Logística/Localização/Selecção de locais/Selecção do local pela teoria dos conjuntos difusos/Critérios objectivos: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Actualização
[edição não verificada][edição não verificada]
(Actualização)
(Actualização)
Uma vez efectuada a avaliação do peso relativo de cada [[w:Cidade|cidade]] em relação a cada [[w:Critério|critério]] subjectivo, é necessário avaliar o critério objectivo [[w:Custo|custo]]. Este critério pode ser avaliado independentemente dos decisores, uma vez que os seus valores podem ser estimados com base em [[w:Pesquisa de mercado|pesquisas de mercado]] e [[w:Pesquisa|pesquisas]] [[w:Economia|económicas]]. Assim, e como nos passos anteriores da [[w:Lógica difusa|lógica difusa]], tem-se novamente quatro [[w:Estimador|estimativas]] de custo para cada [[w:Sítio|local]], obtidas em termos de valor [[w:Número|numérico]], como apresentado na Tabela 1.
 
As estimativas do custo do [[w:Terreno|terreno]], ''t''<sub>1</sub>, [[w:Equipamento|equipamento]], ''t''<sub>2</sub>, [[w:Mão de obra|mão-de-obra]], ''t''<sub>3</sub>, e total, ''tit''<sub>i</sub> = ''t''<sub>1</sub> + ''t''<sub>2</sub> + ''t''<sub>3</sub>, são as seguintes:
 
 
<center>Tabela 1. Cálculo do custo total para cada cidade. Fonte: Adaptado de [[Logística/Referências#refbSULE|Sule, (2001, p. 29)]]</center>[[Imagem:Cálculo do custo total para cada cidade.jpg|thumb|center|550px]]
 
De forma a assegurar a compatibilidade entre os critérios objectivos e a classificação dos critérios subjectivos, é necessário converter o custo total numa forma [[w:Número adimensional|adimensional]]. Assim, a avaliação é necessária em termos da distribuição do custo para cada local, representado na tabela pelos valores em linha, e comparado com os restantes locais, através dos valores em coluna. Adicionalmente, a [[w:Escolha|alternativa]] com o custo mínimo deve ter a classificação máxima. De forma a atingir-se estes [[w:Objectivo|objectivos]], e sabendo que ''RtiR''<sub>ti</sub> representa o custo total relativo, é efectuada a seguinte [[w:Transformação|transformação]]:
 
 
<math>\mathit\R_{ti}\ = \{t_i *\times [t1t_1^{-1} + t2t_2^{-1} + ... + t_m^{-1}]\}^{-1} </math>
 
 
Sabendo que ''tit''<sub>i</sub> representa a [[w:Soma (aritmética)|soma]] dos custos para os factores 1, 2 e 3, tem-se para cada cidade um limite inferior, superior e dois valores intermédios totais do custo, iguais à soma das estimativas de menor custo, respectivamente. Uma vez que o custo é convertido numa classificação relativa, o valor mais alto do mesmo deve ter uma classificação inferior ao menor valor de custo, isto é, o custo mais alto deve ocupar o último lugar da classificação. De forma a manter os números pequenos, uma vez que é mais fácil fazerem-se comparações, arbitra-se um número que seja maior que o valor máximo da distribuição de custos, e [[w:Divisão|divide-se]] esse mesmo número por cada custo. Arbitrando o número 100, por [[w:Exemplo|exemplo,]] obtêm-se os valores para cada cidade, tal como representado na segunda coluna da tabela seguinte.
 
<center>Tabela 2. Cálculo do custo total relativo para cada cidade. Fonte: Adaptado de [[Logística/Referências#refbSULE|Sule, (2001, p. 30)]]</center>[[Imagem:Cálculo do custo total relativo para cada cidade.jpg|thumb|center|550px]]
 
 
De forma a obter-se a distribuição do critério objectivo, soma-se os limites inferiores, valores intermédios e limites superiores, respectivamente para cada uma das três cidades. Para converter novamente este valor num valor associado a cada local, [[w:Multiplicação|multiplica-se]] o limite inferior total pelo valor do custo inferior do local, e divide-se pelo número arbitrado anteriormente, obtendo-se a classificação do limite inferior desse local. Invertendo esse valor, obtém-se o limite superior da distribuição da classificação final de cada local i, para o critério 6, ''SiCS''6<sub>iC6</sub>. Para o cálculo do limite superior e dos valores intermédios de cada local, o [[w:Raciocínio|raciocínio]] é semelhante.
 
O último passo da lógica difusa é calcular o índice de adequabilidade difuso, ''FiF''<sub>i</sub>, para cada cidade i, permitindo determinar a classificação final das mesmas. Para determinar este índice, determina-se a [[w:Média|média]] do produto da avaliação de cada local i por cada critério j, ''SijS''<sub>ij</sub>, pelo peso de cada critério, ''wCjW''<sub>''C''j</sub>. Assim, tem-se que:
 
 
<math>\digamma_i = (1/k) \times [(\mathit{SiCS}_{iC1}1 \times wC1W_{C1}) + (\mathit{SiCS}_{iC2}2 \times wC2W_{C2}) + (\mathit{SiC3S}_{iC3} \times wC3W_{C3}) + (\mathit{SiCS}_{iC4}4 \times wC4W_{C4}) + (\mathit{SiCS}_{iC5}5 \times wC5W_{C5}) + (\mathit{SiCS}_{iC6}6 \times wC6W_{C6})]</math>
 
 
 
 
<center>Tabela 3. Índice de adequabilidade difuso para cada cidade. Fonte: Adaptado de [[Logística/Referências#refbSULE|Sule, (2001, p. 31)]]</center>[[Imagem:Índice de adequabilidade difuso para cada cidade.jpg|thumb|center|800px]]
 
 
 
<center>Tabela 4. Classificação final de cada cidade. Fonte: Adaptado de [[Logística/Referências#refbSULE|Sule, (2001, p. 31)]]</center>[[Imagem:Classificação final para cada cidade.jpg|thumb|center|800px]]
 
 
430

edições

Menu de navegação