Uma História do Japão até 1334/Capítulo XX - Após a Invasão Mongol/2. O Declínio dos Regentes Hōjō: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
m
sem resumo de edição
mSem resumo de edição
 
''Adachi Yasumori'' foi acusado por ''Yoritsuna'' de conspirar para se tornar o ''Shogun'' em razão de sua ligação com os ''Minamoto'', ''Sadatoki'' autorizou que ''Taira Yoritsuna'' atacasse o ''Castelo Adachi''. Existe uma grande possibilidade de que ''Yoritsuna'' tenha falsificado as provas contra ''Yasumori'' devido a sua rivalidade política. O ataque ocorreu em novembro de 1285 e ficou conhecido como ''Incidente de Shimotsuki''. Os ''Adachi'' foram pegos de surpresa e a lucha durou cinco horas ao final ''Yasumori'' foi obrigado a cometer ''Sepukku'' junto com muitos membros de sua família e seguidores. No total mais de 500 pessoas morreram e o ''Clã Adachi'' quase foi exterminado. Já ''Yoritsuna'' foi morto pelos soldados de ''Sadatoki'' junto com 90 de seus seguidores no chamado ''Incidente da Porta Heizen'' ( 平 禅門 の 乱, Heizenmon no Ran) em 1293.
 
Nesta época ''Sadatoki'', agora com vinte e quatro anos de idade, assumiu o comando total do cargo e executou as funções de ''Shikken'' até 1301, quando decidiu se converter monge. Um jovem primo ''Hōjō'', ''Morotoki'', o sucedeu como ''Shikken'', embora ''Sadatoki'' continuasse a tomar decisões sobre assuntos importantes até sua morte em 1311. Seu filho ''Takatoki'' (nascido em 1303) foi educado para sua sucessão por um guardião em quem ''Sadatoki'' confiava, dessa forma durante os anos desta infância a regência estava sob influência de intrigas. O prestígio dos ''Hōjō'' caiu tristemente, o cargo de regente foi degradado por seus ocupantes temporários, e é claro que quando ''Takatoki'' foi formalmente instalado em 1316, os grandes dias de ''Kamakura'' já haviam terminado. Os principais vassalos não mais sentiam lealdade ou respeito pela regência ''Hōjō''. Nem todos se sentiram lesados ​​pela falta de recompensa pelo serviço militar prestado contra os mongóis; mas esta foi uma reclamação dos samurais de ''Kyūshū'' em particular. Em todos os lados, no entanto, o antagonismo com os líderes ''Hōjō'' estava crescendo, em grande parte porque era evidente que o ''Bakufu'' havia perdido sua habilidade administrativa e sua integridade judicial. Não há dúvida de que entre as causas do descontentamento estava no fracasso da ''Corte Shogunal'' dispensar uma justiça imparcial.
 
Tramas contra os regentes foram descobertas de tempos em tempos durante as duas primeiras décadas do ''século XIV'', mas de alguma forma o ''Clã Hōjō'' permaneceu no poder, seu ímpeto sendo ainda mais forte do que qualquer oposição combinada. É uma das ironias habituais da história que o que causou a sua destruição não foi a ação de senhores feudais descontentes, mas uma discussão na corte sobre a sucessão ao trono - uma disputa, além disso, que resultou no testamento político do imperador aposentado ''Go-Saga'', que sempre foi um amigo fiel e apoiados dos regentes ''Shikken'' ''Hōjō'' do seu tempo.
99

edições

Menu de navegação