra 02: Controles que praticavam esportes no Último Ano

Pratica de esportes no último ano

  Sim Não Total
Infartados 53 242 295
Controles 71 219 290
Total 124 461 585

De acordo com o teste de diferença de proporções aqui realizado para ambas as tabelas fica clara que não há uma relação entre a pratica de esportes no passado ou no ultimo ano, com a incidência de IAM. Tal resultado encontra-se consoante com o apresentado pelos pesquisadores que dizem: “Não foi constada diferença significativa quanto à prática de esportes tanto no presente, como no passado."

Para quem quiser resolver com um teste de independência:

Teste qui-quadrado de Pearson para a Tabela 1: X2 0,833, 1 grau de liberdade, p=0,361

Teste de qui-quadrado de Pearson para a Tabela 2: X2 3,718, 1 grau de liberdade, p=0,054

Referências:

Calculadora estatística online Netquest - www.netquest.com

SILVA, M. A.D., SOUSA, A.G.M.R., SHARGODSKY, H., Fatores de Risco para Infarto Agudo do Miocardio no Brasil - Estudo FRICAS. Arq Bras Cardiol, volume 71, n5, 667-675, 1998.

Epidemiologia Básica 2Edição. R. Bonita, R. Beaglehole, T. Kjellström. Santos Editora, 2010.

Indexadores do tema deste exercício[editar | editar código-fonte]

Noções sobre Intervalo de confiança

Comparação entre grupos amostrais em saúde

Testes Qui-quadrado

Medidas de efeito: Risco relativo e Razão de chances

Bioestatística computacional

Bibliografia utilizada[editar | editar código-fonte]

VOLTAR À PAGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]