História do Brasil/Os índios do Brasil: diferenças entre revisões

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
remoção (a imagem, descontextualizada, pode contribuir para a propagação de estereótipos mais que para explicar e o texto é informal demais)
m (correção de afluentes (usando AWB))
(remoção (a imagem, descontextualizada, pode contribuir para a propagação de estereótipos mais que para explicar e o texto é informal demais))
[[Image:Dança dos Tapuias.jpg|thumb|Dança dos Tapuias por Albert Eckhout.]] Quando os europeus chegam ao que hoje é chamado de Brasil, deparam-se com um local fartamente povoado e rico em manifestações culturais.
 
Infelizmente, não é possível estimar com nenhum nível de precisão quantos índios viviam nesta região (alguns falam de 2 milhões e outros de 8 milhões), nem quantos povos eram, nem suas línguas.
Excetuando-se algumas tribos, os índios no Brasil eram canibais, e se refestelavam com a antecipação de banquetes onde os ''inimigos'' eram espancados como vingança, mortos, esquartejados, assados e os pedaços distribuídos entre todos. A prática do canibalismo era entendida como a pior vingança aos inimigos, pois permitia aos índios absorverem a força, coragem e inteligência do inimigo.
 
Como bem [[http://www.staff.uni-mainz.de/lustig/guarani/lingua_tupi.htm cita]] Ozias Alves Jr Jornalista/SC:
:"(...) Afinal, os tupinambás eram temíveis Parus ou Paris. i.e., índios canibais. (...) Na cultura deles, comer a carne do inimigo dava-lhes força e era o maior ato de vingança. Aliás, os índios da família tupi-guaranis eram canibais inveterados. AComo "curtição" deles era "encher a cara", fazer guerras contra as tribos vizinhas e conseguir prisioneiros para matá-los num banquete, ou seja, participar de bacanais de carne humana, sexo e birita, como bem lembraafirma o padre José de Anchieta: "Toda a costa marítima de Pernambuco até além de São Vicente, é habitada por índios que, sem exceção, comem carne humana, nisso sentem tanto prazer e doçura que frequentemente percorrem mais de 300 milhas quando vão à guerra. E, se cativarem quatro ou cinco dos inimigos, regressam com grandes vozearias, festas e copiosíssimos vinhos que fabricam com raízes, e os comem de maneira que não perdem nem sequer a menor unha". ( citado no artigo "Anchieta. Os Passos de um aventureiro", de Liane Camargo de Almeida Alves, Revista Terra, Ano VI, nº 8, agosto 1997, edição 64, página 34). (...)"
 
Algumas poucas tribos não eram canibais como, por exemplo, a dos guaianases (= irmãos, em tupi), em São Vicente, SP, que foram por muitos anos, a partir de 1530, os principais contatos dos portugueses com os índios.
 
Para uma empolgante historiahistória sobre o canibalismo no Brasil, veja o filme Hans Staden, de 1999, falado em tupi e mostrando o comportamento canibal de uma tribo.
 
== {{Links externos}} ==
11 788

edições

Menu de navegação