A história do Japão da Cambridge/O século da reforma: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
m
 
Após a morte da ''Imperatriz Suiko'' em ''628'' e durante as longas discussões sobre quem deveria ser seu sucessor, ''Soga no Emishi'' (que dominou os assuntos políticos após a morte de seu pai ''Umako'' em ''626'') tentou impelir os secretários imperiais ligados às autoridades (que ainda detinham os títulos ''kabana'' de ''omi'' e ''muraji'') a convencer o filho do ''Príncipe Shotoku'' (''Príncipe Yamashiro no Ōe'') que a ''Imperatriz Suiko'' queria que outra pessoa fosse seu sucessor. Com base em tais evidências, ''Seki Akira'' afirmou que os secretários imperiais, que participavam de conferências imperiais assistidas por ministros de alto escalão, estavam sob ordens imperiais e que deviam se reportar diretamente ao trono sobre o que os ministros estavam dizendo e pensando em questões específicas.
 
Nos níveis mais baixos do governo, os funcionários foram selecionados com mais frequência por sua capacidade de desempenhar funções especializadas. O maior número deles provavelmente eram os gerentes de grupos ocupacionais envolvidos no uso de técnicas importadas para produzir armas e ferramentas, construir palácios e templos e fazer estátuas, sinos, pinturas e outras obras de arte simbólicas e decorativas. A maioria desses gerentes (assim como o ''be'' ou ''tomo'' que administravam) eram provavelmente imigrantes que recebiam essas nomeações por causa de seus conhecimentos e realizações, não por causa do nascimento em um clã proeminente.
 
Embora um maior numero de funcionários dos governos central e local fossem agora selecionados e classificados por sua capacidade de desempenhar funções gerenciais específicas, a burocratização não era tão avançada como era em ''Paekche''. Certamente, os secretários imperiais japoneses estavam agora desempenhando funções especializadas na corte, mas ainda não eram como os seis ministros de Paekche (''chwap'yong'') que comandavam os departamentos de assuntos reais, finanças estatais, cerimônias públicas, segurança do palácio, questões penais e defesa provincial. Nos assuntos externos, a ''Corte'' designara a certos funcionários (''shokyaku'') a responsabilidade de dar as boas-vindas aos embaixadores visitantes, mas os ''shokyaku'' não estavam associados a nada parecido com os dez departamentos que ''Paekche'' tinha para assuntos externos. O ''Japão'' também tinha gerentes de propriedades e grupos ocupacionais, mas estes não estavam ligados a estruturas governamentais complexas do tipo encontrado em ''Paekche''. Embora o ''Sistema das Doze Posições'' de ''603'' tenha sido seguido por avanços significativos em direção a uma nova ordem burocrática e preparou o caminho para as ''Grandes Reformas'' dos anos posteriores, esses arranjos burocráticos estavam bem atrás daqueles de ''Paekche''. A ordem do antigo título por clã (''uji-kabane'') ainda era bastante forte.
 
Embora tenhamos certeza de que o sistema de classificação foi instituído em 603 (isto é verificado por uma declaração que aparece na história dinástica chinesa de Sui), a datação das ''Dezessete Injunções'' ainda é um assunto de discussão e desacordo. Descritos em um registro do ''Nihon Shoki'' do primeiro dia de ''604'', <ref> Suiko 12 (604) 4/3, NKBT 68. 180-186.</ref> contêm palavras e frases sugerindo que foram escritas em uma data muito posterior. Alguns historiadores apontam que a primeira vez que o ofício de inspetor provincial (''kuni no mikotomochi'') foi mencionado foi na ''Injunção nº 12'' e que este ofício não apareceu até depois das ''Grandes Reformas'' de ''645''. Mas a Corte pode ter enviado inspetores imperiais para as províncias periféricas ainda nos tempos de ''Asuka'' para inspecionar propriedades reais e outras.
 
{{referências|Notas}}
99

edições

Menu de navegação