Português/Classificação das palavras/Substantivos/Classificação dos substantivos

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Português‎ | Classificação das palavras‎ | Substantivos
Ir para: navegação, pesquisa
Books-aj.svg aj ashton 01f.svg
O wikilivro Introdução à língua portuguesa possui uma versão simplificada deste assunto: Classificação dos substantivos

Aqui temos as formas de classificação dos substantivos existentes na língua portuguesa.

Quanto ao tipo[editar | editar código-fonte]

Comum ou Próprio[editar | editar código-fonte]

Os substantivos podem ser classificados quanto à importância, individualização, especificação do que nomeiam. Assim, são classificados em "comuns" ou "próprios".

Um substantivo que se refira a um ser específico, com nome próprio, de determinada espécie, é um substantivo próprio, condição mostrada pela letra maiúscula. Substantivos que não sejam próprios são classificados como comuns.

Comum[editar | editar código-fonte]

Designa um grupo geral de coisas com as mesmas características, geralmente um objeto ou um lugar qualquer sem seus elementos especificados.[1] São grafados em geral com letra minúscula. Exemplo: mulher, cachorro, cidade, loja, livro.

Note que não é qualquer coisa que pode receber o nome de cidade, cachorro, mulher, loja, livro. Para ambos é necessário haver certas características para assim serem chamados.

Próprio[editar | editar código-fonte]

Designa algo específico dentro de um grupo, sendo grafados sempre com letra maiúscula. Indicam um nome, seja ele de um lugar, ser vivo ou obra. O estudo destes é chamado de Onomástica. Exemplo: Ana, Rex, Lisboa, São Paulo, Salvador, Mateus, Luis, Talita, Natanael.

Concreto ou Abstrato[editar | editar código-fonte]

Os substantivos podem ser classificados quanto à possibilidade de formação de uma imagem. Assim, são classificados em concretos ou abstratos.

Ao contrário do senso comum, substantivos concretos não são somente aqueles que podemos ter um contato, ou que podemos pegar com as mãos. Essa definição falha, por exemplo, em substantivos como fogo. Tratam-se, realmente, de palavras que designam coisas reais ou fictícias. Quando o substantivo se refere a algo imaginário, sentimental ou sem existência física, é classificado como abstrato. Substantivos abstratos são quase sempre substantivos derivados de verbos ou adjetivos. Por exemplo, o substantivo abstrato soma deriva do verbo somar, o substantivo abstrato atenção deriva do adjetivo atento. Vale lembrar que muitos substantivos abstratos são facilmente identificáveis pelo seu sufixo e também pela estrutura de formação verbal, nesse último caso, um bom exemplo é a palavra soma que é formada verbalmente da palavra somar excluindo-se o r.

Concreto[editar | editar código-fonte]

Designa seres e objetos, que existem fisicamente, na imaginação ou na teoria. Exemplo: casa, cadeira, Deus, carro, elevador, saci, bóson, fada, bola, etc;

Abstrato[editar | editar código-fonte]

Designa ideias, conceitos, sensações, estados e qualidades, que em geral não têm uma imagem concebida (em geral, sem existência física). Exemplo: teoria, desejo, justiça, altura, trabalho, saudade, amor, calor, etc.

Coletivo[editar | editar código-fonte]

  • Há também o caso coletivo. O coletivo é um substantivo que, mesmo no singular, refere-se a um conjunto de seres, como se fossem um único ser. Por exemplo: matilha, o coletivo de cães.

Lista de exemplos de coletivos[editar | editar código-fonte]

  • acervo de livros
  • álbum de retratos
  • arquipélago de ilhas
  • bando de pássaros
  • batalhão de soldados
  • boiada de bois
  • cardume de peixes
  • cacho de uvas
  • cafezal de pés de café
  • cáfila de camelos
  • cambada de gatos
  • classe de alunos
  • constelação de estrelas
  • discoteca de discos
  • enxame de abelhas
  • esquadra de navios
  • esquadrilha de aviões
  • fornada de pães
  • manada de elefantes
  • matilha de cães
  • molho de chaves
  • ninhada de pintos
  • nuvem de insetos
  • penca de bananas
  • quadrilha de ladrões
  • ramalhete de flores
  • rebanho de carneiros
  • resma de papéis
  • tribo de índios
  • tropa de burros

Quanto à formação[editar | editar código-fonte]

Simples ou Composto[editar | editar código-fonte]

Os substantivos podem ser classificados quanto à quantidade de radicais. Assim, são classificados em "simples" ou "compostos".

Simples[editar | editar código-fonte]

Designa substantivos formados por apenas um radical. Exemplo: pente, América, abelha, senzala, país, canção.

Composto[editar | editar código-fonte]

Designa substantivos formados por mais de um radical. Exemplo: pau-brasil, abelha-rainha, girassol, país-membro, afro-americano, samba-canção, pé-de-moleque, aeronaves.

Primitivo ou Derivado[editar | editar código-fonte]

Os substantivos podem ser classificados quanto à origem. Assim, são classificados em "primitivos" ou "derivados".

Primitivo[editar | editar código-fonte]

Designa substantivos não derivados de outros, aqueles que não vêm de outra palavra da língua. Exemplo: terra, fogo, luz, avião, feudo.

Derivado[editar | editar código-fonte]

Designa substantivos formados a partir de um substantivo primitivo existente no idioma. Exemplo:

  • terraterritório
  • fogofogueira
  • luzluminosidade
  • aviãoaviador
  • feudofeudalismo
Observações: Um substantivo pode ser, ao mesmo tempo, derivado de um e primitivo de outro. Exemplo:
  • Pau-brasil origina Brasil
  • Brasil origina brasileiro
Observe que, não há relação entre as palavras pau-brasil e brasileiro, logo, uma não pode ser considerada derivada da outra.

Conclusão[editar | editar código-fonte]

Dessa forma, podem-se classificar todos os substantivos. Seguem alguns exemplos:

  • Guarda-chuvas: substantivo comum concreto composto derivado masculino no plural.
  • Mau-humor: substantivo comum abstrato composto derivado masculino no singular.
  • Ana: substantivo próprio concreto simples primitivo feminino no singular.
  • Bahia: substantivo próprio concreto simples primitivo feminino no singular.
  • Novenas: substantivo coletivo abstrato simples derivado feminino no plural.

Referência[editar | editar código-fonte]

  1. Bechara, Evanildo, Moderna Gramática Portuguesa, pág. 73