Universo em que vivemos/Astros/O que são buracos negros?

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa
Esquema artístico de buraco negro.
Um desenho artístico de um disco de acresção de plasma quente orbitando um buraco negro.

No senso comum os buracos negros são tidos como espaços no Cosmos que "sugam" os objetos próximos.

Essa visão leiga é demasiado simples e imperfeita. O que seriam esses "espaços"? Como eles nasceriam? Por que eles "sugam" objetos próximos?

É isso que iremos transmitir de forma simples para leigos.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Diz o livro do grande astro-físico Stephen Hawking, O universo numa casca de nós (editora ARX): «Buraco negro: Região do espaço-tempo da qual nada, nem mesmo a luz, consegue escapar, por causa da enorme força da gravidade».

Assim sendo, um buraco negro seria uma deformação do espaço-tempo que, devido à sua infinita massa (com fortíssima gravidade) atrairia tudo que dele se aproximasse.

O nascimento[editar | editar código-fonte]

Mas o que faz com essas regiões tenham tão magnífica força gravitacional e massa? Existem teorias que explicam isso, e vamos explicar uma delas.

A partir de uma estrela[editar | editar código-fonte]

Uma gigante vermelha comparada com o Sol e outras estrelas.


O Sol é gigantesco. Inacreditavelmente gigante. Sua massa é igualmente grande, e ele é responsável por 99,98% de toda a energia da Terra.

Mas existem estrelas maiores e mais densas que o Sol, a vários anos-luz. Todas essas estrelas um dia irão morrer, numa longa e dolorosa explosão estelar. Antes de seguir viagem, vamos explicar o que é isso:

Explosão estelar[editar | editar código-fonte]

Uma estrela contém hidrogênio no seu interior, que é o seu combustível. À medida que os bilhões de anos se passam a estrela vai queimando mais e mais hidrogênio, que se transforma em hélio; um carro, e.g., movido à gasolina irá rodar até que haja combustível em seu tanque, quando acabar ele irá parar. O mesmo ocorre com estrelas.

Assim sendo, quando essa nossa estrela hipotética — que para o exemplo terá uma massa dezenas de vezes superior à do nosso Sol — queimar todo o seu hidrogênio, ela ficará sem combustível e irá começar à utilizar o hélio que sobrou das explosões anteriores.

Contudo, o hélio irá gerar reações estranhas na estrela que não serão descritas detalhadamente por não ser o objetivo deste livro, mas podemos dizer que em poucos milhões de anos a estrela estará com dimensões várias vezes maiores que a inicial, além de uma densidade menor. Grosseiramente "o mesmo peso" irá "ocupar muito mais espaço".

Nessa etapa a estrela torna-se uma "gigante vermelha" por razão de suas monstruosas dimensões e a nova cor que adquiriu (vermelha).

O que acontecerá nos próximos milhões de anos será que a nossa gigante vermelha "pulsará" como um coração, aumentando e diminuindo de tamanho. Nesse processo ela "engoliria" os possíveis planetas mais próximos além de perder milhões de megatoneladas de massa a cada vez que "pulsava". E isso quer dizer que em bilhares e até trilhares de anos a Terra não poderá mais existir.

Até que em algum momento a estrela entraria em colapso total, e "desabaria" sobre si mesma. O que ocorre aqui é o seguinte:

  • Uma estrela no seu momento normal não "desaba" sobre si mesma diante da fortíssima gravidade devido às explosões igualmente fortes no seu núcleo.

Buraco negro primordial[editar | editar código-fonte]

É um buraco negro que se formou no começo da história do Universo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikipedia
A Wikipédia tem mais sobre este assunto:
Buraco negro
Wikipedia
A Wikipédia tem mais sobre este assunto:
Buraco negro primordial