Sistemas Sensoriais/Sistema Auditivo/Processamento Timbre: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
m
fix wording error
m (minor wording change)
m (fix wording error)
 
Ainda assim, existem algumas evidências que sugerem que estas regiões são efetivamente responsáveis por codificar a altura e não apenas F0. Por exemplo, investigações mais detalhadas das unidades selectivas da altura do som em Saguis realizadas por Bendor e os seus colegas demonstraram que a atividade nestes neurónios corresponde fielmente às respostas psicofísicas dos animais<ref name=":1" />. Estes autores testaram as habilidades dos animais para detectar um complexo harmónico de fase alternada entre a apresentação de harmónicos com a mesma fase à mesma frequência F0, a fim de distinguir em que situações os animais recorriam às sugestões dos envelopes temporais para a percepção da altura, em vez de sugestões espectrais. De acordo com experiências psicofísicas em humanos, os saguis usavam primariamente sugestões de envelopes temporais de ordem superior, harmónicos não resolvidos de frequência F0 baixa, enquanto sugestões espectrais eram usadas para extrair a altura de harmónicos de ordem inferior de complexos de F0 elevada. Registos destes neurónios selectivos a altura mostraram que o ajuste de F0 ocorria uma oitava abaixo para harmónicos de fase alternada, em comparação com harmónicos com a mesma fase em neurónios ajustados para frequências F0 baixas. Estes padrões de resposta neuronais são consistentes com os resultados psicofísicos, sugerindo que quer as sugestões temporais e espectrais são integradas nestes neurónios para influenciar a percepção da altura.
 
Ainda assim, de novo, este estudo não conseguiu distinguir definitivamente se estes neurónios que respondem a alturas específicas conseguem representar a altura explicitamente ou simplesmente integram informação sobre F0 que será posteriormente descodificada para percepcionar a altura. Uma abordagem mais direta para analisar este tópico foi apresentada por Bizley et al, que analisaram como medições do córtex auditivo PCL e RMU em furões podiam ser usados independentemente para estimar o estímulo F0 e a percepção da altura<ref name=":2">Bizley JK, Walker KMM, Nodal FR, King AJ, Schnupp JWH (2012). "Auditory Cortex Represents Both Pitch Judgments and the Corresponding Acoustic Cues," Current Biology 23:620-625.</ref>. Enquanto os furões eram envolvidos numa tarefa de discriminação da altura (para indicar se um som de uma vogal artificial era superior ou inferior em altura a uma referência num [[wikipedia:Two-alternative_forced_choice|paradigma de 2-escolhas forçadas]]), uma análise da [[w:Característica_de_Operação_do_Receptor|Característica de Operação de Receptor (ROCCOR)]] foi usada para estimar a discriminabilidade da atividade neural em prever a alteração de F0 ou a escolha efetiva resultante (como representação da altura percepcionada). Descobriram que as respostas neurais ao longo do córtex auditivo eram informativas em relação a ambos. Inicialmente, a atividade permitia distinguir melhor F0 do que a escolha do animal, mas a informação relativa à escolha do animal aumentava consistentemente ao longo do intervalo pós-estímulo, tornando-se eventualmente mais discriminável do que a direção da alteração de F0<ref name=":2" />.
 
Comparando as diferenças em ROCCOR entre as áreas corticais estudadas, mostrou-se que campos posteriores de atividade permitiam discriminar melhor a escolha dos furões. Este resultado pode ser interpretado de duas formas. Visto que a atividade relacionada com a escolha era superior nos campos posteriores (que se encontram na borda inferior MF de A1), em comparação com os campos primários, tal pode ser entendido como uma evidência adicional para a seletividade para a altura perto da borda MF inferior de A1. Por outro lado, o facto de informação relacionada com a altura também ser observada nos campos auditivos primários pode sugerir que informação suficiente relacionada com a altura esteja já estabelecida neste nível, ou que um código distribuído ao longo de várias áreas auditivas codifiquem a altura. De facto, enquanto neurónios individuais distribuídos ao longo do córtex auditivo são geralmente sensíveis a vários parâmetros acústicos (e, portanto, não respondem especificamente à altura), informação teórica ou análises neurométricas (usando dados neurais para inferir informação relacionada com o estímulo sonoro) indicam que a informação da altura pode ser representada de forma robusta através de [[Sistemas Sensoriais/Introdução#Codificação de população|codificação de populações]], ou até por neurónios individuais através de multiplexação temporal (isto é, representando várias características do som em diferentes janelas temporais)<ref>Walker KMM, Bizley JK, King AJ, and Schnupp JWH. (2011).Multiplexed and robust representations of sound features in auditory cortex. Journal of Neurosci 31(41): 14565-76 </ref><ref>Bizley JK, Walker KM, King AJ, and Schnupp JW. (2010). "Neural ensemble codes for stimulus periodicity in auditory cortex." J Neurosci 30(14): 5078-91. </ref>. Assim, na ausência de estimulação ou desativação destas potenciais áreas ou neurónios específicos para altura do som para demonstrar que tais intervenções produzem desequilíbrios previsíveis ou enfraquecimentos na altura, pode supor-se que a altura seja representada temporalmente e espacialmente através de códigos distribuídos ao longo do córtex, em vez de recorrer a representações locais especializadas.
 
Assim, quer registos electrofisiológicos quer estudos de neuro-imagiologia sugerem que exista um código neural explícito para a altura que se encontra perto da borda MF inferior de A1. Definitivamente, as respostas seletivas e consistentes a uma larga gama de estímulos que induzem uma resposta à altura sugerem que estas potenciais áreas e neurónios específicos para a altura não estão simplesmente a reflectir qualquer característica física do sinal acústico que está disponível de imediato. Além disso, existe evidência que estes potenciais neurónios que respondem à altura são capazes de extrair informação de sugestões espectrais e temporais da mesma forma que os animais. Contudo, por virtude de uma relação abstrata entre a altura e o sinal acústico, esta correlação entre um estímulo e uma resposta neural só pode ser interpretada como evidência de que o sistema auditivo tem a capacidade de formar representações melhoradas de parâmetros relacionados com a altura. Sem uma evidência causal mais direta para estes potenciais neurónios que respondem especificamente à altura e áreas neurais que determinam a percepção à altura, não é possível concluir se os animais recorrem efetivamente a códigos localizados explicitamente para altura, ou se as representações distribuídas e robustas da altura ao longo do córtex auditivo definem a codificação final da altura no sistema auditivo.
147

edições

Menu de navegação